MOBILIDADE EM FOCO – VW UNE DESIGN, BELEZA E INOVAÇÃO COM SUA NOVA LINHA DE LEVES E SEMI-LEVES




A Volkswagen apresentou a nova linha de caminhões Delivery. Composta por seis modelos, a cabine é totalmente nova, de design impactante e muito bonita. Além das novidades externas, novas faixas de potências e muito conforto na cabine estão entre as maiores novidades. A nova linha dá uma repaginada total nos caminhões das categorias dos Leves e Semi-leves da Volkswagen. Uma das boas novidades é o modelo Express, com PBT (peso bruto total) de 3,5 toneladas, podendo ser dirigido por motoristas com carteira de motorista CNH “B”. Vocacionado para entregas urbanas, o seu conforto é de automóvel e promete horas agradáveis de trabalho. Tudo isso aliado a robustez de um caminhão de última geração. Com elementos comuns no interior a automóveis da marca alemã, estes detalhes sintetizam a tendência de design da Volkswagen aos próximos lançamentos de seus caminhões. O caminhão é equipado com motor Cummins ISF 2.8, com potência máxima de 150 cv.

O momento binário, torque máximo, chega a 360 Nm de torque. Quanto à suspensão, na dianteira é equipado com suspensão dianteira independente e a traseira é com eixo rígido e feixe de molas. A caixa de câmbio é do modelo Eaton ESO 4106, com seis marchas à frente, de engates fáceis e leves. O sistema de freio é hidráulico, com disco nas rodas dianteiras e traseiras, contando ainda com os sistemas ABS e EBD para controle de estabilidade. Com este novo produto a Volkswagen concebeu um concorrente forte em um nicho de mercado muito disputado. O investimento para tempos de profunda crise econômica foi ousado e a Volkswagen Caminhões e Ônibus espera que o mercado brasileiro reaja e mantenha gradativa tendência de recuperação, item fundamental para interromper um ciclo de quatro anos de quedas nas vendas. Com sua nova geração de caminhões a montadora alemã, que disputa a liderança em vendas com a Mercedes-Benz, espera que a nova gama de Leves e Semi-leves, formada por seis modelos, alcance a liderança neste segmento, responsável por 30% do mercado nacional.

No projeto da nova linha de caminhões, iniciado em 2011, a VW investiu R$ 1 bilhão e o foco de mercado é o Brasil e países da América Latina. Tranquilamente a nova linha Delivery representa conceito inovador de ponta, ao juntar beleza estética e lançar um novo olhar para as condições de conforto e bem-estar do motorista e acompanhante. Fica claro que o Mercedes-Benz Accelo e o Ford Carguinho, apesar de modernos, envelheceram. Um dos pontos positivos observados é o mínimo de externalidades, fator que influencia de forma positiva no coeficiente de penetração aerodinâmica. Neste caso o novo Delivery conseguiu o casamento da eficiência aerodinâmica com a beleza estética. Segundo nota da Volkswagen o novo Delivery refaz mais uma vez o conceito sob medida para os dias de hoje, é o mais econômico da sua categoria e ainda é 25% mais produtivo do que caminhões da concorrência. A nova linha de caminhões Leves da Volkswagen vem coroar um persistente e exitoso trabalho iniciado em 1982, justamente quando a VW resolveu disputar este nicho de mercado. A operação “caminhões” da montadora de origem alemã no Brasil era inédita no mundo e iniciou oficialmente em fevereiro de 1981.

Mas tudo começou mesmo em julho de 1979 quando a Volkswagenwerk incorporou 67% das ações da Chrysler do Brasil e o direito de produção dos automóveis e caminhões Dodge, incluindo a fábrica situada em Santo André (SP). Em novembro de 1980 a VW assumiu os 33% restantes das ações ainda em mãos da Chrysler. Com isso a montadora alemã passou a dispor de uma fábrica de caminhões para dar inicio a entrada neste mercado, que jamais tinha disputado. Neste contexto os primeiros veículos foram lançados em março de 1981, da categoria dos Médios, modelos 11-130 e 13-130, inéditos no mundo, projetados na Alemanha, na MAN, divisão de caminhões do Grupo Volkswagen. Os protótipos foram testados em solo brasileiro e tinham a missão de atacar os afamados Mercedes-Benz 1113 e 1313. Os objetivos da VW eram ousados e visavam alcançar 27% do mercado nacional de caminhões Médios. Não conseguiu, pois chegou a 18%, que não deixa de ser uma boa marca para uma estreante. A cabine avançada dos 11-130 e 13-130 era oriunda da MAN, com a qual em 1975 a Volkswagenwerk assinara um acordo de cooperação. E foi justamente em 1982, portanto, há 35 anos, que a VW ingressou no segmento dos Leves, com os modelos 6.80 e 6.90.

O primeiro com motor Perkins de 3.860 cc e 85 cv de potência máxima. O segundo modelo foi equipado com motor MWM de 3.290 cilindradas e 91 cv de potência. Comum a ambos, caixa de câmbio de cinco marchas à frente, freios hidráulicos assistidos a vácuo, direção mecânica e cabine avançada basculante, inédita no segmento. As duas versões foram apresentadas na III Feira Brasil Transpo, acompanhados ainda pela versão 6.140 a álcool, cujo motor era um V8 da Chrysler, com 145 cv de potência e caixa de cinco marchas, sendo a 1º não sincronizada. A diferença de preço menor com relação às versões com motor diesel não foi o suficiente para alavancar as vendas do 6.140. Considero como sendo três os grandes momentos dos VW da categoria dos Leves. A primeira em 1982, quando foi lançado; a segunda em 1999 com o lançamento da Série 2000 e o terceiro momento agora, em 2017, com o lançamento da nova gama Delivery.

Texto/matéria: Carlos Alberto Ribeiro.




Deixe sua opinião sobre o assunto!