Motorista manifesta indignação com descaso político sobre rodovias




Demonstrando indignação com a situação da rodovia BR 364 no trecho entre Alto Araguaia até o distrito de Garça Branca, local de parada de caminhoneiros antes da descida da Serra da Petrovina, o curitibano Aramis do Santos, 46, criticou a falta de empenho político das autoridades de Mato Grosso, não sobrando nem mesmo para o ex-governador Blairo Maggi (PR). “Não dá pra entender, como ele deixa desse jeito” – questionou Aramis referindo-se a precariedade da rodovia.

Aramis conta que saiu de Curitiba carregado de pinus até Uberaba (MG), onde carregou adubo e levou até São Simão (GO). Com uma viabilidade de frete em Sorriso, desceu vazio em sentido a Rondonópolis. “No trecho de Goiás está bom, antes da divisa (GO-MT) está um tapete. Mas quando você passa a ponte começa a buraqueira” apontou o motorista. Ele se refere a divisa dos estados, do lado goiano Santa Rita do Araguaia e mato-grossense Alto Araguaia.

O motorista disse que viaja pelas estradas de Mato Grosso há muito tempo, mas não admite o quadro que sempre se apresenta as rodovias. “Isso não tem fim, e não entendo como o governador , que é o rei da soja deixa nessa situação”. Alertado que agora o governador é Silval Barbosa (PMDB), Aramis questiona: “ele não era o vice?. Então é a mesma coisa”” aponta.

Ele informou sobre a situação de João Lucas, outro motorista vítima dos buracos da rodovia, distante cerca de 15 km dali. “Tem um caminhão com a carga derramada na pista ai pra frente (sentido Alto Garças). É nisso que dá essa buraqueira” – criticou.

Contando que antes trabalhava de empregado e em dezembro de 2010 comprou uma carreta (a NH 380, ano 2000) o motorista ainda humorado, brinca: tenho um blocão para pagar. Vou dar um jeito”. Porém ele muda o semblante quando fala da estrada. “A pessoa trabalha sob pressão, é muito buraco, muito risco e ainda entre os motoristas é uma competitividade muito grande. As grandes transportadoras cobram demais do pessoal e ai na estrada fica desumana. É estresse, doenças…” – salienta Aramis,

Para o curitibano, além dos prejuízos com o caminhão, fica a perda da carga. “A trepidação, os buracos ocasionam muita perda de soja, de milho. É muito complicado. É tudo muito complicado”.

Ao ouvir a entrevista, um outro caminhoneiro se aproximou e alertou Amis: Oh, daqui pra frente (referindo-se sentido Rondonópolis) também tá muito feio. Na serra (da Petrovina) ta muito arriscado”.

Fonte: 24 Horas News

Inscreva-se




Deixe sua opinião sobre o assunto!