A fé de quem percorre as estradas




O jovem caminhoneiro, Eduardo Gazola da Silva, de 24 anos carrega por onde quer que vá o santinho de São Cristovão na carteira. Ele conta que mesmo sendo um cristão um pouco relapso, não deixa de orar e pedir a proteção do padroeiro dos motoristas, todas as vezes que pega a estrada.

Desde os 19 anos trabalha como caminhoneiro e conta que até hoje nunca passou por nenhuma situação de risco no trânsito. “É o santo na carteira e o crucifico dentro do caminhão”, conta. Ele fica cerca de 40 dias longe de casa, percorrendo as cidade do Nordeste.

Ao contrário de Eduardo, Luiz Claúdio Soares já enfrentou situações difíceis nas estradas. Ele que há muitos anos percorre o Brasil, primeiro como motorista de ônibus, agora como caminhoneiro diz que se não fosse à intersecção de um santo, uma tragédia teria acontecido.

“Estava dirigindo um ônibus com 45 passageiros, subindo a Serra da Santa, indo para São Paulo, quando me deparei com uma carreta desgovernada descendo, ela chegou a tombar e vinha na minha direção. Foi então, que pedi meu São Cristovão, por favor me guie neste momento e tive o reflexo de tocar o ônibus para o meio do mato. Por sorte ninguém sofreu nada, eu chego a me arrepiar em lembrar dessa história”, conta.

Fonte: Portal A Tribuna

Inscreva-se




Deixe sua opinião sobre o assunto!