Fiorino enfrenta dia de trabalho e tem resultado positivo

Fiat Fiorino 2014 (4)




Como qualquer furgão, o Fiorino nasceu para trabalhar. Por isso, ele foi avaliado de um modo diferente:emprestamos uma unidade, cedida pela Fiat, para uma empresa de logística. Carregado com caixas de encomendas, o utilitário passou um dia inteiro fazendo entregas na região metropolitana de Belo Horizonte.

Quem conduziu o veículo foi Devanir Adão de Oliveira, 50, um profissional experiente, que atua como motorista há décadas e atualmente conduz uma VW Kombi e um Fiat Ducato em suas atividades diárias. Ele também já trabalhou com a antiga geração do Fiorino em outras ocasiões.

No fim do dia ao volante, Devanir não economizou elogios ao furgão: “Ficou bem melhor para dirigir que a antiga geração”. Entre os pontos positivos, o profissional destaca os freios, o câmbio com engates macios e o baixo nível de ruídos internos. “Ele é silencioso até carregado e andando sobre calçamento”, afirma.

Devanir também gostou do desempenho. “O motor é forte e rende bem mesmo com peso no baú”, diz. A nova geração do utilitário é equipada com o propulsor 1.4 Fire Flex Evo, que desenvolve 88/85 cv de potência e 12,5/12,4 kgfm de torque, com etanol e gasolina, na ordem.

Para efeito de comparação, a antiga geração era movida por um propulsor 1.3 flex, também da linha Fire, que gerava 71/70 cv e 11,6/11,4 kgfm de torque com os mesmos combustíveis. Assim, mesmo sendo um pouco mais pesado que o antecessor (1.118 kg contra 1.015 kg), o novo Fiorino entrega melhor performance.

Carga

Fiat Fiorino 2014 (1)Quando não está ao volante, Devanir ocupa-se com a carga e a descarga dos volumes. Segundo ele, essas operações são facilitadas pelas portas traseiras do Fiorino, dotadas de um dispositivo que permite a abertura a 90 e a 180 graus. “Isso facilita muito o serviço. A gente pode encostar o carro mais perto de onde vai fazer as entregas”, avalia.

O espaço no baú também foi aprovado pelo motorista. A capacidade volumétrica é de 3.100 l, um pouco abaixo da geração anterior, que acomodava 3.200 l. Já a capacidade de carga aumentou em proporção igualmente discreta, de 620 kg para 650 kg.

A única ressalva feita por Devanir diz respeito à oferta de equipamentos. “Acho que a direção hidráulica e os sensores de ré deveriam ser de série. Outras coisas eu entendo que sejam opcionais, mas esses dois fazem muita falta. O primeiro é essencial para quem passa o dia todo dirigindo e o segundo é muito importante no Fiorino, que tem visibilidade traseira nula devido ao baú.” Vale destacar que a unidade avaliada era equipada com todos os itens disponíveis.

Básico, o furgão traz apenas pormenores, como alerta de manutenção programada, porta-objetos no teto, imobilizador de motor e relógio digital, além de freios ABS e airbags frontais, agora obrigatórios por lei. Ar-condicionado, sistema de som, computador de bordo e até volante e banco do motorista com regulagem de altura, retrovisores externos com comando interno e conta-giros são vendidos à parte.

Boas impressões também sem carga

Fiat Fiorino 2014 (3)A reportagem também teve boas impressões ao volante do novo Fiat Fiorino. Derivado do Uno, o furgão compartilha painel, bancos, volante e demais componentes internos com o hatch. Assim sendo, o veículo é ergonômico e agradável de dirigir, exigindo adaptação apenas quanto ao comprimento maior (são 4,38 m de uma ponta a outra) e à ausência do vidro traseiro. Nas manobras, os grandes retrovisores laterais se revelam muito eficientes.

No interior, o pneu sobressalente, que no antigo Fiorino era fixado sob o capô, junto ao motor, agora está atrás do banco do passageiro. Assim, há pouco espaço para volumes na cabine, ao contrário dos vãos destinados às pernas e cabeças dos ocupantes, que não sentirão aperto. Outra mudança ficou por conta da abolição do nicho para pequenos objetos acima dos quebra-sóis. Esse espaço agora está integrado ao compartimento de carga.

Fiat Fiorino 2014 (2)Ao volante, além das respostas espertas, graças em parte ao câmbio de relações curtas, para aproveitar todo o fôlego do motor, o Fiorino demonstrou ter bom comportamento dinâmico. A estabilidade é surpreendentemente boa para um furgão, ao passo que o rodar é relativamente confortável: mesmo vazio, o utilitário não chacoalha demais em ondulações e em outras imperfeições do piso.

O consumo se mostrou satisfatório. O computador de bordo do modelo registrou médias de 7,7 km/l na cidade e de 10,4 km/l na estrada, com etanol. Como o tanque de combustível tem 58 l de capacidade, a autonomia pode superar os 600 km.

Valores

  • R$ 40.620 é o preço básico do furgão, só com os itens de série
  • R$ 48.240 é o valor do Fiorino com todos os opcionais
  • 1 ano é o prazo de garantia oferecido pela Fiat

Fonte: Carro & Cia




Deixe sua opinião sobre o assunto!