Divisa de MT tem filas quilométricas de caminhões

Colheita de milho




A saída da safra causou uma fila quilométrica de caminhões no posto de fiscalização Correntes que fica na divisa entre Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Caminhoneiros denunciaram que nos últimos dias estão ficando até 24 horas parados, esperando para a checagem fiscal e a liberação para seguirem viagem até o destino da carga. “Acredito que a fila passa de 25 km, é muito caminhão”, diz Janice Piccininn, de 43 anos, que viaja junto com o marido, na maior parte dos trechos.

Segundo ela, há muitas dúvidas sobre o que estaria motivando tanta fila.  “Estamos sem saber o que fazer e sem entender o que aconteceu. Normalmente não é assim”, comentou Janice, que vai levar milho, com o marido, de Campo Novo do Parecis, onde moram, até o Rio Grande do Sul (RS). “Geralmente chegamos até São Paulo, mas, desta vez, vamos mais longe e queremos logo seguir viagem”.

No posto de fiscalização, os agentes fiscais checam a carga, o documento fiscal, o que é um procedimento demorado, de acordo com a Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz). A Sefaz alega que nesta saída de safra de grãos “são muitos caminhões pra conferência da carga e documentação fiscal, por isso a demora e, consequentemente, a fila”.

Outro motivo desta fila, ainda conforme a Sefaz, é que foram detectadas algumas irregularidades no segmento e, com isso, a fiscalização ficou mais rigorosa. Janice reclama da lentidão e diz que nem sempre foi assim. “Todo ano tem safras e nunca foi tão difícil pra carimbar. Estamos nervosos por causa de estarmos parados em uma BR, a 163, sem suporte pra nada”.

No posto fiscal Flávio Gomes, em Cuiabá, e nos demais postos de fiscalização de Mato Grosso, a situação está normal.

Fonte: FolhaMax




Deixe sua opinião sobre o assunto!