Festival de Caminhoneiros deve gerar R$ 5 milhões




As ruas estreitas praticamente desaparecem quando lá vem mais um caminhão. Em dias de Festival, boa parte de quem roda o Brasil inteiro entra buzinando na “Cidade dos Caminhoneiros”. Evento mais tradicional do Nordeste para o setor, o Festival de Caminhoneiros de Tabuleiro do Norte chega a sua 19ª edição, na região do Vale do Jaguaribe. Financiamentos de veículos, cuidados com a saúde e apresentações culturais enchem dia e noite a programação do evento que começou ontem e segue até domingo. Estima-se em até R$ 5 milhões em negócios.

A relevância do caminhão vai além do fato de que de 17 habitantes, um é caminhoneiro em Tabuleiro. De tanto fornecer mão de obra caminhoneira, a cidade se transformou em importante polo metal mecânico do Estado. E são pequenas indústrias que movimentam a economia. Cerca de 300 pessoas trabalham diretamente nesse setor. Gente como seu Zé Mago, não conhecido por José Leonildo Costa, que todos os meses faz reparo de caminhões – de uma simples pintura à reconstrução total do veículo. As peças são fabricadas lá mesmo.

Saúde

E para uma cidade cujos pais de família trabalham retornando para casa semana sim, semana não, os cuidados com a saúde serão a tônica no festival. Haverá palestras com os temas “Distúrbios do Sono”, “Gestão do Estresse”, “Saúde da Coluna”, além de prevenção sobre Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs) e Aids. Vários estandes estão montados no evento para financiamento de veículos e peças pelas próprias empresas, como Carropel, Volvo, Briston e Michelin. Técnicos do Banco do Brasil e Banco do Nordeste também estão no evento para esclarecimento e abertura de empréstimos.

Cultura

Além de shows musicais, as noites são animadas com espetáculos teatrais. É o caso de “O rapaz da rabeca e a moça da camisinha” e “Os Saltimbancos”. A atividade faz parte do projeto “Arte sobre Rodas”, produzido pelo Sest/Senat, um dos apoiadores do evento, que é realizado pela Associação dos Caminhoneiros de Tabuleiro do Norte (Acatan).

É tanto caminhão que é difícil encontrar alguma família que não tenha um caminhoneiro em casa. “É bom e é ruim”, diz Graça Oliveira, esposa e mãe de caminhoneiro. Não precisa mais nem dizer da preocupação e da saudade dos dois homens de casa passando o dia pela estrada afora de um País “gigante”, como define.

Prevenção

A Secretaria Estadual de Saúde (Sesa) também está no evento, fazendo ao alerta aos caminhoneiros sobre o uso dos preservativos sexuais. Numa parceria com o Grupo de Apoio à Prevenção da Aids (Gapa), a Secretaria faz distribuição de camisetas entre os motoristas, com a campanha “Evite acidentes: use camisinha”. Os caminhoneiros receberão ainda flanelas trazendo o alerta do uso de preservativos.

Um dos momentos mais curiosos do festival é a “gincana tecnológica”, em parceria com o Instituto Federal de Educação do Ceará (IFCE). São criados defeitos mecânicos nos caminhões, por engenheiros mecânicos, para que os caminhoneiros possam identificar rapidamente qual é o problema.

Esta atividade é uma maneira descontraída para orientar os motoristas para possíveis problemas enfrentados na estrada, a verdadeira morada desses profissionais que escolheram viajar para viver. A vida assume riscos nos acidentes de trânsito e na saúde de quem faz da boleia a casa e o escritório. O evento também tem o apoio da Prefeitura Municipal.

Fonte: Diário do Nordeste

Inscreva-se




Deixe sua opinião sobre o assunto!