Os campeões off-road




De acordo com a CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil), esse setor espera crescer 6% este ano. Número maior que o esperado para o PIB (Produto Interno Bruto). As justificativas do amadurecimento estão nos eventos esportivos e no “boom” imobiliário dos grandes centros. Com isso, é natural ocorrer um efeito cascata, positivo, no mercado de caminhões usados e novos para o segmento da construção civil.

Para mostrar que o cimento, a água e a mistura não podem faltar em qualquer canteiro de obras, a reportagem da Revista Transporte Mundial resolveu escavar para você quais são os caminhões usados do segmento mais oferecidos nas revendas. Já está pensando em abrir uma empreiteira? Pois é, a oferta é boa! A paciência e a pesquisa são fundamentais para que você realize um bom negócio.

Para o segmento dos caminhões que utilizam o basculante como implemento, os eleitos pelos revendedores em ordem de preferência são: Scania 113, Scania 124, Ford F-11000 e F-14000 e Mercedes-Benz LS 2638 e 1933. As trações mais solicitadas são as 6×4. Os compactos basculantes, como os coreanos Kia Bongo e Hyundai HR, também foram indicados durante a pesquisa, mas ambos só valem para cargas menores e usam tração 4×2. No caso desses coreanos, fique de olho no custo de manutenção. Os modelos da Scania lideraram facilmente a lista pelo fato de apresentarem uma boa oferta no mercado: “existem muitos de tudo em todos os estados de conservados, por isso é importante uma boa avaliada. Outro detalhe que se deve observar é que os basculantes já trabalham por muito tempo no campo, logo, existe a possibilidade de o comprador encontrar um refugo de modelos que já estão no final da vida”, explicou Fernando Albuquerque, revendedor independente, que atua na região do extremo oeste do estado de São Paulo.

A mesma linha de raciocínio mostrada pelo representante Albuquerque não deve ser aplicada ao modelo ‘F’ quando o assunto é a oferta. O Ford F-11000 apareceu na pesquisa por apresentar robustez e conforto, sendo excluído apenas quando o assunto é o trabalho em cidades com restrições ao comprimento do veículo, por ser de cabine bicuda. “Ele tem uma boa procura nas regiões do interior do Brasil, onde as distâncias são médias e que não dependem tanto do trânsito urbano”, coloca o vendedor. Os modelos da alemã Mercedes-Benz surgiram à lista pelo mesmo motivo dos modelos da marca sueca, a oferta pelos 2638 e 1933 é alta. Quem manda na hora de levar água para onde for necessário? Os caminhões para o transporte de líquidos são os mais acessíveis para quem está pensando em montar uma empresa para atender às demandas da construção civil. Outra vantagem é que os caminhões pipas também podem atuar em solicitações governamentais ou particulares, como, por exemplo, na recomposição da água de uma piscina ou na irrigação de uma plantação ou jardim. O líder de audiência deste segmento é o Mercedes-Benz L-1113. Um modelo fabricado em 1981 parte de R$ 35 000 e um produzido no seu último ano de fabricação, em 1989, sai por volta de R$ 50 000.

De acordo com Agnelo Marques Filho, dono de um modelo L1113, “o Mercedes-Benz apareceu nesta lista por ser um caminhão que apresenta manutenção confiável, consumo favorável e bom valor de revenda”. Um modelo eleito no segmento dos caminhões pipas que também apareceu na área dos basculantes foi o Ford F-11000, seguido pelo F-14000.

Precisa de muita força para carregar cimento já misturado – é preciso ter um olhar bem clínico para encontrar um caminhão seminovo em ordem nesta categoria, uma vez que a hora- trabalho é muito alta. Como o PBT (Peso Bruto Total) técnico da maior parte dos caminhões desta categoria é de 23 000 kg, vale lembrar que a tração 6×4 favorece a capacidade de rampa.

Os eleitos para betoneira foram: Ford Cargo 2428 e 2622. A principal configuração encontrada é a equipada com motor Cummins Interact 6 nas opções com tração 6×4. A Ford fabricou por volta de 2006 a versão Mixer para os modelos C-2622 e C-2628. Entre os diferenciais estavam a preparação e instalação de tomada de força para facilitar a implementação da betoneira.

Outros modelos que apareceram durante a nossa pesquisa foram o VW 26.260 e o Volvo VM 260. O modelo da Volkswagen que começou a ser fabricado em 2001 tem valores sugeridos a partir de R$ 120 000, metade do valor de um zero-quilômetro. A tração mais encontrada é a 6×4 e o câmbio é o Eaton RT com 10 velocidades sincronizadas. Já o Volvo VM 260 mais encontrado nas revendas conta com o MWM Acteon de 260 cv.

Os valores para o Volvo VM com tração 6×4 partem de R$ 160 000 (fabricado em 2006) e vão até R$ 225 000 (zero-quilômetro).

Fonte: Revista Transporte Mundial

Inscreva-se




Deixe sua opinião sobre o assunto!