Motor Volvo Penta garante energia para veleiros da Volvo Ocean Race

Volvo Ocean Race - Barco




Garantir aos velejadores as condições adequadas para que possam aproveitar toda a tecnologia embarcada no veleiro Volvo Ocean 65. Esta é a função do motor a diesel Volvo Penta D2-75 que equipa os veleiros da maior e mais extrema regata de volta ao mundo, a Volvo Ocean Race.

O motor D2-75 com S-drive atende a diferentes necessidades a bordo dos veleiros. Como auxiliar, oferece energia para alimentar o equipamento de comunicação, computadores, luzes e aquecer o ambiente. A energia elétrica também é utilizada para alimentar o “fazedor de água”, dessalinizador que converte água salgada na água potável essencial para a tripulação.

A energia gerada pelo motor garante que os velejadores recebam informações sobre o clima, importantes para a tomada de decisões, e que expectadores de todo o mundo acompanhem o dia-a-dia a bordo quase em tempo real por meio de diferentes canais de mídia. Cinco câmeras fixas e microfones cobrem todos os ângulos e capturam todas as emoções a bordo.

A energia gerada pelo motor também é utilizada para movimentar a quilha móvel que proporciona o contrapeso adicional durante a navegação. Uma bomba hidráulica acionada pelo motor movimenta os potentes cilindros hidráulicos que movem a quilha.

Como propulsão, o motor só pode ser utilizado em casos de emergência. Seu acionamento desclassifica a equipe. A única exceção é para o transporte do barco entre pontos do circuito.

Está é a primeira vez que os barcos da Volvo Ocean Race são equipados com apenas um motor, fazendo a função tanto de auxiliar quanto de propulsão. Nas regatas anteriores, cada veleiro era equipado com dois motores a diesel. O barco Volvo Ocean 65 é a nova geração utilizada na competição, e possui um projeto único padronizado, com uma nova instalação para a energia a diesel a bordo.

“Todas as equipes avaliaram nossos motores após a última regata, e se declararam muito satisfeitas com o desempenho, confiabilidade e serviços de suporte”, afirma Magnus Gedda, gerente de serviços da Volvo Penta para a Volvo Ocean Race.

Volvo Ocean RaceDurante a jornada de nove meses cobrindo mais de 39.000 milhas náuticas, os barcos da Volvo Ocean Race, as equipes, e os motores enfrentam alguns dos mais difíceis desafios da vela mundial. Isso coloca uma demanda maior, tanto em termos de confiabilidade quanto de desempenho, nos motores D2-75.

“A principal origem de estresse sobre os motores são as fortes forças G induzidas pelas altas velocidades e movimentos violentos desses barcos de competição. Estas forças algumas vezes chegam a valores próximos aos encontrados em aeronaves militares, muito acima daqueles que barcos a vela e motores estão normalmente expostos”, diz Jan Dahlsten, gerente de projeto em suporte técnico da Volvo Ocean Race.

Volvo Ocean 65, superando limites

A edição 2014/2015 da Volvo Ocean Race inaugura uma nova fase na história da competição, maior regata de volta ao mundo. O barco Volvo Ocean 65 foi desenvolvido especialmente para a regata dentro do projeto “One Design”. Todos os barcos são construídos de forma idêntica e não podem ser modificados pelas equipes.

Construídos com a mais avançada tecnologia náutica, o peso total do barco é de 12.500 kg, uma tonelada a menos que os barcos da edição passada. O mastro possui 30,3 metros de altura e sustentam as velas que movem o barco.

Nas edições passadas, os veleiros podiam sofrer pequenas alterações, o que acabava encarecendo os projetos e estabelecendo pequenas modificações técnicas que podiam causar vantagens competitivas entre as equipes. O novo projeto, além de reduzir o custo da regata em 50%, valoriza o desempenho e as estratégias táticas da tripulação.

Apesar da avançada tecnologia, não há qualquer luxo ou conforto nos veleiros. Só entra a bordo o que é essencial e que tenha pouco peso, para garantir a velocidade de navegação.

O projeto Volvo Ocean 65 foi desenhado pela Farr Yacht Design (Estados Unidos), responsável por cinco barcos campeões nas 11 edições anteriores do evento. Um consórcio de quatro estaleiros na Itália (Persico), França (Multiplast), Suíça (Decision) e Reino Unido (Green Marine) cuidou do processo de fabricação dos veleiros. Os seis Volvo Ocean 65 que participam da regata foram vendidos às equipes ‘prontos para navegar’.




Deixe sua opinião sobre o assunto!