Caminhões: plano de renovação de frota sai até abril

Scania_R440_Streamline




As vendas de caminhões começam timidamente a apresentar retomada depois de um início de ano difícil em virtude da demora do governo em oficializar as novas regras do PSI para 2014. Em fevereiro foram licenciadas 10434 unidades, alta de 4,7% ante mesmo período do ano passado.

O resultado do acumulado do ano deixa evidente as consequências do atraso na formatação do programa de financiamento do BNDES: o crescimento do mês passado ainda não foi suficiente para pelo menos igualar o volume de negócios registrado no primeiro bimestre de 2013. As vendas dos dois primeiros meses do ano somaram 21207 unidades, queda de 4% na comparação anual.

Ao se verificar o resultado anualizado o volume dos últimos doze meses é de 142938 caminhões. Em fevereiro do ano passado a análise registrava 137269 unidades comercializadas.

“A demora da publicação no Diário Oficial da União das novas regras do PSI praticamente parou o mercado de caminhões em janeiro”, recorda Luiz Carlos Gomes de Moraes, vice-presidente da Anfavea e diretor de relações institucionais da Mercedes-Benz do Brasil. “Mas a partir de agora a tendência é de normalização das vendas.”

Também a própria Anfavea corre com novos planos com o objetivo de incrementar o mercado de caminhões: desde novembro está nas mãos do governo estudo a fim de estimular a renovação de frota de veículos de carga do País.

Segundo Luiz Moan, presidente da associação, o documento entregue dá conta de R$ 5 bilhões anuais somente com gastos relacionados a acidentes e outras consequências de uma frota de caminhões envelhecida. “Os 30 mil caminhões/ano necessários para renovar a frota impactariam custos bem menores e com vantagens.”

O executivo se mostrou otimista: “O governo já entendeu o plano como um todo e os vários ministérios envolvidos já deram sua aprovação. Se não sair ainda em março, sai em abril”.

A expectativa por dias melhores, entretanto, já se mostra nos números de produção: em fevereiro as fábricas de caminhões produziram 15041 unidades, expansão de 8,5% na comparação com fevereiro do ano passado e 9,8% ante janeiro.

No acumulado do primeiro bimestre as montadoras já produziram 28745 caminhões, crescimento de 9% ante mesmo período de 2013.

Fonte: Portal Autodata




5 comentários em “Caminhões: plano de renovação de frota sai até abril

  • 27/05/2014 em 20:28
    Permalink

    Aqui o planos deles.. Por exemplo a FORD.

    “Operação FINAME PSI, taxa fixa de 0,49% ao mês = 6,0% ao ano, para planos de até 72 meses e 03 ou 06 meses de carência. Entrada de 10% para Micro, Pequena e Média Empresa com faturamento anual inferior à R$ 90 milhões e entrada de 20% para Média-Grande e Grande Empresa com faturamento anual superior à R$ 90 milhões. Operação BNDES Finame na Sistemática Convencional. As condições estão sujeitas a alteração por parte da autoridade monetária, BACEN e BNDES. Promoção válida em todo o território nacional, para a linha Cargo, zero km, até 31/05/2014 ou enquanto durarem os estoques. As condições financeiras estão sujeitas à análise e aprovação de crédito pela financeira. Contrato de FINAME operacionalizado pelo Banco Bradesco S/A.”

    NÃO FALA EM RENOVAÇÃO DE FROTA DO AUTÔNOMO, SÓ PARA EMPRESAS.

    Resposta
  • 12/03/2014 em 19:07
    Permalink

    essa renovação,vale sim para os que tem CNPJ pois com cpf,não se consequen nunca fazer o tal pro caminhoneiro,venho lutando para fazer de um bitrem, não tenho nenhuma restrição so que não sai.

    Resposta
    • 12/03/2014 em 21:37
      Permalink

      amigo Silvio,CNPJ pra quem tem um caminhão o faturamento é pouco e os bancos não querem correr o “RISCO” de perder,tem que ter no minimo 2 anos de bom faturamento.Tenho passado por isso e o que o BNDS ou Finame libera da pra comprar um caminhão usado,e pra usado eles não liberam pois a taxa de juros se torna inviável

      Resposta
  • 12/03/2014 em 14:28
    Permalink

    Renovação de crédito fácil para as empresas vocês querem dizer , pois os pequenos continuarão a pagar juros extorsivos a financeiras e a se sujeitar a qualquer valor de frete imposto pelos DONOS DO MERCADO que agora nem com funcionários gastam mais , está tudo terceirizado na mão do transportador autônomo de cargas , principalmente os custos!

    Resposta
  • 12/03/2014 em 12:02
    Permalink

    Uma lástima este plano não contemplar o pequeno proprietário, o autônomo dono de apenas 1 caminhão. Tudo isto só beneficia empresas, que sonham em transformar o autônomo em empregado direto regido pela CLT. Basta ver a lei do descanso que equivale empregados e autônomos. A lei é válida, porem desconhece a realidade do caminhoneiro autônomo, da mesma forma que este projeto de renovação de frota.

    Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!