Mudanças no PSI beneficiam mercado de implementos




As medidas anunciadas pelo Ministério da Fazenda atendem reivindicações da ANFIR e dos demais segmentos produtivos da sociedade e deverão produzir efeitos positivos após sua efetiva implementação. “Esperamos que as novas medidas consigam reverter a queda nas vendas de implementos rodoviários”, afirmou Rafael Wolf Campos, presidente da ANFIR.

De janeiro a março de 2012 a indústria produtora de implementos rodoviários entregou 41.835 unidades, um resultado 1,9% inferior ao total do primeiro trimestre de 2011 quando o volume foi de 42.645. A maior queda foi registrada no segmento Pesado (Reboques e semirreboques) com resultado negativo de 8,84%. O setor Leve (Carroceria sobre chassis) manteve as vendas com resultado positivo: 1,24%.

Até a apresentação das novas medidas de incentivo a produção industrial, a fatia financiável pelo PSI era de 70% – mudança ocorrida em abril de 2011 quando até aquela ocasião o mercado podia financia 100% do bem. Nesse período, o ritmo de crescimento da indústria foi perdendo força e iniciou 2012 com resultados negativos no primeiro bimestre e no primeiro trimestre.

Pelas medidas apresentadas, o financiamento para a compra de implementos rodoviários no PSI teve suas taxas de juros alteradas. Para os compradores classificados como grandes empresas a taxa passa a ser de 7,3% ao ano (antes era 8,7%) e para a micro, pequenas e médias empresas o patamar será de 5,5% ao ano (antes era 6,5%). A parte máxima financiável pelo PSI ficou em 90% (grandes empresas) e 100% (MPME) sem alteração do prazo máximo: 120 meses.

Procaminhoneiro

O programa Procaminhoneiro do BNDES também deve beneficiar o segmento produtor de implementos rodoviários. Em circular do BNDES ficou estabelecido que a taxa de juros fixa será reduzida dos atuais 7% ao ano para 5,5%. Além disso, o aumento do nível de participação do BNDES nos financiamentos concedidos no âmbito do Produto BNDES Finame passará de até 90% para até 100% (cem por cento). Essas normas devem entrar em vigor no dia 30 de abril, considerando a publicação até essa data no Diário Oficial da União.

O benefício será estendido as pessoas físicas residentes no Brasil e que trabalham com transporte rodoviário de carga, assim como os empresários individuais e as microempresas também estão contemplados na circular do BNDES.

A medida do BNDES também concede as mesmas condições de financiamento aos implementos rodoviários usados, registrados nos órgãos de trânsito competentes e que tenham até 15 anos de idade. A ANFIR compreende que é importante incentivar igualmente o mercado de produtos seminovos e usados mas alerta para a qualidade de conservação desses produtos. “O setor é responsável pelo transporte de 60% da carga brasileira e isso exige muita atenção com a segurança”, diz Mario Rinaldi, diretor Executivo da ANFIR.

A entidade tem, desde sua fundação, trabalhado junto aos órgãos públicos para aumentar cada vez mais a segurança nas estradas. A Comissão Técnica ANFIR (CTA), integrada por representantes das empresas associadas, estuda soluções para a melhoria do transporte de carga e as encaminha ao Comitê Brasileiro de Implementos Rodoviários (ABNT/CB-39), da Associação Brasileira de Normas Técnicas. Algumas medidas aprovadas e que contaram com a participação decisiva da ANFIR foram a inclusão da proteção lateral em reboques e semirreboques e a obrigatoriedade de uso de freios ABS em implementos rodoviários, entre outras.

Fonte: Frota Online




Deixe sua opinião sobre o assunto!