Transporte de pedras leva perigo às estradas




Nesta época do ano, muitos brasileiros viajam de carro pelo país. Muitas das estradas são mal conservadas e há muita imprudência, mas não é só isso. Na reportagem de André Junqueira, você vai conhecer agora um outro tipo de risco a que os motoristas estão sujeitos.

[vodpod id=ExternalVideo.914197&w=500&h=400&fv=midiaId%3D1187748%26amp%3BautoStart%3Dfalse%26amp%3Bwidth%3D480%26amp%3Bheight%3D392]

O alvo são os caminhões que levam cargas debaixo de lonas. É o tipo de proteção normalmente usada para o transporte de grãos. Só que em vez de soja, ou feijão, os policiais descobrem pedras de granito e muitas irregularidades.

“Nós vemos isso como uma tentativa de ludibriar ou, pelo menos, de facilitar a não abordagem”, declarou Edmar Camata, da Polícia Rodoviária Federal.

São rochas acima do peso permitido, levadas de maneira inadequada. Há dois anos, as regras ficaram mais rígidas para este tipo de transporte.

As pedras têm que ser encaixadas em travas especiais. Com as correntes bem apertadas, o motorista tem medo de correr. “A gente tem que segurar no freio, se não tomba”.

Há anos, o perigo corta as rodovias no Espírito Santo. Caminhões em alta velocidade, excesso de peso e pedras caindo no meio do caminho. Acidentes e mortes.

Os acidentes continuam acontecendo, segundo a polícia, por desrespeito às leis. O uso de lonas para encobrir as pedras é apenas um dos artifícios usados pelos caminhoneiros para enganar a fiscalização.

Às vezes, mesmo quando o policial encontra a trava especial instalada na carroceria, o perigo ainda existe, só que escondido de outra forma.

Um motorista prefere deixar frouxa a trava que prende a pedra de granito. Ele mesmo retirou o pino de segurança que fica embaixo da carroceria. “Sem o pino, se você tiver um jeito de jogar a pedra no mato, vai só a pedra e a carreta fica normal. Você continua a viagem”.

A cada caminhão parado, mais problema. É só procurar. A polícia tem o registro das irregularidades. Em cima da pedra, uma corda serve de remendo para a corrente.

“Coloca a vida de outras pessoas em risco, além da dele”.

À noite, o movimento aumenta e os problemas também. A polícia desconfia de uma carreta. O que o motorista leva embaixo das lonas? A polícia olhou e encontrou pedras soltas e um excesso de peso de mais 19 mil quilos.

“Colocar lona sobre as pedras é a forma que eles usam para ludibriar a fiscalização”.

Quase três horas da madrugada. Quem não quer maquiar a irregularidade pega o desvio de terra. Tenta evitar a polícia. Não deu certo. O motorista que evita falar leva na carroceria mais uma pedra solta, sem nenhuma amarração.

“É um perigo. Numa curva, numa freada mais forte, essa pedra fatalmente cairá de cima da carroceria do veículo”, alerta Edervandro Paiva, da Polícia Rodoviária Federal.

Na outra carreta, o motorista admite: leva pedras acima do peso permitido. Por quê? “Nem sei te falar, nem me pergunte, porque agora complicou”, admitiu o caminhoneiro Sérgio Queiroz.

Nos últimos três anos, a Polícia Rodoviária Federal registrou quase 300 acidentes envolvendo caminhões que transportam granito. Doze pessoas morreram e 82 ficaram feridas.

Fonte: Agência de notícias – Jornal Floripa

Inscreva-se




Deixe sua opinião sobre o assunto!