Criminalidade faz caminhoneiros evitarem Porto Seco de Uruguaiana

fotos-porto-seco-002




O medo da violência traz prejuízos na Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul. Empresas que transportam mercadorias estão evitando passar por Uruguaiana por causa do roubo e furto de cargas próximo ao Porto Seco, como mostra a reportagem do RBS Notícias.

Cerca de mil caminhões passam diariamente pela BR-290 com produtos importados ou mercadorias que serão enviadas para outros países. A rodovia dá acesso ao maior Porto Seco da América Latina. Mas esse movimento vem diminuindo pelo menos 1% a cada ano.

“Conforme os gráficos que nos envia a própria Receita Federal, há uma redução no cruzamento de caminhões via Porto Seco de Uruguaiana. E um dos fatores que, com certeza, contribui para isso é o roubo. Ultimamente tem ocorrido, em média, quatro, cinco até seis furtos de mercadorias por semana”, diz Jorge Luiz Frizzo, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários (Sindimercosul).

O ponto mais perigoso para quem sai do Porto Seco Internacional fica na pista lateral. Para ter acesso à rodovia, é preciso que o caminhão reduza a velocidade. A pista inclinada, a falta de sinalização e iluminação no local são fatores que facilitam a ação dos criminosos. Com isso, multiplicam-se os prejuízos.

“Fica-se pagando pesadas multas para Receita Federal, porque o caminhão precisa retornar para fazer uma conferência física e repor os lacres. E a segunda penalização é quando a entrega do material no seu destino, já que vai ocorrer indenização por falta do produto”, comenta Lauri Kots, presidente do Sindicato dos Despachantes Aduaneiros (Sdaergs).

Por causa dos riscos de assaltos, a empresa em que trabalha o caminhoneiro Denis Ricardo Alves Oliveira mudou a rota do transporte das mercadorias. O desvio que acrescenta pelo menos 200 quilômetros ao trajeto deixa mais restrito o convívio com a família, que mora em Uruguaiana.

“Antigamente a gente entrava e saia (do país) por Uruguaiana, agora só estamos entrando e saindo por outras fronteiras. E aí quase não se vê a família”, lamenta o caminhoneiro.

Em março deste ano, a responsabilidade pela segurança nas imediações do Porto Seco passou para a Polícia Rodoviária Federal (PRF). A corporação diz que tem que tem conhecimento do problema e que está estudando medidas para combatê-lo.

“Nós teremos que trabalhar agora um planejamento diário de policiamento e patrulhamento naquele local para tentar amenizar a situação, como a Brigada Militar também vinha fazendo e até em conjunto”, diz o chefe de Comunicação da PRF, Jorge Nunes.

“É necessário que se tome uma medida, eu digo, até urgente nesse sentido, para que se possa retornar a confiabilidade no maior porto seco da América, que é o porto seco de Uruguaiana”, conclui Luiz Frizzo.

Fonte: RBS TV




4 comentários em “Criminalidade faz caminhoneiros evitarem Porto Seco de Uruguaiana

  • 10/04/2014 em 16:46
    Permalink

    Uruguaiana já é o fim do mundo.. e o fim do mundo com criminalidade, coisa que já tem na cidade aos montes.. é pedir pra sair mesmo.. Lá é terra de ninguém. Drogas, prostituição, lixo, esgoto.. todos os “””prazeres””” da rodagem brasileira estão ali, ao redor do porto.
    Polícia pra quê? se atirar, leva processo, se prender, o juiz manda soltar.. se passar na fronteira rápido, a Kirchner manda segurar, e a caixinha pros guardas argentinos tem que dar..
    O Mercosul, nunca foi sério, nunca foi pra valer. Isso tudo que tem em Uruguaiana, é tudo pra bonito. Só pra arrecadar, mais nada… as pessoas, que se lixem. Nem os fiscais da Receita aguentam morar lá.. Pedem transferência em 36 meses de trabalho, ou antes.. É ladrão pra todo lado! Todo mundo te olha na rua com pensamento ruim, “em como te roubar, como te prejudicar, como se dar bem em cima de vc””.
    Se puderem, as transportadoras deviam é abandonar de vez Uruguaiana.. e os motoristas se mudar de lá. Lá não se vive. Credo.. só péssima lembrança…

    Resposta
  • 08/04/2014 em 20:08
    Permalink

    E so as autoridades de segurança tomarem vergonha e mete chumbo nos vagabundo e pronto resolveria bem rapido pena q tem os direitos humanos para proteger os anginhos !

    Resposta
  • 08/04/2014 em 18:50
    Permalink

    Onde estão os “sindicatos”. Os motoristas falam que estas entidades só aparecem na hora de arrecadar.

    Resposta
  • 08/04/2014 em 11:29
    Permalink

    Quem sabe uma pequena despesa das transportadoras não ajude a acabar com isto. Por ex: Um cx dois a ser pago por ladrão de carga e caminhões, mortos pela polícia. Assim recebem como um donativo a corporação em forma de prêmios, etc..Neste país de impunidade, toda idéia é bem vinda e válida.

    Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!