Beto Monteiro comemora segunda vitória da Iveco

Beto Monteiro atingiu neste domingo (4) a meta de manter em 100% o índice de aproveitamento de 100% em atuações no Autódromo Internacional Velopark. Tal qual na primeira edição do evento, em 2010, o pernambucano da Scuderia Iveco venceu o GP Petrobras, corrida que deu início à temporada de 2012 dos campeonatos Brasileiro e Sul-Americano de Fórmula Truck. Foi seu sétimo triunfo na categoria, o segundo de um caminhão Iveco Stralis.

As três colocações seguintes na classificação final foram preenchidas por pilotos que utilizam o modelo Constellation da Volkswagen. Felipe Giaffone, atual campeão da categoria, foi o segundo colocado, com André Marques, seu novo companheiro de equipe, em terceiro. Em quarto ficou Adalberto Jardim, da AJ5 Motorsport. O pódio também teve Paulo Salustiano, da ABF/Volvo, que foi acometido por um mal-estar ao final por conta do forte calor.

Monteiro largou da pole-position, também repetindo o feito da corrida de 2010, e revezou a liderança com Leandro Totti nos primeiros 40 minutos de corrida. O paranaense da ABF Racing Team abandonou a disputa depois de 23 voltas, consequência do rompimento da mangueira do turbo de seu Mercedes-Benz. Christian Fittipaldi assumiu a vice-liderança e chegou a pressionar o líder por algumas voltas, até seu caminhão perder rendimento.

Ao término da prova, Monteiro estava extenuado, efeito do calor de 35 graus do início da tarde gaúcha. “De todas as corridas que eu fiz, essa foi a mais difícil, disparado. A turbina fica debaixo do assento do caminhão, aquece demais. Foi uma corrida que me desidratou muito. Mas que bom. Se precisar ganhar desse jeito para ganhar corrida, eu quero cansar sempre”, brincou, sem se esquivar do apelido “rei do Velopark”. “Que continue assim”, disse.

Giaffone confessou-se surpreso com o segundo lugar na classificação final do GP Petrobras. “Foi excelente, eu não imaginava sair daqui como vice-líder do campeonato. Com a mudança da nossa bomba de combustível, nosso maior problema era a confiabilidade do caminhão, e deu tudo certo. Agora nós vamos ter que trabalhar para melhorar um pouco a potência, para voltar ao que era no ano passado, mas foi fantástico, melhor que o esperado”, disse.

Marques, que fez no Velopark sua primeira participação pela campeã RM, era a imagem da satisfação. “Sem dúvida estou muito feliz, só tenho a agradecer à equipe e à engenharia da Volkswagen, que acreditaram no meu trabalho, na minha vontade”, falou. Para Jardim, o quarto lugar recompensou a corrida de recuperação. “Eu tinha problemas com a injeção, tinha que levar até o meio da corrida para depois arriscar e graças a Deus deu certo”, contou.

A CORRIDA

Roberval Andrade assumiu a liderança da prova na largada. Ainda na primeira volta, Leandro Totti tomou o terceiro lugar de Felipe Giaffone. Ao mesmo tempo, João Maistro rodou na entrada dos boxes e caiu para o fim do pelotão. Ao fim da segunda volta, Andrade notou a perda de rendimento e abriu passagem aos adversários. Com Monteiro e Totti à frente, Regis Boessio, piloto da casa, tomou a quarta posição de Christian Fittipaldi.

Boessio seguiu com sua reação na abertura da oitava volta, superando Giaffone e tomou do atual campeão o terceiro lugar na corrida, logo depois de Renato Martins e Pedro Muffato terem cumprido drive-thru por excesso de velocidade diante do radar instalado na reta oposta, onde os pilotos têm de respeitar o limite de 160 km/h. A essa altura, no duelo mais incisivo da corrida, Giaffone tratava de conter os ataques do estreante Fittipaldi.

A ultrapassagem de Fittipaldi sobre o atual campeão foi consolidada na abertura da 11ª volta, a mesma em que Boessio teve de estacionar no box da ABF Desenvolvimento Team com problemas em seu Mercedes-Benz. Ele perdeu duas voltas nos boxes e voltou à pista praticamente ao mesmo tempo em que Andrade, que já havia perdido 11 voltas em relação aos líderes. Era o momento em que a disputa pela liderança tornava-se mais intensa.

Totti, vislumbrando melhor pontuação no momento da intervenção do Pace Truck, empreendeu na 15ª volta duas tentativas de ultrapassagem sobre o líder Monteiro. Ultrapassagem que veio ao fim da reta dos boxes, na abertura da volta número 16, quando a corrida chegava a exatos 18 minutos, dois antes da bandeira amarela programada. A partir de então, foi Monteiro quem passou a exercer pressão sobre o piloto londrinense da ABF Racing Team.

Talula Pascoli, a piloto do novo Pace Truck da categoria – que é um Ford Cargo –, foi à pista depois de 17 voltas de corrida, para reagrupar o grupo de pilotos. Os cinco primeiros colocados, que tiveram direito a bonificação na tabela de pontuação, eram Totti, Monteiro, Fittipaldi, Giaffone e o paranaense Wellington Cirino. A essa altura, a temperatura ambiente de mais de 30 graus já submetia os caminhões a demonstrações mais claras de desgaste.

Dada a relargada, Totti manteve-se à frente por quase uma volta. No grampo que traz à reta dos boxes, saiu da pista e cedeu a liderança a Monteiro – retomou o traçado em segundo lugar, pressionado por Fittipaldi. Na mesma volta, a de número 19, o paranaense ensaiou e consumou nova ultrapassagem na reta dos boxes, voltando à primeira posição. Sua liderança durou até a 24ª volta, quando parou nos boxes e abandonou a corrida.

Com Monteiro de volta ao comando do GP Petrobras, Fittipaldi viu a chance de vencer em sua estreia na categoria aumentar bastante. Ciente da motivação e do desempenho do piloto da Mercedes-Benz, Monteiro imprimiu um ritmo forte. Sua vantagem, que era de 1s3 no instante em que o abandono de Totti o devolveu à liderança, evoluiu nas voltas seguintes para 1s5, 2s0, 2s5, 3s8, 4s8 e, na 30ª volta, a 17 minutos do fim, exatos 4s880.

Fittipaldi tinha um componente solto na parte de baixo do caminhão e, na 31ª volta, numa saída de pista, perdeu a vice-liderança para Giaffone. Seria superado cinco voltas depois por Cirino, seu companheiro de equipe, num instante em que a negociação de posição dos líderes com os retardatários tornava ainda mais intensa – a pista do Velopark, com 2.278 metros, é a menos extensa do calendário, característica que favorece o tráfego constante.

André Marques, em sua primeira corrida pela RM Competições, valeu-se da perda de rendimento de Fittipaldi para ultrapassá-lo ao fim da reta oposta na 39ª volta, assumindo a quarta posição. Na volta seguinte, no mesmo ponto da pista, foi Adalberto Jardim, também piloto da Volkswagen – mas pela equipe AJ5 Motorsport –, quem superou o ex-piloto de Fórmula 1 e de Fórmula Indy, ficando pela primeira vez fora do grupo dos cinco que vão ao pódio.

A três voltas da bandeira quadriculada, enquanto Marques e Jardim protagonizavam um duelo acirrado pela quarta posição, Monteiro liderava com mais de oito segundos de vantagem sobre Giaffone. À bandeirada final, estava 9s750 à frente de Giaffone. Cirino, que era terceiro colocado, rodou na última curva da corrida. Seu parceiro Fittipaldi, com problemas, havia estacionado na reta dos boxes uma volta antes e também não cruzar a linha de chegada.

Assim, o pódio do GP Petrobras foi formado por Monteiro, Giaffone, Marques, Jardim e Paulo Salustiano. A temporada 2012 terá sequência no dia 1º de abril, no Rio de Janeiro. Será a segunda etapa do Campeonato Brasileiro – o Sul-Americano só terá sequência em 6 de maio, na pista pernambucana de Caruaru. A corrida deste domingo Velopark, após 45 voltas, teve o seguinte o resultado final:

1º) Beto Monteiro (PE/Iveco), Scuderia Iveco, 1h00min50s696
2º) Felipe Giaffone (SP/Volkswagen), RM Competições, a 9s750
3º) André Marques (SP/Volkswagen), RM Competições, a 19s770
4º) Adalberto Jardim (SP/Volkswagen), AJ5 Motorsport, a 21s160
5º) Paulo Salutiano (SP/Volvo), ABF/Volvo, a 52s619
6º) Diumar Bueno (PR/Volvo), DB Motorsport, a 57s179
7º) Fred Marinelli (SP/Iveco), Marinelli Competições, a 1min04s942
8º) Luiz Pucci (ARG/Volvo), ABF/Volvo, a 1min10s715
9º) Wellington Cirino (PR/Mercedes-Benz), ABF/Mercedes-Benz, a 1 volta
10º) Leandro Reis (GO/Scania), Original Reis Competições, a 1 volta
11º) Pedro Gomes (SP/Ford), Ford Racing Trucks/DF Motorsport,
12º) Christian Fittipaldi (SP/Mercedes-Benz), ABF/Mercedes-Benz, a 2 voltas
13º) Regis Boessio (RS/Mercedes-Benz), ABF Desenvolvimento Team, a 2 voltas
14º) Luiz Lopes (SP/Mercedes-Benz), ABF Racing Team, a 5 voltas
15º) Débora Rodrigues (SP/Volkswagen), RM Competições, a 6 voltas
16º) Danilo Dirani (SP/Ford), Ford Racing Trucks/DF Motorsport, a 9 voltas
17º) Roberval Andrade (SP/Scania), Ticket Car Corinthians Motorsport, a 10 voltas

NÃO COMPLETARAM
José Maria Reis (GO/Scania), Original Reis Competições, a 16 voltas
Leandro Totti (PR/Mercedes-Benz), ABF Racing Team, a 22 voltas
Valmir Benavides (SP/Iveco), Scuderia Iveco, a 26 voltas
Pedro Muffato (PR/Scania), Muffatão, a 38 voltas
Renato Martins (SP/Volkswagen), RM Competições, a 39 voltas
João Marcos Maistro (PR/Volvo), Clay Truck Racing, a 44 voltas
Melhor volta: Totti, na 12ª, 1min10s676, média de 116,03 km/h

Fonte: Fórmula Truck

Gostou do conteúdo do Blog?
Colabore! Clique em no botão doar, na barra lateral.
Assim você ajuda o Blog do Caminhoneiro a continuar crescendo.
Obrigado!
Bookmark the permalink.

Deixe sua opinião sobre o assunto!