No AC, caminhoneiros fecham parte da BR-364 contra greve da Suframa

caminhoneiros (1)




Os caminhoneiros que estão parados aguardando a liberação de cargas pela Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) no Acre, fecharam parte da BR-364 durante um protesto na manhã desta quinta-feira (11), em Rio Branco. A Suframa está em greve por tempo indeterminado desde o dia 21 de maio. Na última quarta-feira (10), os motoristas pediram a intervenção do Ministério Público Federal no Acre (MPF-AC) para que os grevistas passassem a liberar uma demanda maior de mercadorias.

De acordo com o caminhoneiro Mauro Gouvêia, que está parado com uma carga de pisos, não será liberada a passagem de caminhões de pequeno e grande porte. Ele explica que não houve nenhum tipo de acordo com os órgãos responsáveis, mesmo após o pedido de intervenção do MPF-AC. Ele destaca que receberam a informação de que um representante da Secretaria de Estado do Fazenda (Sefaz) iria até o local para conversar com os motoristas. A Sefaz chegou a disponibilizar cinco funcionários para agilizar o atendimento na Suframa.

“Nosso objetivo é ver se conseguimos liberar os caminhões. Existem pessoas que estão há 10 dias esperando o atendimento na Suframa. O que não pode é haver baderna, aqui estamos reivindicando para que a população fique ciente da nossa situação”, disse.
Após acordo com a PRF-AC, os caminhoneiros liberaram parte da via (Foto: Aline Nascimento/G1)
Após um acordo com a Polícia Rodoviária Federal no Acre (PRF-AC), os caminhoneiros liberaram parte da via e a passagem de veículos de passeio e oficiais, viaturas policiais e ambulâncias. Segundo o inspetor da PRF-AC, a polícia entende as reivindicações dos trabalhadores, por isso conversaram com os motoristas que liberaram uma faixa em cada sentido da via.

“Eles estão dentro dos seus direitos. A PRF-AC contatou uma equipe do governo junto a Sefaz, para que fosse adiantado o serviço deles e melhorasse o fluxo. Iremos acompanhar todo o protesto até a chegada da equipe do governo para manter a ordem”, explicou.

Entenda o caso

De acordo com o vice-presidente do Sindframa, Renato Santos, a greve deflagrada no dia 21 de maio continua por tempo indeterminado. Ele destaca que os funcionários só irão retornar ao trabalho após derrubada do veto a um artigo da Medida Provisória 660, referente ao Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração (PCCR) dos servidores. Segundo ele, os funcionários da Suframa estão trabalhando da melhor forma possível para atender os caminhoneiros.

Santos destaca que não há nenhuma irregularidade no atendimento da Suframa e que a unidade trabalha atendendo uma demanda até maior do que a exigida pela legislação.

“Estamos atendendo até mais do que os 30% exigidos pela legislação. Recebi a informação de que a votação para a derrubada do veto está agendada para terça-feira (16). O MPF-AC ou a Sefaz não tem o que fazer, pois estamos dentro do que a legislação exige, não há irregularidades”, finalizou.

Fonte: Rede Amazônica




Deixe sua opinião sobre o assunto!