Cummins anuncia dois novos motores para 2011




O lançamento de dois novos motores, ambos inseridos na fase EuroV, será o principal e concreto acontecimento com o qual a Cummins do Brasil irá festejar seus 40 anos de produção no País. Até o final do ano a empresa colocará no mercado um motor de 9,0 litros de 400 cv e, com um outro de 3,8 litros e 180 cv, iniciará sua participação no segmento de entrada que tem nas picapes leves um dos principais focos. O volume total de 117 mil motores em 2011, ante os 96 mil entregues em 2010, também representa uma “cereja a mais” no bolo de aniversário deste que é o maior fabricante independente de motores de toda a América Latina.

Em curto prazo, a empresa planeja um salto expressivo no faturamento total, indo do atual US$ 1,3 bilhão para 2,2 bilhões dentro dos próximos três anos. O lastro desse aumento no faturamento, o que se traduz em maior produção de motores, pode estar relacionado à chegada das marcas chinesas de caminhões ao mercado brasileiro. Pelo menos duas delas, a Shacman e a Foton, utilizam propulsores Cummins de ultima geração e não há nada que impeça que sejam fornecidos localmente numa operação que passe pelo sistema CKD.

Com aproximadamente 90% da sua produção destinada ao mercado interno, tendo como clientes a MAN, Ford Caminhões, Agrale e SC2, a Cummins acredita que haverá um aquecimento nas vendas no segundo semestre dest4e ano ocasionado pelo início de produção dos veículos Euro V, que começam a ser comercializados em primeiro de janeiro de 2012.

Para Luís Pasquotto, vice-presidente da Cummins da América Latina, hoje a empresa esta focada no mercado interno depois de ver seu plano de exportar até 20% da produção não se concretizar. Do volume total planejado para este ano, 75 mil unidades são para o mercado automotivo e o restante vai atender aos segmentos de geradores de energia, máquinas agrícolas e de construção. A Cummins ventila inclusive a possibilidade de construir uma nova fábrica de geradores que deve exigir um investimento da ordem de US$ 200 milhões em local ainda não definido.

Novos motores

Os motores anunciados pelo executivo da empresa são de conhecimento do mercado, uma vez que a empresa já havia feito declarações sobre o assunto. Pelo menos dois fatores funcionaram como catalisadores no avanço dessa intenção. O Proconve P7, que equaliza o Brasil com o que existe de mais avançado no mundo em termos de controle de emissões, que entra em uma nova fase em primeiro de janeiro de 2012, e a anunciada invasão de caminhões chineses no mercado nacional. O propulsor denominado Cummins ISL, de nove litros, tem potência anunciada de 400 cv e vem para atender aos clientes (especialmente MAN e Ford), que ainda não disponibilizam produtos nessa faixa de potência. O motor mais potente fornecido hoje pela Cummins para o setor veicular chega ao máximo de 320 cv.

O segundo motor anunciado pela Cummins será realmente uma novidade. Com o ISF, de quatro cilindros em linha e 3,8 litros, a Cummins passa a atuar em um segmento novo fornecendo motores para a faixa de entrada do mercado. Com potência declara de 180 cv, a empresa aponta diretamente para o mercado de picapes leves, cujos motores, todos alimentados por turbo compressor, oferecem potência entre 165 a 190 cv. Mas é importante ressaltar que os veículos comerciais leves da marca Foton oriundos da China são equipados com versões de motores dessa família que já conta com a tecnologia Euro V.

Futuro

A crescente cobrança por propulsores mais limpos faz brotar questionamentos sobre a longevidade dos motores movidos a óleo diesel. Mas Luís Pasquotto afirma que o cenário futuro visualizado pela Cummins passará por algumas etapas. Em primeiro plano, haverá uma evolução dos motores para a condição de emissão zero de poluentes. “Dentro dos próximos dez anos teremos uma migração para a condição de híbridos, que vão receber um importante incremento de tecnologia. Mas chegará um momento, não antes dos próximos quarenta anos, que os motores elétricos serão uma realidade”, disse. “O futuro não nos assusta, pois não somos apenas fabricantes de motores. Somos uma empresa gerenciadora de energia”.

Fonte: Transpoonline




Deixe sua opinião sobre o assunto!