Euro 5 modifica estratégia de produção de sistemistas no País




A adoção das tecnologias Euro 5 para motores diesel no País, obrigatória a partir de janeiro, já começa a influir na estratégia de produção de fornecedores ligados ao segmento. A Bosch, por exemplo, avalia hoje a viabilidade de manter produção de alguns componentes usados apenas em motores mecânicos, que deixarão de ser produzidos por não mais atenderem às especificações necessárias para o mercado interno.

Segundo Sidney Oliveira, gerente de marketing e vendas, alguns tipos de bombas de injeção usadas apenas veículos com motores mecânicos até Euro 3 poderão ter a produção local descontinuada. “São itens cujos volumes devem cair de 20 mil peças/ano para cerca de quatrocentas/ano.”

Os únicos veículos vendidos no Brasil que continuarão a usar a tecnologia Euro 3 são os fora de estrada, como máquinas agrícolas e de construção. Assim, a empresa poderá trocar a produção local destes componentes específicos pela importação, também para atender ao mercado de reposição. Oliveira salienta, ainda, que estes “são itens cuja vida é longa, e a troca quase nunca é necessária”.

Fonte: Autodata

Inscreva-se




Deixe sua opinião sobre o assunto!