Venda de caminhões volta ao século passado

Fábrica Scania 113H

800x150_blogodocaminhoneiro_02

Comparadas com as de 2011, melhor ano da história do setor, as vendas de caminhões e ônibus vão encolher cerca de 70%. O volume previsto para ser comercializado neste ano ¬ entre 50 mil e 57 mil caminhões e 10 mil ônibus ¬ vai ficar quase igual ao de 1999. “Voltamos ao nível de atividade do século passado”, lamenta o presidente da MAN, Roberto Cortes. A diferença é que naquele ano havia menos fábricas e, consequentemente, menos capacidade.

As montadoras de caminhões e ônibus têm hoje capacidade suficiente para produzir mais de 400 mil veículos por ano. E há milhares de caminhões parados no país, sem carga para transportar.

Os transportadores tentam tirar lições da crise. A Fadel Logística começou a operar em regiões onde não atuava. A Braspress expandiu para fora do país, na Argentina, Uruguai e Paraguai, mas não conseguiu recuperar a receita de 2013, de R$ 950 milhões.

Fonte: Valor Econômico




9 comentários em “Venda de caminhões volta ao século passado

  • 22/09/2016 em 22:44
    Permalink

    Tem mais q quebra td mesmo nos autonomos nunca vamos ter Como compra um novo querem quase 400 mil em um cavalo novo e o nosso qdo recebem pagam ametade da fipe… Sem fala nas transportadoras q sugam a maior parte do nosso frete… Os autonomos tao kebrando trabalhando

    Resposta
  • 22/09/2016 em 08:39
    Permalink

    O que adianta vender 400 mil caminhões e depois ter que reaver em ações judiciais . Outra coisa, as montadoras ganharam muitooooo dinheiro, governo isentou o IPI por um determinado tempo e o preço do caminhão baixou? não eles mantiveram o valor do caminhão lá em cima e lucraram o IPI, agora tão reclamando do que?

    Resposta
  • 22/09/2016 em 09:40
    Permalink

    Se continuar indo mal do jeito que está pedágio caro diesel levando o lucro do frete embora tudo caro a tendência é quase zerar as vendas do caminhão zero, e os usados vai ter que encostar um por um.

    Resposta
  • 21/09/2016 em 22:59
    Permalink

    Enquanto não houver um programa de renovação de frota, e linha de financiamento com taxas atraentes para caminhões usados, melhorando o comércio desses veículos, vai ser difícil haver recuperação.

    Resposta
    • 22/09/2016 em 16:28
      Permalink

      E acabar com esse monte de engenhoca paralela chigling..caminhão e pra quem fabrica.não sair juntando partes de ums e outros montar e sair dizendo que fabrica caminhão..

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *