Sem receber há 4 meses, caminhoneiros protestam em obra do contorno viário em SC




Funcionários de uma empresa que atua na obra do contorno viário da Grande Florianópolis fizeram um protesto na manhã desta sexta-feira (16) em um dos trechos da obra, em São José. Os motoristas de caminhão dizem estar sem receber salários desde fevereiro, como mostrou o Jornal do Almoço. O cronograma prevê conclusão do contorno no fim de 2019.

Eles alegam que a empresa PavSolo, responsável por dois trechos do contorno viário, abandonou a obra há uma semana. “Até agora não recebemos nenhum real. A Arteris alega que a PavSolo já recebeu e não paga a gente. A gente vai na PavSolo e ela fala que não pagou. Até agora não veio ninguém falar com a gente, dar uma posição”, disse o caminhoneiro Osório Almeida.

Em nota, a PavSolo, empresa que contratou os motoristas, afirma não ter recursos disponíveis pra cumprir suas obrigações com os funcionários. A empresa alega prejuízos de R$ 20 milhões e disse que está arcando com custos que seriam de responsabilidade da Arteris, grupo responsável pela concessionária da rodovia, a Autopista Litoral Sul.

A Autopista Litoral Sul afirmou que não há pendências contratuais com a PavSolo e que mantém em dia os compromissos com seus fornecedores. Em nota, a empresa diz que busca diálogo com a prestadora de serviço pra encontrar “uma solução que minimize os impactos para os trabalhadores”.

“A gente está aqui sem poder voltar para casa. Estamos ‘lascados’. Porque nem condição de ir embora nós temos. Não temos dinheiro para botar óleo no caminhão. Não temos dinheiro para pagar pedágio. A situação tá cada vez pior”, completa o caminhoneiro.

Obras do contorno viário

O projeto do contorno viário promete desviar o trânsito pesado de caminhões da BR-101 para uma nova pista. Ela teria 50 quilômetros, de Palhoça até Biguaçu, na Grande Florianópolis. O trabalho de construção do contorno começou em 2014 e, até janeiro de 2017, a previsão de entrega era dezembro de 2019.

Andamento das obras

A Autopista Litoral Sul informou que as obras do contorno estão em andamento desde 2014, quando começaram os trabalhos do chamado Trecho Intermediário. “Em 2015, foram iniciadas as obras no Trecho Norte. Hoje, as obras ocorrem em diversas frentes ao longo de aproximadamente 32 quilômetros”, afirmou a concessionária, em nota.

Ainda segundo a Autopista Litoral Sul, as obras passam pelos municípios de Biguaçu (cerca de 22 km), São José (7 km), Palhoça (3 Km).

Segundo a concessionária os percentuais de evolução por trecho são os seguintes.

  • Trecho Norte B, em Biguaçu – 39,72%
  • Norte C, em Biguaçu – 6,95%
  • Norte 2N, em Biguaçu – 16,40%
  • Trecho Intermediário 3 – São José 90%
  • Trecho Intermediário 4, São José/Palhoça – 75,66%

Ainda segundo a concessionária, “as desapropriações ocorrem em trechos descontínuos e, antes de iniciar novas frentes, é necessário que haja um segmento contínuo e significativo de desapropriações. O total de áreas necessárias à implantação do contorno é 1.075 e temos liberadas 740”.

Sobre o valor já investido e quanto ainda é preciso investir, a Autopista Litoral Sul informou que “o valor final ainda está em avaliação junto à ANTT. Só será possível saber o custo da obra após a análise da ANTT dos projetos dos túneis previstos. Somente após a conclusão dos projetos e aprovação pela ANTT é possível determinar o investimento total”.

Fonte: G1 SC

Inscreva-se




15 comentários em “Sem receber há 4 meses, caminhoneiros protestam em obra do contorno viário em SC

Deixe sua opinião sobre o assunto!