Um fantasma chamado desemprego

crise_caminhoneiros_13_07_2016

800x150_blogodocaminhoneiro_02

O ano começou com o anúncio de resultados negativos obtidos em 2015 sobre 2014 no licenciamento de caminhões (-47,7%) e nas vendas de implementos rodoviários (-45%). O desempenho fraco, porém, não parou por aí, como mostram outros indicadores. Entre janeiro e abril de 2016, o fluxo de veículos pesados nas rodovias concedidas à iniciativa privada diminuiu 4,9% sobre o mesmo período de 2015. É o que aponta o Índice ABCR, divulgado pela Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias. Porém, o pior retrato da recessão econômica, agravada pela crise política que culminou no afastamento da presente Dilma Rousseff, é o desemprego. Em abril, havia no Brasil 11,1 milhões de desempregados, volume que cresceu três pontos percentuais quando comparado ao primeiro trimestre de 2015, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Entre os milhares de desempregados, há muitos caminhoneiros. Sondagem informal no Facebook dão uma indicação do problema. Muitos responderam a um post sobre desemprego no trecho, apontando que estão à procura de uma oportunidade. A maioria é formada por carreteiros experientes, com anos de estrada e cursos de qualificação no currículo, como MOPP, direção econômica, de transporte de passageiros e outros. “Sou de Araxá (MG) e está faltando serviço de carreteiro”, relata Denis Wilson Borges. Ele completa dizendo que fez de tudo e não deu nada. “E olha que tenho um currículo de dar inveja, com mais de sete cursos pelo Sest-Senat”, acrescenta.

Além de não contratar, muitas empresas estão demitindo. Só em um sindicato, o Simtratecor – entidade que representa motoristas e trabalhadores de empresas de transporte de carga em 15 cidades próximas a São Paulo – são realizadas de 20 a 25 homologações de recisão de contrato de trabalho por dia desde o início deste ano. “Antes, a gente tinha empresas que todo dia pedia currículo de caminhoneiro, agora o que temos é caminhoneiro mandando currículo”, diz Carlos Olivares, secretário de esportes, lazer e promoção social do sindicato. Ou seja, se antes faltavam motoristas, hoje sobram candidatos em busca de uma recolocação.

Carlos disse que o sindicato oferece cursos em diversas áreas para os dependentes dos associados, mas nos últimos meses tem notado que alguns carreteiros também estão interessados em se qualificar em outras profissões. “É um pessoal com mais idade, já acima dos 50 anos, que busca se especializar em outras áreas, como refrigeração e mecânica de autos e de motos”, diz acrescentando que em 19 anos de sindicato é a primeira vez que ele presencia uma situação como a atual.

“A coisa está feia. Outro dia, uma só empresa desligou 12 motoristas. A justificativa das empresas, segundo o sindicalista, é a perda de contratos, baixa no faturamento e ociosidade de mão de obra. O jeito é reduzir custos. O próprio sindicato, que tem sede em Osasco, foi obrigado a cortar gastos. Das três subsedes que mantinha, fechou uma e adiou planos de abrir outra. “Vamos esperar que dê um arrefecimento e as empresas voltem a contratar”, conta.

Na maioria das vezes, a demissão é o último recurso. Ninguém quer se desfazer de mão de obra qualificada, com muitos anos de casa, mesmo porque é preciso arcar com multas rescisórias, que pesam no caixa da empresa. “A pior parte é quando você vai fazer a recisão”, afirma visivelmente emocionado o microempresário de São Paulo, Márcio Barbosa. Segundo ele, o faturamento vem caindo desde o início do ano passado até chegar a cerca de 60% em maio deste ano. Com este resultado, ele foi obrigado a tomar decisões de contenção de custos, sendo a mais drástica ter de demitir três motoristas de uma só vez.

Para pagar os direitos trabalhistas, Márcio vendeu um caminhão Iveco Tector. De cinco veículos que tinha em meados de 2015, atualmente está com dois. “Já tinha passado por outras crises, mas esta está muito difícil. Está ruim demais. Nunca fiz tanta demissão na minha vida. É muito ruim você ter de desfazer das coisas que batalhou tanto anos para conseguir”, diz. Do quadro de funcionários ele ficou com apenas um motorista. No dia em que concedeu esta entrevista, o empresário teria uma reunião para discutir os trâmites de uma concorrência. Se fechasse o negócio poderia voltar a contratarr, além de manter o único funcionário que restou, o Tony.

Funcionário com 12 anos de empresa, o Tony, apelido do motorista Antonio Marcos da Silva, 34 anos de idade, estava em um momento de grande ansiedade por não saber se continuaria empregado ou se seria mais um a engrossar as estatísticas do IBGE. “Nunca passei por isso”, afirma. Pai de três filhos menores, incluindo um bebê, ele transpirava preocupação e disse que a mulher também estava agoniada. Agonia, aliás, tem sido um estado de espírito presente em muitas famílias brasileiras que dependem do caminhão.

Tony e a esposa torcem pela recuperação da economia, assim como o patrão dele, o secretário do sindicato, além deste jornalista que escreve, os outros motoristas entrevistados, e os milhares de cidadãos brasileiros. “Só queria que os políticos parassem de pensar em si próprios e pensassem no povo”, diz Márcio, com a esperança de que vai recuperar o que perdeu.

A esperança, como diz o ditado, é a última que morre. O baiano de Itabuna, Túlio Santos, jamais a perdeu. Aos 38 anos de idade, casado e pai de dois filhos – de 10 e 6 anos de idade – ele ficou seis meses fazendo bicos, procurando emprego e torcendo para ser chamado. No dia 19 de abril, finalmente foi contratado por uma empresa para a qual havia enviado currículo em janeiro. O salário, no entanto, é um pouco mais baixo, confirmando uma queda no rendimento do brasileiro, conforme pesquisa do IBGE. “Eu trabalhava no truck e ganhava mais, agora me colocaram no caminhão leve, com o salário menor, mas como estava parado não posso questionar”, reconhece.

Frear o desemprego é uma das principais missões do Ministério da Fazenda, mas o ministro da pasta, Henrique Meirelles, já avisou que o resultado não é imediato, vai levar um tempo ainda. Em um de seus pronunciamentos, fez analogia com um veículo em alta velocidade em que o motorista pisa no freio, mas roda ainda por vários metros até parar de vez. Traduzindo as palavras do ministro, o desemprego atual é como um bitrem carregado na descida. Precisa agir rápido, mas com calma. Primeiro se tira o pé do acelerador, aciona o freio motor e depois o freio de serviço. Só então se para com segurança, bem mais à frente.

Fonte: Portal O Carreteiro Texto de Jaime Alves




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *