Shacman realizou o primeiro desembarque de veículos no Brasil




A montadora chinesa Shacman realizou nesta segunda-feira (2) seu primeiro desembarque de veículos no Brasil. O terminal portuário que recebeu 99 unidades de linha pesada da fabricante asiática é o Porto do Recife. A meta do grupo é desembarcar 500 caminhões ao longo do ano. Apenas com esta primeira operação, a expectativa é que seja gerado um incremento de R$ 500 mil.

De acordo com a assessoria do Porto do Recife, o navio Asian Chorus, do modelo rol on roll off – que abre uma imensa porta para a saída dos veículos – trará também 87 máquinas da linha amarela da marca também chinesa XCMG, que já opera no porto há anos.

Em dezembro de 2011, uma comitiva de diretores da empresa chinesa e representantes da Metro Shacman, companhia nacional que retém exclusividade na importação da montadora, assinaram um protocolo de intenção para montar um centro de distribuição no Recife. A ideia é, no futuro, instalar também uma linha de montagem no país e o município de Caruaru, no Agreste, é uma das localizações possíveis.

“Nossa intenção é clara e objetiva. Esse (o CD) é o primeiro passo e logo em seguida partiremos para a montadora”, disse à época o presidente da Metro Shacman, Reinaldo Vieira, ao participar da cerimônia de assinatura do protocolo de intenção para instalação do CD no centro administrativo do Porto do Recife.

O CD da Shacman vai empregar 40 pessoas diretamente, entre motoristas, mecânicos e pessoal administrativo. Após o desembarque, os caminhões passarão por um processo chamado “tropicalização”. Serão vistoriados, adesivados e receberão uma manutenção prévia antes da entrega às concessionárias. Eles iniciam com uma rede de 16 concessionárias exclusivas espalhadas pelo Nordeste, Sudeste e Sul do país. A meta é chegar a 30 concessionárias até o fim de 2012.

Neste primeiro ano, o CD deverá movimentar cerca de 1,5 mil veículos. Segundo Rodrigo Teixeira, diretor executivo, os veículos, as peças e as ferramentas deverão movimentar mais de US$ 500 milhões (cerca de R$ 894 milhões) por ano.

Inicialmente, os modelos importados trazem especificações que buscam atender às demandas do segmento dos pesados, com configurações 4×2 e 6×4. A montadora tem capacidade de produzir mais de 70 mil unidades por ano e exporta para 50 países de diferentes continentes.

Fonte: Pernambuco.com




Deixe sua opinião sobre o assunto!