Blitz da saúde atende mais de 120 motoristas




No Dia do Motorista, caminhoneiros realizaram uma série de exames gratuitamente, durante o projeto Bem Viver da Unimed Ji-Paraná Cerca de 70% dos caminhoneiros apresentam alguma alteração na saúde e, o que é pior, não cuidam do problema. A constatação é dos profissionais de saúde que atuaram no projeto Bem Viver, realizado no último sábado, no posto Texaco da BR 364, em Ji-Paraná. Mais de 120 motoristas foram atendidos durante a ação, que é uma iniciativa da Unimed Ji-Paraná, em parceria com a Elo Cooperativa de Consumo.

Das 9 às 14h30, os caminhoneiros que estavam parados, aguardando para carregar, e os que passaram pelo posto foram convidados a fazer uma série de exames gratuitamente. Após os exames, os motoristas receberam instruções sobre como cuidar da saúde. Entre os testes realizados pelo programa estão medições de pressão, glicemia, altura, peso e percentual de gordura. Todos os exames foram realizados por profissionais do Espaço Vida Unimed. Obesidade e pressão alta foram alguns dos principais problemas encontrados pelos profissionais.

Miriam Tavares, enfermeira e coordenadora do Espaço Vida diz que o ideal é realizar um check up por ano e medir a pressão pelo menos uma vez ao mês. “Caminhoneiros estão mais sujeitos a problemas porque se alimentam mal, dormem mal e muitas vezes ingerem bebidas alcoólicas e remédios para ficarem acordados”, afirma. Segundo Miriam, o objetivo da ação também é evitar acidentes nas estradas, já que muitas batidas e mortes são causadas por motivos desconhecidos que podem ser problemas de saúde com os motoristas, principalmente, caminhoneiros.

Jocinei de Carvalho é motorista de caminhão, atividade herdada do pai, e havia visitado um médico pela última vez em 2007. Ele mora em Toledo, no Paraná, mas quase nunca está em casa. Suas viagens ao Norte e Centro-Oeste duram quase duas semanas e ele não tem muitas oportunidades de marcar consultas ou exames. ”Para nós é muito bom fazer esses exames enquanto estamos na estrada”, diz. Ele conta que o maior problema dos caminhoneiros é a alimentação. “Os lugares para comer na estrada não são muito bons”, explica. O profissional também já presenciou um acidente causado por problemas de saúde. Um colega de sua associação sofreu um enfarte enquanto dirigia.

Fonte: Rondonia ao Vivo

Inscreva-se




Deixe sua opinião sobre o assunto!