Caminhoneiros inspiram escritor

Willian Stutz vence seleção nacional sobre a vida dos homens da estrada

Willian Stutz




Willian Stutz

O escritor uberlandense Willian Stutz é autor de um dos 20 contos vencedores do concurso “Contos de Caminhoneiros”, promovido pela Mercedes-Benz. Os textos classificados pela comissão julgadora vão compor um livro que reúne 40 contos. A intenção da montadora é inserir exemplares do livro, Edição Popular, junto ao manual do proprietário de uma nova série de caminhões.

“Na verdade, sou nascido em Belo Horizonte, mas me denomino uberlandense, e para a minha surpresa fui um dos ganhadores. Foi sensacional, uma experiência nova. Escrevo desde pequeno, mas é o meu primeiro material publicado. Fico feliz e orgulhoso, pois escrever é algo extremamente prazeroso; é um vício, às vezes, até mais importante que comer”, disse.

Stutz ficou sabendo sobre o concurso literário por meio do site Anjos de Prata, do qual faz parte desde 2001. “Então escrevi ‘Lava-pés’, que possui uma linguagem fácil, visto que o foco da organizadora é lançar uma edição popular que tem como principal objetivo estimular a leitura entre os caminhoneiros. São contos fáceis, gostosos e a maioria envolve situações amenas e linguagem acessível”, afirmou o escritor. Segundo ele, o que mais o motivou foi saber para qual público escreveria. “Estas pessoas estão pouco acostumadas com a leitura. E quem sabe a gente não consegue cativá-las e estimular o ato de ler?”

O processo ocorreu no segundo semestre de 2008 e o lançamento oficial da edição de luxo foi em setembro. Segundo o escritor, o mote do concurso eram histórias de caminhoneiros e os participantes estavam livres para desenvolver seus contos.
“Lava-pés” é a história de um caminhoneiro inventado por Stutz que saía do Pará e ia para Cuiabá (MT), e neste percurso acontece um monte de coisas. “Escrevi rapidamente, a criação é rápida, o processo mais complicado é o de enviar para revisão etc. A premiação são as edições de luxo e populares para distribuirmos aos amigos, não há dinheiro ou qualquer outro prêmio.”

Também faz parte do projeto uma exposição fotográfica permanente na sede da Mercedes-Benz e 12 mostras fotográficas itinerantes, em postos de serviços nas estradas.

Literatura está no sangue

Na família de Willian Stutz, mãe e irmão são escritores. O primeiro conto do escritor foi produzido quando ele tinha 8 anos de idade. Hoje, ele é médico veterinário, cientista e pesquisador e possui um vasto material literário que está pronto para ser publicado. “Costumo dizer que sou américo-americano, minha mãe é de Teófilo Otoni e meu pai de Nova York, então cresci lendo a literatura máxima americana e a infantil brasileira.

A televisão na minha casa perdia para os livros, mas não me considero um escritor, sou um aprendiz de letras, gosto de brincar com as palavras”, disse Stutz. Ele tem três livros eletrônicos publicados, além de material para mais três ou quatro obras, que estão em processo de registro na Biblioteca Nacional.

Segundo Stutz, a ideia é de fazer um livro de contos, um pequeno romance, que já está encaminhado, mas não há previsão de publicação. “Tenho um livro de crônicas cujo nome provisório, em homenagem ao jornal CORREIO de Uberlândia, um dos meus grandes incentivadores, é ‘3300 com espaço’, regra para o tamanho dos textos que são publicados”, disse.

Conheça o conto “Lava-pés”, vencedor do concurso clicando AQUI

Tinha carregado em Guarantã do Norte, quase na divisa com o Pará um dia antes, cedo, e bem de madrugada pegado o trecho. Carga de arroz. Itaúba e Sinop já tinham ficado para trás, e só tinha parado para almoçar em Sorriso.

Aliás, o almoço já estava esquecido, e bateu outra vez uma fome danada, viagem tem dessas coisas, abre o apetite. Já era tarde e perto de escurecer. Pensava em pousar em Lucas do Rio Verde e seguir até Cuiabá no dia seguinte, sair da BR-163 já seria um consolo, estrada judiada aquela. O calor como sempre por aquelas bandas era o cão chupando manga, de tão forte.

O motor do caminhão, apesar de toda aquela caloria, roncava manso e seguro, parecia não se importar nem com as bacadas que volta e meia aconteciam, a velha 163 para variar, andava daquele jeito. Lá longe o céu escurecia e as nuvens vinham que vinham subindo ligeiras, era muita água que ia despejar.

Pensei comigo, se eu pegar trecho de estrada com lama debaixo d’água aí é que estou no pau da goiaba, terra massapé com chuva vira um encravador só, é fila e mais fila de carro atolado, e podia perder esse tempo não, a carga tinha prazo.

Com pouco chegou um vento forte que veio debulhando tudo quanto há que encontrava pela frente, roça de soja e milho deitava como que a caçar abrigo rente ao chão. De outro tanto de lavoura já colhida e de onde só tinha ficado palha de planta e terra limpa, subiu um mundaréu de poeira que fez a noite chegar antes da hora. Um redemoinho passou bem na minha frente, parecia coisa de filme.

Pensava, se aquele barrado escuro que ia subindo lá longe chegasse aqui, ia ser um tubeu d’água do tamanho do mundo. Não deu outra. A chuva derramou de vez com vontade e força. Se por um lado era bom que refrescava, por outro, fazia diminuir bem a toada, e com isso a janta ia atrasando, e a fome só aumentando.

E eu que queria chegar logo em Cuiabá, encostar a carreta, tomar um merecido banho e bater um prato desse tamanho. Mas estrada é assim mesmo, nunca sai do jeito que a gente programa, não adianta perder a calma. Resolvi esperar a ventania e o grosso da chuva passar e encostei beiraninho um posto da polícia rodoviária.

A barriga roncando de fome daquele tanto. Não ia ter jeito. Tinha que pousar por ali mesmo. Apeei do caminhão e fui puxar prosa com os guardas, pelo jeito eles já tinham jantado, daquela lagoa não saía peixe. Foi quando me informaram que logo ali, em uma currutela próxima tinha um pouso ajeitado onde podia passar a noite e se desse sorte ainda conseguir uma janta famosa na região de tão boa que era, feita em fogão de lenha e panela de ferro.
A pensão era de uma dona sozinha e de suas duas filhas. A boca encheu d`água só de pensar, rumei para lá.

Bem recebido, se puseram a senhora e as moças a arrumar lugar para dormir e bacia para lavar os pés, costume da região, pois banho completo àquela hora da noite tinha jeito mais não. O cheiro da comida ainda estava no ar, mas vinha de cozinha escura, o comer já havia sido servido fazia tempos.
E agora? Matutei. Pedir comer ficava sem graça, dormir com fome daquele jeito não ia conseguir.
A solução veio de estalo, assim que descalcei as botinas e lá ia colocando os pés na bacia de água morna, recuei ligeiro perguntei para a dona como quem não quer nada:
– Será que lavar os pés com a barriga muito vazia não faz mal pra saúde, não?
Susto só, depois de um Deus nos acuda de sem graça e muito pedido de desculpas, a mulher gritou para a filha mais nova para atiçar a brasa do fogão e esquentar as panelas.

Conto só para dar vontade: carne de lata daquela conservada na manteiga de porco, arrozinho solto, feijão com torresmo, banana frita, taioba rasgada refogada, e por cima disso tudo dois ovos caipiras de gema amarelinha e mole. Para beber limonada de limão china, feita com água geladinha de pote e adoçada com rapadura.

Comi feito um condenado. Depois do cafezinho quente, dispensei a cama, fui para a cabine de meu caminhão, minha casa, meu sossego, deitei escutando os barulhos da chuva no teto, dormi pesado e feliz, Cuiabá agora era sonho longe.

* O livro pode ser adquirido no site por R$ 80.

Fonte: Correio de Uberlândia




Deixe sua opinião sobre o assunto!