Um caminhão de combustível tem a carga roubada por dia no Paraná.




Um caminhão de combustível, pelo menos, tem a carga roubada por dia no Paraná. Essa é a afirmação do presidente do Sindicato de Combustíveis do Paraná (Sindicombustíveis), Roberto Fregonese. “Nós temos uma quadrilha, muito bem organizada atuando, principalmente na região metropolitana de Curitiba, com infiltrações em vários segmentos, desde o pool de Araucária (local onde ficam as distribuidoras e a Refinaria Presidente Getúlio Vargas) até alguns postos, que fazem ofertas milagrosas na hora de vender o produto para o consumidor”, afirma. De acordo com estimativas de sindicato, em 20% dos 700 postos instalados na RMC há irregularidades que permitem a atuação destes ladrões de cargas.

Nos últimos dias mais de 10 caminhões de combustíveis foram roubados na região metropolitana de Curitiba. Em todos os casos o veículo foi encontrado, mas sem o combustível. A denúncia é do empresário Luiz Carlos Nichele, proprietário de uma das maiores transportadoras do Brasil. Segundo ele, são mais de 250 mil litros de combustíveis que foram desviados. “Suspeitamos que da ação de uma quadrilha que certamente tem um interceptador e que pode prejudicar toda a revenda de combustíveis do Paraná”, diz o empresário.

O gerente da transportadora, Marcelo Costa de Melo, conta que os bandidos agem do mesmo modo, segundo o relato dos motoristas vítimas dos roubos. “Eles ficam de olho do caminhão já no pátio do pool, para depois terem a certeza que não terão problema na abordagem”, diz.

Ainda de acordo com Melo, os motoristas são rendidos em semáforos ou em pontos onde não possam reagir. Um integrante da quadrilha assume a direção do caminhão e abandona o motorista em algum ponto distante e sem possibilidade de comunicação. “Depois disso, eles repassam a carga para os comparsas, abandonam o caminhão vazio em algum lugar e ligam para a empresa para dizer onde está o caminhão e o motorista”, conta.

Segundo Fregonese, o sindicato já havia recebido a informação do roubo de caminhões do setor de inteligência da Petrobras. “Esse combustível está sendo vendido nos postos de Curitiba e região, certamente com preço irreal, prejudicando todo o mercado e alimentando o crime organizado”, afirma Fregonese.

Há uma semana, a Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa) apreendeu um caminhão de álcool sem nota. De acordo com os ouvidos é bastante complicado comprovar que essa carga tenha sido fruto de um roubo, mas a linha de investigação não descarta a possibilidade.

Fregonese disse ainda que os postos que compram esse combustível roubado adulteram o encerrante das bombas para mascarar a venda do produto. O encerrante é um mecanismo que mede quanto de combustível foi vendido pela bomba ao final de cada dia. “Estudam a implantação de um sistema que não permitirá a adulteração, mas ainda está em estudos e deve haver, eu acredito, no meio desta quadrilha de ladrões, alguém que saiba adulterar os equipamentos”, disse.

Fonte: Tribuna Terra Boa

Inscreva-se




Deixe sua opinião sobre o assunto!