STJ vai definir se multa de trânsito aplicada pelo DNIT é válida




balanca - pesagem de caminhoes - br-277

800x150_blogodocaminhoneiro_02

A 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) vai definir em recurso repetitivo se o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) tem competência para aplicar multas de trânsito relacionadas a infrações cometidas nas rodovias federais. Até a decisão, todos os processos sobre o tema no país estão suspensos.

A ministra Assusete Magalhães determinou a suspensão do trâmite de todos os processos individuais ou coletivos que discutam a competência do DNIT. A suspensão alcança todas as instâncias judiciais, em todo o território nacional.

Dois recursos especiais sobre o tema serão julgados e a decisão orientará todos os demais processos a respeito.

O artigo 20, inciso III, do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) estabelece a competência da Polícia Rodoviária Federal, no âmbito das rodovias e estradas federais, para aplicar e arrecadar as multas impostas por infrações de trânsito e as medidas administrativas decorrentes.

O DNIT alega ofensa aos artigos 82, parágrafo 3º, da Lei nº 10.233, de 2001, e 21, inciso VI, da Lei nº 9.503, de 1997. No processo, sustenta que “o DNIT, na condição de órgão executivo rodoviário da União, está autorizado a usar todo e qualquer equipamento ou aparato técnico que o habilite no desempenho de sua função primeira, controle das vias federais de circulação, dentro do âmbito de sua atuação, qual seja, segurança e engenharia do tráfego, podendo autuar e multar os infratores das normas de trânsito, como também arrecadar as multas que aplicar.”

Fonte: Valor




Um comentário em “STJ vai definir se multa de trânsito aplicada pelo DNIT é válida

  • 21/10/2016 em 16:57
    Permalink

    Tudo que for para arrancar dinheiro do pobre motorista brasileiro as agências assaltadoras,ops;normativas, aprovam, agora: será que os motoristas poderiam multar o DNIT pelas condições das estradas que não cuida cuidadosa e competente mente como deveria ou talvez pelas curvas mal planejadas e pontes vergonhosamente mal projetadas e construídas.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *