Caminhões inteligentes podem reduzir acidentes




A Volvo Trucks apresentou recentemente, no congresso mundial sobre sistemas e serviços de transportes inteligentes, em Estocolmo, Suécia, os caminhões que “pensam” e resolvem automaticamente algumas tarefas da rotina de dirigir. Eles se comunicam com outros veículos na estrada e, se necessário, podem intervir automaticamente em situações críticas.

“A longo prazo, é totalmente realista uma visão de zero acidentes envolvendo caminhões. Mostraremos as soluções de segurança ativa do futuro, incluindo uma geração totalmente nova de sistemas de apoio ao motorista. Mas, à medida que nos aproximamos da visão zero, não podemos permitir que a tecnologia assuma por completo a responsabilidade por dirigir. Esta função é, e permanecerá, a tarefa do motorista”, afirma Carl Johan Almqvist, diretor de segurança e de produto da Volvo Trucks.

No campo de segurança ativa, a marca usou um caminhão conceito e um simulador de direção para demonstrar o Apoio Automático para Filas, uma função que acelera e freia o veículo automaticamente em baixas velocidades – por exemplo, em situações de filas de tráfego.

Este caminhão possui o E-horizonte (E-horizon). Por meio de links para bancos de dados de mapas, fornece ao motorista informação sobre colinas, curvas e confluências encontradas em sua rota. O trem-de-força (motor, caixa de câmbio e eixo) é adaptado para que o deslocamento seja realizado da forma mais eficiente e econômica possível.

Veículos que ‘conversam’

Em uma pista de testes a Volvo demonstrou como funcionam os caminhões do projeto internacional Safespot (Ponto Seguro), cuja meta é estudar formas de comunicação entre os carros e caminhões e a infraestrutura à sua volta.
O projeto testou várias aplicações baseadas no veículo, tais como alertas de segurança em confluências, impacto frontal, má qualidade de pavimentação da pista ou detecção de ciclistas e pedestres.

Essas aplicações abrangem alertas de velocidade, avisos de acidentes à frente e a criação de margens de segurança para veículos de resgate, entre outras situações. O motorista recebe a informação na cabine do veículo através da tela do display ou por sinais auditivos e visuais. A informação também pode ser transmitida por sinalização ou luzes intermitentes colocadas na lateral da pista.

“Isto nos proporcionará registrar em detalhes uma ampla variedade de situações potencialmente perigosas, de estudar comportamentos de motoristas e de avaliar os benefícios de novos sistemas de segurança para prevenção de acidentes”, destaca Almqvist.

Fonte: Jornal A Cidade

Inscreva-se




Deixe sua opinião sobre o assunto!