Expresso Rodominas investe R$ 1,2 milhão em geração de energia




A necessidade de utilização de energia limpa tem se tornado uma demanda cada dia mais presente no cotidiano das empresas brasileiras. É o caso da Expresso Rodominas, transportadora que está investindo R$ 1,2 milhão em um sistema de geração própria de energia, por meio de uma usina solar fotovoltaica. O projeto, desenvolvido pela ForGreen Energia Renovável, tem capacidade de geração de 30 mil KW, no total, energia capaz de suprir toda a demanda da empresa.

As usinas fotovoltaicas foram instaladas em três filiais da Rodominas: São Joaquim de Bicas, na Região Metropolitana de Belo Horizonte; Uberlândia, no Triângulo Mineiro; e Atibaia, no Estado de São Paulo. A economia projetada será de R$ 23 milhões, ao final dos 25 anos de vida útil do sistema fotovoltaico.

“Nossa primeira preocupação era em ampliar nossa postura sustentável, utilizando energia limpa. No entanto, a implantação de um sistema de geração própria de energia também nos trouxe o benefício econômico. Com a economia, planejamos ampliar a estrutura física da empresa, com a aquisição de novos galpões e veículos”, destaca João Rebelo Dias Júnior, diretor da Rodominas.

Postura visionária

A Rodominas está seguindo uma tendência mundial. Gerar a própria energia é sustentável, econômico e necessário para evitar um colapso energético no futuro. É o que avalia o especialista em energia renovável e diretor da ForGreen, Antônio Terra.

“O cenário caminha para o aumento constante no preço da energia nos próximos anos, o que torna o gasto com eletricidade um dos grandes gargalos das médias e grandes empresas. Por isso, é preciso investir em soluções que, além de trazerem benefícios para o meio ambiente, sejam economicamente viáveis para os negócios. Até mesmo as grandes concessionárias incentivam a geração própria de energia, pois diminui a necessidade de construir usinas e linhas de transmissão”, reforça Terra.

Como funciona

A instalação de um sistema de geração particular de energia possibilita que o consumidor compartilhe o que produz com as grandes concessionárias, por meio do Sistema de Compensação de Energia. Dessa forma, a unidade geradora instalada em uma casa ou empresa, por exemplo, produz para o consumo e o que não for utilizado é repassado ao sistema da distribuidora. Isso se transforma em crédito, que será abatido das próximas contas do produtor. Todo esse processo é regulamentado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Inscreva-se




Deixe sua opinião sobre o assunto!