O freio de estacionamento do cavalo também estaciona a carreta?




freio-estacionario-carreta

800x150_blogodocaminhoneiro_02

Essa dúvida é frequente e impõe ao transporte agrícola e florestal riscos elevados. Nesse tipo de transporte muitas vezes o carregamento do veículo é realizado em rampas íngremes.

O motorista chega no local com o conjunto vazio e aciona o Controle do Freio de Estacionamento no painel do caminhão. Então, por questões de segurança, desce da cabine, considerando os riscos operacionais durante o carregamento, como queda da carga ou impacto da máquina na cabine.

Muito bem. Até aqui, tudo certo!

O que muitos não sabem, é que nesse momento apenas os eixos do trator estão com os freios acionados! Os eixos das carretas estão soltos.

O Comando do Freio de estacionamento do caminhão-trator tem as seguintes posições:

0 – freio liberado.

1 – na passagem entre a posição 0 e 1 é acionado gradualmente o freio estacionário do trator e os freios de serviço das carretas (por isso, pode ser utilizado, nessa fase, como “freio de emergência do conjunto”).

2 – posição acionado (e travado): freio de estacionamento do trator acionado. Nenhum freio da carreta acionado (está solta!).

A medida que o conjunto vai recebendo carga, e por consequência aumentando o seu peso, somente os freios do trator acionados podem ser insuficientes, especialmente com cargas elevadas e piso escorregadio.

E o conjunto começará a descer sem o condutor, trazendo de arrasto o caminhão-trator.

Muitos podem pensar: deixe acionado o freio de estacionamento da carreta nas caixas de comando na lateral. Mas, terminado o carregamento, ao desacionar do lado externo do veículo, o conjunto entrará em movimento sozinho, e causará um acidente grave.

Alguns motoristas no melhor estilo “mais vale uma gambiarra que um acidente”: mantém a válvula de Freio de Serviço exclusivo do rebocado (conhecido como freio “bigode”) artificialmente acionada através de um elástico, uma forquilha ou mesmo com um contrapeso (já vi até uma garrafa d´água).

Além de ser improvisado, as fábricas não recomendam utilizar o Comando do Freio de Serviço do rebocado como Freio de Estacionamento.

Então, não restam muitas alternativas:

– Alguns veículos novos possuem uma válvula de bloqueio: ao puxá-la, bloqueiam-se os freios dos rebocados, resolvendo a questão.

– Alguns instalam uma chamada “3ª-linha” de acionamento de modo a permitir acionar os freios dos rebocados.

– Aqueles que não tem, pode-se utilizar calços nos pneus antes do carregamento: o que nem sempre é muito fácil nessa condição de via e de configuração de eixos desses conjuntos.

Por isso: cuidado!. Alerte seus motoristas. Acionar o freio estacionário do trator nãoaciona os freios da carreta. Se carregar em rampa, o conjunto poderá entrar em movimento sozinho.

Texto de Eng. Rubem Penteado de Melo




13 comentários em “O freio de estacionamento do cavalo também estaciona a carreta?

  • 04/10/2016 em 09:58
    Permalink

    No Brasil poderiam as montadoras modernizar o sistema de frenagem, afinal pra que serve o freio bigode !!! ??? Apenas pra testar a carreta ou auxiliar na descida ??? Com isso deixaria de existir às chamadas gambiarras no momento de usar o freio pra freiar a carreta ; fazer do bigode um freio estacionário da carreta .

    Resposta
  • 04/10/2016 em 07:55
    Permalink

    Nestes casos quem corre os riscos é sempre o motorista ,que tem que ficar dentro da cabine com o caminhão ligado e acionando os freios. .

    Resposta
    • 03/10/2016 em 19:49
      Permalink

      Mesmo com cuicão a carreta fica solta. O cuicão so trava se desengatar a mao-de-amigo.

      Resposta
  • 03/10/2016 em 17:38
    Permalink

    No modelo adotado nos Estados Unidos ,onde existem dois botões , um vermelho e outro amarelo ,se não estiver enganado ,parece ter esta opção.

    Resposta
    • 03/10/2016 em 21:57
      Permalink

      Exatamente,nos Estados Unidos existe o freio somente para o caminhão e outro para a carreta.
      Assim o motorista trava o caminhão e a carreta.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *