Prorrogada redução de IPI e tolerância de 7,5%




Prorrogada, até 31 de dezembro de 2011, a redução de IPI e a tolerância máxima de 7,5% sobre os limites de peso bruto transmitidos por eixo

Foi prorrogada até 31 de dezembro de 2011 a redução de alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados – IPI incidentes sobre veículos de transporte, bens de capital e materiais de construção.

Também atendendo a solicitações de lideranças do setor, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) prorrogou até 31 de dezembro de 2011 a tolerância máxima de 7,5% sobre os limites de peso bruto transmitidos por eixo de veículos à superfície das vias públicas. É que determina a Resolução nº 365, publicada no Diário Oficial da União de 24 de novembro de 2010. A tolerância seria reduzida para 5% no início de janeiro. (veja mais detalhes no link EDIÇÃO ATUAL neste site / www.cargapesada.com.br).

Segundo o coordenador técnico da NTC&Logística, Neuto Gonçalves dos Reis, a decisão foi tomada porque ainda persistem os mesmos motivos que levaram às prorrogações anteriores. “O principal deles é que o INMETRO ainda não concluiu o Regulamento Técnico Metrológico para pesagem dinâmica. O trabalho encontra-se em fase de consulta pública e sua conclusão poderá levar ainda mais de quatro meses.”

IPI – Foi prorrogada, até 31 de dezembro de 2011, a redução de alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados – IPI incidentes sobre veículos de transporte, bens de capital e materiais de construção constantes dos Anexos I, V, VIII e IX do Decreto no 6.890, de 29 de junho de 2009, e altera a Tabela de Incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados – TIPI, aprovada pelo Decreto no 6.006, de 28 de dezembro de 2006.

Fonte: Revista Carga Pesada

Inscreva-se




Um comentário em “Prorrogada redução de IPI e tolerância de 7,5%

  • 22/12/2010 em 11:19
    Permalink

    Para um País em desenvolvimento bem como que “anda sobre rodas” é um grande incentivo ao investimento neste setores, porém, tomara que isto também contribua na redução dos preços para o consumidor final.

    Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!