DAF abre planos para sua operação brasileira




Após assentar pedra fundamental da primeira unidade industrial da DAF na América do Sul, no início do mês, em Ponta Grossa, PR, o Grupo Paccar apresentou na segunda-feira, 30, alguns pormenores de seus planos para o País. Marco Antônio Davila, presidente da subsidiária brasileira, reafirmou investimento de R$ 380 milhões para construção da fábrica em terreno de 230 hectares, às margens da rodovia PR 151, que liga São Paulo ao Paraná.

A DAF traçou meta de responder por 10% do mercado interno de caminhões nos próximos cinco anos e, para tal, pretende investir em sua rede de distribuidores: “Até o início de 2015 contaremos com cem concessionárias, partindo de cinquenta já no primeiro trimestre de 2013”.

De acordo com Michael Kuester, diretor comercial, a DAF já recebeu 58 propostas de possíveis parceiros comerciais, número que surpreendeu os executivos da empresa: “Foi uma adesão bastante alta para uma marca que nunca esteve no País, apesar da tradição na Europa e na América do Norte, via Paccar”.

Serão selecionados até 25 grupos empresariais para formação da rede, que começará vendendo importados – a inauguração da linha de produção paranaense está prevista para o fim do primeiro semestre de 2013. Com capacidade instalada para montar 10 mil caminhões/ano, a nova unidade da DAF deve colocar no mercado em seu primeiro ano de atividades apenas 1 mil unidades do modelo XF, rodoviário topo de linha no mercado europeu.

A lógica, segundo Davila, é simples: “Reparar imagem é muito mais complicado, por isso adotamos uma estratégia cautelosa. O primeiro caminhão que produziremos aqui será um produto Premium, para um segmento muito seletivo, que prioriza qualidade acima de preço”.

Assim, um a um, a DAF vai trazer para o País suas três famílias de produtos: primeiro a XF, com motores de 410 a 510 cv, em seguida a CF, de veículos semipesados com potências de 220 cv a 510 cv, e por último a LF, de caminhões de menor porte – até 15 toneladas – com motorizações de 140 cv a 300 cv, todos com tecnologia SCR.

Antes do início da produção local a DAF pretende importar de duzentos a trezentos caminhões. “Como somos marca ainda desconhecida no País queremos deixar durante este e o próximo ano cerca de vinte unidades em avaliação nas mãos de grandes frotistas, para criarmos uma rede de formadores de opinião.” A estratégia será repetida em todas as linhas de produto.

“Queremos nos consolidar no mercado brasileiro, e no prazo de dez anos estarmos entre as cinco maiores.”

Fornecedores

Na lista de mais de cinquenta empresas que já constam como fornecedores locais da DAF está a Tupy, que será responsável por bloco de motor e cabeçote, que serão enviados à fábrica de motores da DAF em Eindhoven, Holanda, que os mandará de volta em motores montados. A ThyssenKrupp será a responsável pelos virabrequins.

Meritor e ZF Transmissões também serão fornecedores DAF na área de powertrain.

A montagem das cabinas ficou nas mãos da Automotiva Usiminas, que terá uma área exclusivamente dedicada à DAF em sua fábrica de armação de cabines em Pouso Alegre, MG. Os chassis serão produzidos pela Metalsa.

Fonte: Autodata

Inscreva-se




Deixe sua opinião sobre o assunto!