Simuladores podem suprir treinamento dos motoristas




A busca por motoristas qualificados está se tornando cada vez mais uma missão impossível no Brasil. A falta de mão de obra para conduzir os caminhões é uma preocupação que atinge todos os segmentos do transporte e as empresas têm buscado alternativas para formar seus próprios motoristas e trabalhar programas de retenção de talentos internamente.

O tempo de formação de um condutor de caminhão, seja de qualquer categoria de peso, é um fator muito importante. Condutores que saem das auto-escolas com a CNH categoria D ou E não passaram pelas situações ao volante que realmente testam e formam a habilidade, o senso de direção defensiva e a segurança no comando do caminhão.

Em Guarulhos, na região Metropolitana de São Paulo, existe um centro de treinamento que oferece equipamentos de simulação que são referência no mundo. O centro é responsável pela maioria das horas de treinamento de pilotos de aviões comerciais e conta com simuladores de diversos modelos de aeronaves.

Utilizando a mesma tecnologia dos simuladores aéreos, o centro de treinamento da Motorize, empresa brasileira que desenvolve os equipamentos e ministra os treinamentos em sua estrutura, oferece uma solução de formação de motoristas em até 30 dias.

A Motorize tem uma parceria técnica com a empresa canadense fabricante das máquinas, que transfere a tecnologia para os simuladores de caminhões e ônibus, em parceria também com a MAN Latin America, que oferece a certificação de tropicalização do software e dos componentes do simulador do Constellation 19320.

“A questão é realmente como suprir o atual blackout profissional do transporte rodoviário de cargas brasileiro. Estimamos que existam cerca de 120 mil vagas abertas, principalmente no segmento de carreteiros. O objetivo da Motorize é utilizar a simulação como forma de capacitação de mão de obra, uma ferramenta de ensino”, explica Ricardo Zappelini, diretor Executivo da empresa.

Ricardo conta que a carga horária do curso com o simulador tem 90% de aulas práticas. “Com isso, podemos reciclar a atual mão de obra que está no mercado, tirando alguns eventuais vícios de condução do profissional, e formar novos condutores profissionais, desde que a pessoa já tenha a carteira categoria D ou E”, diz o diretor.

Em seus três anos de atuação no mercado brasileiro, a Motorize já treinou 300 motoristas e conta com quatro simuladores. Cada equipamento custa R$ 700 mil e é importado do Canadá. De acordo com Zappelini, o treinamento completo de um motorista no simulador, que inclui as horas de máquina, a parte teórica e as refeições durante o programa, pode custar entre R$ 1.500,00 e R$ 3.000,00, dependendo da aplicação.

O especialista em Medicina de Tráfego, diretor da Abramet, Dr. Dirceu Rodrigues Alves Jr., considera que os cursos de formação de motoristas precisam de revitalização. “Não podemos entender que andar a 30 km/h no trânsito, parar numa ladeira sem deixar o veículo recuar e fazer uma baliza sejam motivos para se conceder a CNH. Tenho convicção de que esse motorista assim formado é o motorista que temos hoje nas nossas cidades, praticando irregularidades, dirigindo de maneira desastrosa, produzindo acidentes os mais absurdos. Nossos motoristas não aprendem e não praticam as coisa essenciais com relação à direção defensiva e evasiva.

Faz-se necessário o aprendizado em simuladores onde serão treinadas todas as situações de risco, de dia, à noite, com piso escorregadio, na chuva, neblina e em todas as demais variações. Saber desviar, quando em velocidade, de um obstáculo parado com freios comuns e com ABS. Entender como as leis da física atuam sobre uma máquina sobre rodas. Porque viram, porque capotam? Que vetor de força desestabiliza o veículo. Tudo isso e muito mais são conhecimentos que o nosso condutor não pode ignorar. Após longo treino nos simuladores, aí sim, vai para uma pista reservada com o instrutor por em prática tudo aquilo que treinou no simulador. A evolução tecnológica do transporte não nos permite admitir motoristas sem o perfil ou formação adequada. É pelo pouco conhecimento da máquina sobre rodas que temos hoje em todo acidente de trânsito um profissional envolvido. Ao mesmo tempo, e devido a isso, é que vemos os transportadores reclamando da falta de qualificação da mão de obra”, diz o Dr. Dirceu.

Fonte: Portal Transporta Brasil




Um comentário em “Simuladores podem suprir treinamento dos motoristas

  • 31/07/2011 em 01:31
    Permalink

    O problema não é necessáriamente a falta de treinamento pra esses motorista,o que falta é estrutura mesmo,começa melhorar asfalto,começa melhorar frete, começa melhorar as leis,o salário para favorecer o motorista,pra ver se essas 120 mil vaga num preenche rapidinho. só fazer valer a pena.
    .
    se começar a melhorar tudo esse tipo de coisa,essas 120 mil vagas irão ser preenchida com certeza,pois o motorista ,ou a pessoa que pretende ser, vai pensar que vale a pena. pois ultimamente jovens só estão entrando na profissão por paixão ,e mesmo assim ficam cerca de 1,áh 2 anos e já saem dela,procurando outros objetivos para ganhar dinheiro,e os “velhos” só continuam nela pois não sabem fazer nada além dessa profissão.
    .
    A realidade é essa,num falta treinamento pra preencher essas vagas,falta é investimento na estrutura do país. :T

    Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!