New Actros: aposta no futuro




O mercado já comentava, no ano passado, que a Mercedes-Benz preparava uma surpresa em 2012. Talvez na IAA Nutzfahrzeuge, de Hannover, o mais importante salão de veículos comerciais do mundo. Imaginava-se, então, mais um face-lift, ou uma plástica, além da atualização tecnológica do caminhão topo de linha da marca: o Actros.

O modelo fora lançado em 1996, beirava os 15 anos – tempo deste tipo de produto no mercado – e, depois de passar por algumas reformulações, talvez fosse o momento da substituição.

Apostava-se, inclusive, que poderia até surgir um caminhão com nome diferente. Afinal, o denominado Actros 3 – da terceira geração, que roda por aqui – é um veículo carregado de tecnologias, design limpo e com enorme sucesso de vendas nos principais mercados do mundo.

Quando surgiu o convite para conhecer um novo produto da Mercedes-Benz o comentário na redação, dos mais experientes, era exatamente o mesmo: mais um face-lift.

No Pavilhão de Exposições de Bruxelas, Bélgica, no prédio em frente ao Atomium, a surpreendente apresentação de um caminhão integralmente novo, do chassis à cabina, do interior à motorização. E com concepção diferente. O novo produto traz detalhes de conforto, tecnologia e acabamento característicos de um automóvel de luxo. E, por incrível que pareça, mantém o nome de Actros.

Mais ainda: com sua enorme gama de cabinas, sete ao todo, tira de linha os modelos Axor em 2013, apenas, vale ressaltar, no mercado europeu. Motivo: a motorização Euro 6 perfeitamente adequada às exigências de 2014, quando entra em vigência na União Europeia.

Topo de linha

Com o lançamento, a Mercedes-Benz se colocou na vanguarda das emissões, com uma linha de caminhões com motorização de 420 a 510 cavalos. Mas, ao mesmo tempo, salientou que foi sua maior aposta. Afinal, foram mais de dez anos de pesquisas e desenvolvimento, 1 bilhão de euros no projeto do novo produto e outro bilhão nas transformações da fábrica e treinamento de funcionários. É o projeto mais caro da história, com 1,8 mil funcionários envolvidos e mais de 20 milhões de quilômetros rodados em todos os climas e estradas possíveis.

Tamanha aposta, mais do que mero lançamento, faz parte do plano estratégico do maior fabricante mundial de veículos comerciais: consolidar e ampliar sua participação com produtos perfeitamente adequados e integrados a cada mercado. A japonesa Fuso, por exemplo, apresentou em 2009 um pesado com muita tecnologia. E, em 2010, foi a vez da controlada Freigthliner lançar para o mercado do Nafta o topo de linha Cascadia. Enquanto na China era criada uma parceria com a Foton, na Índia foi criada a marca BharatBenz e, na Rússia, feito um acordo com a Kamaz.

“São caminhões e marcas adequados para cada mercado. Inclusive, quanto ao seu desenvolvimento tecnológico, características de operação, normas legais e etc.”, conta Andreas Renschler, o principal executivo do grupo alemão.

Para o mercado latinoamericano, a confirmação: a produção será iniciada, ainda este ano, em Juiz de Fora, para acertos na linha. A inauguração da nova unidade acontecerá em janeiro do próximo ano. E o produto será exatamente o Actros atual, o série 3, importado da fábrica de Wörth, na Alemanha.

“Se existissem garantias de fornecimento do diesel adequado, com 50 ppm, até poderíamos importar o novo Actros como modelo Premium. Mas primeiro teremos de suprir o mercado europeu e aguardar as definições do combustível no Brasil. O produto que produziremos no País será perfeitamente adequado às necessidades das transportadoras, com Euro 5, tal como manda a legislação brasileira. E com alto índice de nacionalização”, salienta Hubertus Troska, responsável mundial pela Mercedes-Benz Trucks.

Aliás, tanto o modelo atual quanto o novo serão produzidos, pelo menos até 2013, em Wörth. Uma fábrica tão bem preparada, cuja capacidade de produção é de um novo caminhão saindo de linha a cada 2 minutos. Ou seja, 470 unidades por dia.

E quais são as principais novidades desta nova família de caminhões apresentada com tanta pompa e circunstância em Bruxelas?

Conforto, dinâmica de direção e lucratividade. Toda tecnologia possível foi agregada para reduzir custos operacionais de manutenção e de consumo de combustível em 7%, ao todo.

Importante: só esta economia permite à transportadora arcar com o aumento no valor do caminhão novo. Afinal, o consumo de diesel representa 25% dos custos. Mais ainda: a durabilidade do novo motor é calculada em 1,2 milhão de quilômetros.

Adornos

A sofisticação é notada nos detalhes. Uma simples chave de ignição transformou-se na peça-chave de monitoramento e controle de várias operações do caminhão. Da pressão dos pneus ao manuseio das luzes, operação do ar condicionado, níveis de principais fluidos, freios e etc.. Um verdadeiro check-up eletrônico é feito cada vez que tal instrumento é acionado e permite redução no tempo de aferição das condições do veículo e maior confiabilidade.

Da mesma maneira a colocação de iluminação LED nos contornos de faróis e mesmo na estrela na grade dianteira tornou a frente do caminhão um destaque nas estradas e postos de parada. Cada detalhe denota preocupação com a perfeição, a funcionalidade, a qualidade. Exemplo: os sistemas de cruise control ou de assistência ao motorista, telefone, Bluetooth, som, tudo é acionado direto no volante, tal como nos automóveis da marca Mercedes-Benz.

Um display colocado no painel, de maneira bem visível, permite o monitoramento do caminhão, além de ser a tela para os mapas do sistema GPS, bem como de acionamento de várias funções do veículo.

O interior das cabinas é dividido em três ambientes: local de trabalho com acabamento em tons escuros, e o painel e a parte superior com todos os mostradores e sinalizadores voltados para o motorista, tal como nos aviões, de forma a permitir fácil e rápida visualização das informações.

Têm ainda a sala de estar, no antigo local do ajudante de motorista e agora com uma espécie de banco/poltrona colocado bem afastado do painel com excelente espaço para as pernas. Além disto existe o dormitório, com suas camas, comprimento e largura suficientes para repousar o maior dos europeus, aqueles com mais de 1, 90 metros de altura.

O contraste entre as cores do local de trabalho e a sala de estar foi feita para o motorista ter a clara percepção de que tem um espaço para recreação, para a pausa do dia, para ler, ouvir boa música, assistir a um DVD, conversar com algum amigo ou parente ao telefone. Ou seja, um local para relaxar.

Entre os sete modelos de cabine, há opções para todos: da pequena, de 2,30 m de largura, destinada à distribuição por curtas distâncias, até a GigaSpace, que têm 40% mais de espaço que a do Actros atual, para operações de longo percurso.

No item dinâmica de direção está embutida a questão segurança. O novo caminhão Mercedes-Benz evoluiu ainda mais em relação ao antecessor. Tem os denominados anjos da guarda, equipamentos que evitam ou minimizam consequências de acidentes e facilitam o controle do veículo, por meio de airbags, freios ABS, retardadores de frenagem, sensores de proximidade e de faixas da estrada, sistemas de frenagem de emergência e controle de estabilidade. E ainda cruise control adaptativo, controles de pressão dos pneus, retrovisores com controle automático, sistema de acoplamento de quinta-roda automático, dentre outros confortos.

A motorização é completamente diferente da linha atual. O novo Actros tem motor de 6 cilindros em linha, mais adequado por ocupar menor espaço que um V6. E incorpora uma série de novidades, que contribuem para a redução do consumo e também na emissão de poluentes. Dentre elas uma caixa de transmissão automatizada com um funcionamento sem qualquer tipo de tranco, com enorme suavidade na mudança.

Tudo foi pensado, repensado, testado à exaustão. E o inventor do caminhão, Gottlieb Daimler, há 115 anos, “estaria orgulhoso deste novo produto, uma revolução ou reinvenção do conceito deste veículo de transporte,” sintetiza Renschler.

Fonte: Revista Transpodata




Deixe sua opinião sobre o assunto!