AutoLife apresenta caminhão protegido na Fenatran 2009

bau antiroubo blindado




Veículo com cabine blindada e baú antiarrombamento pode significar redução de custos com seguro de carga e serviço de escolta

A AutoLife levou à Fenatran deste ano o caminhão com cabine blindada e carroceria antiarrombamento.

Segundo Ricardo Mendonça de Barros, diretor da blindadora, é claro que o novo produto não vai eliminar os crescentes roubos de caminhões e cargas no país, mas vai dificultar em muito a ação dos ladrões. Isso porque, com a cabine blindada, o caminhoneiro se sentirá mais seguro e não vai parar em qualquer emboscada. E mesmo que parar, os ladrões levariam horas para conseguir ter acesso à carga, já que o baú revestido com aço anticorte é como um cofre e só abre com a digitação de uma senha passada pela transportadora ao motorista. Esse código só é gerado quando o veículo chega ao seu destino.

“Como está cada vez mais difícil roubar um banco, a maioria dos ladrões que praticavam esse tipo de crime migraram para o roubo de cargas. Cabe ao transportador das cargas mais visadas, como produtos farmacêuticos e eletroeletrônicos, por exemplo, adotar medidas mais eficazes de proteger seus produtos. Aumentar o nível de dificuldades para que o roubo aconteça é uma das saídas”, afirma o executivo da AutoLife.

Barros explica também que na grande maioria dos assaltos os ladrões precisam agir rápido para que sejam bem sucedidos. Ao aumentar a proteção do caminhão e consecutivamente o trabalho que o assaltante terá para conseguir tomar esse veículo ou os produtos, o transportador inibe o assalto. “Para fazer um caminhoneiro parar será necessário armas pesadas, que não são comuns nas regiões de maior assalto à carga, como nas cidades de São Paulo, por exemplo. Além disso, o ladrão ainda precisará de máquinas de corte de aço bastante eficazes, já que a composição do aço de proteção da carroceria foi projetada para dificultar ao máximo o corte”, diz.

Ainda segundo Barros, também não adianta de nada os ladrões tentarem remover a porta-cofre do baú cortando apenas as dobradiças, pois elas são conectadas às paredes da estrutura de forma bem mais complexa: “É como uma trama, na qual uma trava a saída da outra, impedindo que as portas sejam removidas”.

Fonte: Transporte Mundial

Inscreva-se




Deixe sua opinião sobre o assunto!