Linha Verde em Curitiba: sem caminhões, mas com o congestionamento de sempre




A fiscalização da restrição de tráfego de veículos pesados na Linha Verde, entre o Atuba e o Pinheirinho, começa para valer a partir de hoje. O horário diferenciado para a circulação de caminhões com mais de sete metros de comprimento e sete toneladas começou a vigorar ontem, mas o primeiro dia foi de orientação. Durante a tarde a Prefeitura informava que as primeiras horas da restrição davam resultado, melhorando a fluidez do trânsito. Mas no final do dia e começo da noite, o cenário não era diferente do conhecido. Como todos os dias desde a abertura da Linha Verde Sul, o trânsito estava lento, quase parando.

Quando elaborou o plano de restrição do tráfego pesado, a Urbs (Urbanização de Curitiba S/A) alegava que os caminhões que representam 25% da circulação na Linha Verde, seriam a causa dos congestionamentos na via. Por isso proibiu que veículos com mais de sete metros e comprimento ou sete toneladas de carga, circulassem nos horários e pico, entre as 7 e 10 horas e entre 17 e 20 horas. Nas contas da Urbs, cada caminhão ocuparia o espaço de cinco veículos. Sem eles, o tráfego fluiria.

Na época do anúncio da polêmica portaria da Urbs, os representantes do setor de transporte de carga alegavam que isso não era verdade, e que os caminhões pesados representam cerca de 15% do total de veículos que circulam pela Linha Verde diariamente, e que não seria essa a causa dos congestionamentos.

A discussão sobre o fluxo na Linha Verde vem desde que a Prefeitura alterou o projeto da avenida. No início eram previstos trincheiras e viadutos nos cruzamentos mais movimentados ao longo do trecho entre o Jardim Botânico e o Pinheirinho. Mas esse projeto, por ser mais oneroso, foi abandonado, e nos cruzamentos críticos foram colocados semáforos que, na opinião quase geral de quem usa a Linha Verde, é o que trava o tráfego.

De tarde

Durante as primeiras horas do dia e de tarde, conforme a Urbs, o tráfego seguiu fluindo bem. Houve quem se admirasse com a fluidez no trânsito. Fora dos horários de restrição, os motoristas de caminhões eram orientados a utilizarem apenas a faixa da direita, deixando as demais para os veículos leves. Agentes de trânsito da Diretran passaram a quinta-feira orientando os motoristas.

A fiscalização a partir de hoje será feita em parceria com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), responsável pelo trecho, já que o traçado da Linha Verde acompanha a BR-476. O tráfego de caminhões fora do horário permitido é uma infração prevista no artigo 187 do Código de Trânsito Brasileiro. Trafegar em faixa não permitida é infração prevista no artigo 185. Nos dois casos, é infração média, com quatro pontos na carteira e multa no valor de R$ 85,13.

No trabalho de orientação feito ontem na Linha Verde, os agentes alertam os motoristas de caminhão que eles poderão incorrer nas duas infrações caso trafeguem fora do horário permito ou em outra faixa que não a da direita. Nesse caso, serão duas multas com oito pontos na carteira. Além disso, como a fiscalização será feita em diferentes pontos, o motorista poderá ser multado mais de uma vez pela mesma infração.

Além da orientação feita diretamente aos motoristas, a Diretran distribuiu nas duas últimas semanas 100 mil folhetos alertando para a alteração. Os folhetos foram entregues em praças de pedágio, postos de gasolina e pontos de carga e descarga. Também foram enviados folhetos a sindicatos e federação dos transportadores de cargas. Ao todo, 50 placas de sinalização estão colocadas em pontos de acesso e ao longo da Linha Verde.

Fonte: Bem Paraná




Deixe sua opinião sobre o assunto!