Motoristas de MT querem melhorias no Porto Seco de Alto Taquari




Hoje, para descarregar no Porto Seco, os profissionais se deparam com lama no estacionamento, mau cheiro, espera de mais 24 horas, longas filas, retenção das notas e falta de informações pelos responsáveis da América Latina Logística (ALL), que detém a concessão das linhas ferroviárias que ligam Mato Grosso ao Porto de Santos – (SP), para escoamento de grãos.

Atualmente, uma média de 300 a mil caminhões são descarregados no local diariamente. O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Terrestres de Rondonópolis e Região (STTRR), representado por seu presidente Luís Gonçalves Costa esteve no local e constatou as deficiências.

Segundo o motorista Etson Brozoski, o profissional para descarregar no porto seco de Alto Taquari precisa passar por uma situação de abandono. “Estamos há meses convivendo com esse lamaçal e o mau cheiro, e no tempo de seca a poeira. Chegamos a ficar 33 horas esperando para descarregar um caminhão sem qualquer informação por parte dos funcionários”, explica.

De acordo com o motorista José Osmundo dos Santos, quando os trabalhadores chegam para a descarga às notas são retidas. “Temos a impressão que eles retêm as nossas notas para que não aja o pagamento das estadias, uma vez que, entregamos o documento na chegada que é quando deveria ser carimbada e entregue para que tenhamos uma prova do tempo que vamos aguardar. Porém a nota é carimbada e nos entregue em até 12 horas após nossa chegada para o descarregamento”, disse José Osmundo.

Conforme o coordenador da ALL, responsável pelo Porto Seco de Alto Taquari, Ivandro Paim, existe uma proposta de terceirização de todos os pátios da América Latina Logística. “Está em fase de negociação com empresas do ramo de combustíveis a terceirização destes pátios. A empresa constrói um posto de combustível para fornecer aos caminhoneiros, em contra partida ela dispõe toda a estrutura nos pátios como asfalto, banheiros, iluminação, manutenção e outros. Mas por enquanto vamos amenizar a situação com a colocação a retirada da lama e colocação de pedras. De imediato, nos pontos mais críticos e depois que o período de chuva terminar em toda área do pátio de caminhões”, informou o coordenador.

O presidente do STTRR, Luís Gonçalves da Costa, fez uma visita no local, na quinta-feira (3). “O coordenador da concessionária responsável pelo Porto Seco disse que a partir desta sexta-feira (4), seriam realizadas algumas obras paliativas para diminuir o excesso de lama no local. Porém, o ideal é asfaltar. Mas vamos requerer uma audiência com os diretores da empresa no Brasil, que tem sede em Curitiba (PR), para ver a questão de infraestrutura dos pátios da empresa em Mato Grosso e outras reivindicações dos motoristas. Outro pátio da ALL na cidade de Alto Araguaia também precisa de melhorias”, avalia Luís Gonçalves.

Fonte: Expresso MT

Inscreva-se




Deixe sua opinião sobre o assunto!