Vendas domésticas de máquinas agrícolas caem 19,1% no 1º bimestre

Trator Agrale




As vendas internas de máquinas agrícolas das montadoras para as revendas totalizaram 5.615 unidades em fevereiro, alta de 48,9% em comparação a janeiro e recuo de 9,6% contra o mesmo mês de 2013.

Já no primeiro bimestre, a comercialização recuou 19,1%, para 9.387 unidades em relação ao mesmo período do ano passado. Os números foram divulgados nesta terça-feira pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Uma das explicações para a queda é o período de volatilidade por que passa o setor agrícola, com a seca que prejudica a safra em algumas regiões e a chuva no Centro-Oeste que atrapalha a colheita de grãos, diz Milton Rego, vice-presidente da Anfavea. Rego explica que o cenário vem fazendo com que o agricultor de alguma forma adie a decisão de investimento em máquinas. Entretanto, isso varia conforme a região.

Depois do recorde de 2013, a expectativa é de estabilidade no volume de vendas de máquinas este ano. Em 2013, foram comercializadas 83,078 mil unidades, alta de 18,4% sobre 2012, o melhor resultado histórico do segmento.

A produção do setor foi recuperada no mês passado. Em janeiro, a produção havia caído significativamente perante férias coletivas e sem a possibilidade de formalização de novos contratos do Programa de Sustentação do Investimento (PSI, do BNDES), principal fonte de financiamento para o setor. Apenas no fim de janeiro, conforme a Anfavea, é que novas operações do PSI puderam ser feitas.

A produção em fevereiro subiu 51,2% ante janeiro e aumentou 1,4% sobre fevereiro de 2013, para 7.854 unidades. No acumulado do ano, foram produzidas 13.049 unidades, redução de 6% sobre os primeiros dois meses de 2013.

No último mês, foram embarcadas 1.040 unidades, o que representou alta de 86,7% ante janeiro e de 5,5% contra o mesmo mês de 2013. No primeiro bimestre, foram vendidas ao mercado externo 1.597 unidades, redução de 11,4% sobre igual intervalo de 2013. A receita em fevereiro totalizou US$ 260,16 milhões, alta de 22% sobre o mês anterior e queda de 4,4% ante fevereiro de 2013.

Nos dois primeiros meses de 2014, o valor com as exportações de máquinas agrícolas somou US$ 473,35 milhões, ligeiro aumento de 0,2% sobre o mesmo período de 2013.

Apesar do aumento dos embarques sobre janeiro, ainda são em pequeno volume. O Brasil perdeu competitividade nos últimos anos, diz Rego.

A Anfavea pediu ao Ministério da Agricultura que reative o Moderfrota, programa de financiamento de máquinas agrícolas. A modalidade perdeu espaço com a entrada do PSI, do BNDES, iniciado em 2012, afirma Rego. O Moderfrota perdeu competitividade diante de taxas de juros muito atrativas do PSI e atualmente é usado apenas para financiar a aquisição de equipamentos usados.

Rego explica que o programa de financiamento precisa ser específico para o segmento, com um calendário vinculado ao do ano-safra. As condições do PSI são definidas no fim do ano civil, o que atrapalha o fechamento de novas operações de financiamento no fim do ano e em janeiro, período importante para a aquisição de colheitadeiras, por exemplo.

O pleito, conforme Rego, é para o próximo ano-safra (2014/15), que começa em julho. O Plano Safra deverá ser divulgado em maio.

Fonte: Jornal Extra




Deixe sua opinião sobre o assunto!