MAN apresenta caminhões de combate a incêndios Euro 6

Caminhão de bombeiros MAN Euro 6 (2)Fabricantes de caminhões de combate a incêndios escolheram chassis MAN para as primeiras versões Euro 6 dos seus carros de bombeiros. A empresa austríaca Rosenbauer concebeu este design usando um chassis MAN TGM 18.340 4×4 BB com tração nas quatro rodas. Um chassis MAN TGM 13.290 4×4 BL constitui a base na empresa alemã Ziegler.

Desta forma, a partir de 2013, a MAN é o primeiro fabricante de veículos comerciais capaz de fornecer a corpos de bombeiros chassis para veículos de emergência que cumprem todas as normas de emissões de gases de escape, da Euro 3 à Euro 6.

Caminhão de bombeiros MAN Euro 6 (1)A introdução de veículos de baixas emissões Euro 6 com o seu sistema de controle de emissões extremamente eficaz, mas tecnologicamente sofisticado, coloca novos desafios aos fabricantes de carrocerias. Têm de ter em conta o espaço adicional necessário para componentes, como o sistema de escape e o depósito de AdBlue, que são maiores do que os usados na categoria Euro 5.

Nos caminhões de combate a incêndios, os compartimentos de ferramentas rebaixados entre os eixos e os degraus de acesso à cabine prolongada, de ambos os lados, ocupam o espaço dos lados da estrutura. Isto implica que componentes como a admissão do ar, a caixa de bateria e o sistema de escape, que habitualmente seriam instalados nessa área num chassis padrão, têm de ser colocados em outro local. Graças a uma estreita colaboração entre o fabricante de chassis MAN e os fabricantes de carrocerias, foi encontrada uma solução para este problema que permite que os variados sistemas de acesso, como degraus fixos, desdobráveis ou rotativos, continuem a ser disponibilizados como habitualmente.

O espaço de ferramentas rebaixado, dos lados, é preservado para garantir descargas ergonomicamente otimizadas. A admissão do ar situa-se no centro da estrutura, por baixo da cabine prolongada, junto da caixa do banco dianteiro. O silenciador de escape compacto pode ser deslocado mais para trás em chassis MAN de caminhões de combate a incêndios das séries TGL e TGM e/ou instalado com rotação de 90 graus. O fabricante de carrocerias pode reposicionar de forma flexível o depósito de AdBlue de 10 litros de forma a adaptá-lo à carroceria, usando uma linha de abastecimento extensível.

O programa de mudanças especial da caixa de velocidades automática TipMatic da MAN, introduzido no início de 2013 para a Euro 5, também está disponível para veículos de emergência da MAN conformes à norma de emissões Euro 6. Este programa caracteriza-se por uma aceleração mais rápida e uma estratégia de redução de velocidades especial para o serviço de emergência.

Em alguns países, tais como a Alemanha, Áustria e o Reino Unido, ainda será possível adquirir e registrar a versão Euro 5 de veículos de emergência em 2014, com um certificado de isenção.

Fonte: Euro Transporte

Volvo VM em operações de salvamento e combate a incêndios

DSC09788Os caminhões da linha VM da Volvo, já reconhecidos no mercado por seu alto desempenho, versatilidade e economia de combustível, estão se destacando como um veículo ideal para as atividades de combate a incêndios e de salvamento realizadas pelo Corpo de Bombeiros.

“As vendas de VM para o Corpo de Bombeiros aumentaram significativamente. O modelo tem se mostrado ideal para operação dos bombeiros por sua alta disponibilidade, característica fundamental para um caminhão que precisa estar sempre a postos, preparado para entrar em ação”, afirma Francisco Mendonça, gerente da linha VM da Volvo no Brasil.

De acordo com dados da Mitren, tradicional marca de veículos de combate a incêndios e salvamentos, o VM já responde por 25% das vendas da empresa, em menos de dois anos no seu portfólio. “Esta participação do VM nos nossos negócios tende a crescer, pois são veículos de qualidade reconhecida pelos clientes”, diz André Xavier, supervisor de vendas da Mitren.

Um dos diferenciais do VM para a aplicação como caminhão bombeiro é a sua excelente dirigibilidade, com um raio de giro que facilita as manobras dentro da cidade. O modelo é fabricado com um tipo de aço altamente resistente e flexível, e possui o chassi mais reforçado e mais leve do mercado, o que permite uma capacidade de carga maior. “Por ser um veículo leve, mesmo com um implemento pesado, responde com um excelente desempenho, chegando aos locais mais rápido, o que é fundamental para as operação dos bombeiros”, diz Glauber Fujita, gerente regional de vendas da Volvo do Brasil .

No final de 2012, a Volvo vendeu 18 caminhões para o Corpo de Bombeiros de Pernambuco e outras seis unidades para o da Bahia. Os veículos, todos da linha VM, foram negociados pela concessionária Gotemburgo e serão entregues totalmente prontos.

Os caminhões de Pernambuco são 4×2 com 270cv e serão implementados como Auto Bomba Tanque. Já os da Bahia serão usados como Auto Bomba Salvamento e Auto Bomba Tanque.

Fonte: Volvo

Iveco fecha contrato com Infraero

home_range_2A Iveco Magirus, empresa da Fiat, começa a produzir este ano caminhões de bombeiros no Brasil. O primeiro contrato foi assinado com a Infraero em dezembro e prevê o fornecimento de 80 unidades. O valor do negócio é R$ 140 milhões. Os veículos serão distribuídos por 27 aeroportos do país, principalmente os das cidades que vão sediar jogos da Copa de 2014. E estão sendo projetados para entrar em ação em caso de acidentes com as aeronaves.

A montadora vai usar sua fábrica em Sete Lagoas (MG) para produzir os veículos. A linha de montagem levará ainda praticamente todo o ano para ficar pronta e os caminhões da Infraero começam a ser fabricados somente no fim de 2013. A expectativa é que a fábrica passe a produzir cerca de 100 caminhões de incêndio por ano.

Além do contrato com a Infraero, a Iveco prospecta outros negócios com corpos de bombeiros e prefeituras pelo país. Paolo Del Noce, diretor de Veículos Especiais da Iveco, avalia que o Brasil vive um momento favorável para os fabricantes de caminhões de bombeiros. O anúncio recente feito pela presidente Dilma Rousseff de que o governo pretende construir 800 aeroportos regionais é ótimo prenúncio de negócios para a Iveco Magirus, uma vez que os aeroportos precisam de caminhões de bombeiros.

“O mercado de combate a incêndio está se abrindo agora. Não só para aeroportos, mas também em cidades. Nas últimas semanas, estamos vendo licitações sendo anunciadas por várias prefeituras”, disse ele ao Valor.

A Iveco está nesse mercado há algumas décadas. Comprou a Magirus – uma centenária empresa alemã especializada em escadas usadas nos caminhões de bombeiros – nos anos 70 e tem uma gama global de equipamentos para combate a incêndio. A Iveco Magirus pertence à Fiat Industrial, sob a qual estão também a CNH, fabricantes de tratores; a Iveco, com caminhões; a FTP, motores e veículos especiais. A Iveco Magirus tem sede em Ulm, na Alemanha, e está já há anos entre o primeiro e o segundo lugar dentre os maiores do segmento. Seu principal concorrente é a também alemã Rosembauer.

No Brasil, até então, caminhões de bombeiros mais específicos, com escadas, plataformas e uma eletrônica mais sofisticada – como os usados em aeroportos – são todos importados, segundo Noce. Modelos menos elaborados são feitos por empresas nacionais.

Da linha de montagem da Iveco em Sete Lagoas sairão modelos mais sofisticados – com sistemas especiais de aceleração, escadas, bombas de água e espuma de alta potência, como os que vão para os aeroportos – e modelos mais simplificados. Os chassis com a cabine sairão prontos da fábrica e a Iveco, segundo o executivo, está fechando um acordo com uma empresa brasileira que se encarregará de instalar os componentes, como tanques e bombas. O plano é usar a maior parte das peças de origem brasileira. Os valores desses caminhões prontos podem variar de R$ 150 mil a R$ 2 milhões cada.

A estreia da Magirus é parte da política de expansão da Fiat de seu segmento de veículos especiais no Brasil. Este tem três áreas: veículos de defesa, ônibus e os caminhões de bombeiros. Os veículos de defesa já começaram a ser produzidos; os novos modelos ônibus (hoje só há um, usado em um programa de transporte escolar do governo federal) começam a ser montados em julho e os caminhões, no fim do ano.

A fábrica será a mesma, mas com linhas de montagem específicas. O investimento nessa plataforma de veículos especiais é de R$ 55 milhões. No caso dos ônibus, o plano é que, em cinco anos, a Iveco esteja produzindo entre 7 mil e 8 mil unidades em Sete Lagoas. No ano passado, o único modelo da empresa no país atingiu a marca de 2 mil unidades.

Braço mais avançado do negócio de veículos especiais, as unidades de defesa da Iveco estão sendo produzidas para o Exército brasileiro, mas também despertaram interesse de países do Oriente Médio e exércitos de nações da América do Sul: Chile Colômbia e Argentina. Com este último, as conversas estão mais avançadas, informa Noce.

Fonte: Valor Econômico

Mercedes-Benz entrega 15 unidades do Unimog U20 para corpo de bombeiros da Suiça

O Unimog U 20, o veículo mais compacto da legendária linha Unimog da Mercedes-Benz está atraindo cada vez mais a atenção dos bombeiros. Um lote de 15 unidades do Unimog U 20 foi entregue para o corpo de bombeiros do Cantão de Ticino, na Suíça. Eles foram fornecidos na versão caminhão pipa Rosenbauer, desenvolvido para atender às normas do país.

Com círculo de viragem similar ao de um automóvel (12,6 metros), altura de 2,7 metros, largura de 2,2 metros e baixo peso bruto total, o Unimog U 20 foi desenvolvido para uso em vias íngremes e estreitas.

Tração permanente em todas as rodas, rodado simples, bloqueio de diferencial e eixos portantes, que garantem distância em relação ao solo, são características que contribuem para a excelente capacidade off-road do Unimog. A isso, somam-se alta potência, unidades de tomada de força e hidráulica de alto desempenho. Este veículo destaca-se ainda pela tecnologia de ponta em segurança, operação e respeito ao meio ambiente. Dessa forma, o U 20 posiciona-se como um veículo de elevado desempenho e grande robustez para trabalhos de emergência, reafirmando exatamente o mesmo estilo das duas séries de modelos maiores do Unimog.

As séries maiores incluem os veículos especiais Unimog U 300, U 400, U 500, além dos modelos U 4000 e U 5000 com capacidade superior “off-road”. O motor de 4 cilindros do U 20 gera 130 kW (177 hp) de potência, e conta com uma transmissão de 8 marchas à frente e 6 marchas à ré e velocidade máxima de 90 km/h.

Com diversos elementos de elevado conforto e sofisticada ergonomia, a moderna cabina do Unimog torna o trabalho muito mais fácil para os membros da equipe do corpo de bombeiros.

Uma unidade de combate a incêndios de alto desempenho

Com a carroçaria Rosenbauer, o Unimog U 20 disponibiliza 1.600 litros de água. O tanque é produzido em fibra de vidro. No coração da unidade de combate a incêndios está uma bomba centrífuga, com capacidade de 2.000 l/min a 10 bar. Ela também pode ser usada como bomba de sucção para obter água, contando com um tubo de 10 metros de comprimento. O agente extintor é expelido por meio de duas bobinas de baixa pressão com alcance de 60 metros.

A estrutura compacta do veículo facilita a carga e descarga de várias alturas aos diversos equipamentos, como por exemplo, o aparelho móvel de respiração.

Unimog: tradição junto aos bombeiros desde 1951

O uso do Unimog por corpos de bombeiros tem uma longa tradição, que data dos seus primeiros anos e inclui o combate e proteção contra incêndios.

Mais de 380.000 veículos Unimog foram fabricados pela Mercedes-Benz desde 1951, incluindo-se mais de 10.000 unidades da série U 300, U 400 e U 500, lançada em 2000. O Unimog era fabricado na planta de Gaggenau, na Alemanha, até 2002, quando sua produção passou a ser realizada pela planta de Wörth.

Fonte: Assessoria de Imprensa Mercedes-Benz

Bombeiros do Espírito Santo e do Paraná preferem caminhões Volkswagen

A MAN Latin America, fabricante dos veículos comerciais MAN e Volkswagen, sai na frente uma vez mais. Mais de trinta caminhões Volkswagen Constellation ADVANTECH, que já atendem às normas de emissões PROCONVE P7, equiparão o Corpo de Bombeiros nos estados do Espírito Santo e do Paraná. A preferência pela marca líder em vendas no Brasil há mais de nove anos seguidos mostra a preocupação dos governos com a robustez, a manutenção simples e as melhores soluções tecnológicas Euro 5 para suas frotas.

Nos próximos meses, a MAN Latin America vai ganhar ainda mais espaço nas frotas de Corpo de Bombeiros pelo Brasil. Por meio da concessionária Vecodil, de Curitiba (PR), a empresa ganhou licitação para fornecer 30 caminhões do modelo VW Constellation 17.330 ADVANTECH para a instituição no Paraná. Desenvolvidos sob medida para a operação, os dez primeiros veículos serão entregues no último trimestre deste ano.

Já no Espírito Santo, a empresa acaba de entregar, em parceria com a implementadora Mitren, o VW Constellation 24.280 ADVANTECH, um dos primeiros modelos com motorização Euro 5 adquirido por uma instituição governamental. O modelo fará parte da frota do Corpo de Bombeiros do Espírito Santo, vencendo uma licitação, na qual a Mitren participou, para ata de registro de preços que prevê a compra de até 10 unidades.

“Essas são as primeiras unidades de um programa de renovação de frota, que deve ser intensivo até a Copa e a Olimpíadas. Instituições de Corpo de Bombeiros de todo o País modernizarão seus veículos para garantir o que há de mais moderno em tecnologia e assegurar assistência total em casos de emergências. É uma boa oportunidade de mercado e estamos prontos para atendê-los nas suas necessidades mais específicas”, avalia Ricardo Alouche, diretor de Vendas, Marketing e Pós-Vendas da MAN Latin America.

EGR do VW Constellation 24.280 permite maior segurança

Com 280 cavalos de potência, o motor MAN D08 do veículo vem com sistema de tratamento dos gases de escape dotado de tecnologia EGR, eliminando a necessidade do Arla 32, um diferencial importante para a operação, já que aumenta a disponibilidade do veículo ao reduzir o tempo de parada para abastecimento.

Também requer menos componentes adicionais e, consequentemente, não compromete a capacidade de carga do caminhão para transportar a água necessária ao socorro. Além disso, já seguindo o conceito ADVANTECH, agrega inovações tecnológicas e de segurança, com durabilidade e baixo custo.

Seu tanque de água comporta até 10.000 litros sem comprometer a capacidade de carga do veículo. Já a bomba de incêndio está preparada para mil galões por minuto, com válvula de alívio. O sistema hidráulico e tanque são de aço inoxidável. O veículo conta ainda com canhão monitor de comando elétrico, torre de iluminação com comando a distância por cabo e sinalização luminosa de LED com sistema de câmara e gravador veicular. Vem equipado também com diversos equipamentos e acessórios para salvamentos e combate a incêndios.

Veículos sob medida para a operação

As adaptações à necessidade do cliente são a marca registrada dos caminhões VW. Para os 30 veículos do Corpo de Bombeiros do Paraná, uma série de mudanças foi implementada nos VW Constellation 17.330. Entre as mais significativas, o veículo conta com a transmissão automática Allison S3200, com seletor de marchas eletrônico. O mecanismo agiliza a direção e evita falhas de engate que poderiam retardar um atendimento de socorro.

O veículo recebeu reforço ainda na suspensão dianteira e na mola traseira para conforto do motorista e maior estabilidade com o peso do tanque de água, respectivamente. Com motor ISL, da Cummins, e tecnologia SCR de pós-tratamento, o caminhão estará calibrado especificamente para evitar a perda de potência em caso de desabastecimento do Arla 32.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Empresa transforma caminhão antigo em hospedagem de campo na Escócia

Situada no coração do Parque Nacional de Cairngorms, no norte da Escócia, a Inshiriach House é uma espécie de casa ambulante. Adaptada em um caminhão de 1956, ela funciona como alojamento e oferece área de estar, cama e cozinha.

Poltronas, cômodas e outros utensílios domésticos, que estão à disposição dos hóspedes, reduzem ainda mais o já pequeno ambiente. Uma tenda oferece um pouco de privacidade e proteção aos adeptos desse tipo de hospedagem.

Segundo os responsáveis pelo veículo, que um dia serviu ao Corpo de Bombeiros, o alojamento deve ser frequentado por casais que buscam tranquilidade nos campos da Escócia.

Fonte: Revista PEGN

Marcopolo investe em segurança e adquire caminhão de combate a incêndios

A Marcopolo, uma das principais fabricantes mundiais de ônibus, investe para elevar os padrões de segurança de suas unidades em Caxias do Sul e adquire um novo caminhão de bombeiros para suporte às situações de risco de incêndio. O veículo foi apresentado hoje, dia 20, aos colaboradores da fábrica de Ana Rech e, na semana que vem, será exposto na unidade da Planalto.

O caminhão foi adquirido seguindo especificações técnicas da área de Segurança do Trabalho e do Comando Regional de Bombeiros. Com motor de 320 cv de potência, possui cabine dupla com capacidade para transportar cinco brigadistas, tanque de 8.000 litros de água e 500 litros de LGE (Líquido Gerador de Espuma – agente extintor para produtos inflamáveis), bomba e canhão monitor eletrônico de 1.000 GPM (galões por minuto – aproximadamente 3.700 litros/minuto), torre de iluminação e escada. O veículo conta ainda com equipamentos para os brigadistas, como cilindros de ar respirável e vestimentas específicas para combate a incêndio.

A aquisição desse moderno caminhão faz parte do programa da Marcopolo de investimento em segurança, que inclui cursos, compra de equipamentos modernos e a realização de eventos simulados para estabelecer os padrões de conduta e ação ns eventualidade de um sinistro real. A empresa realiza contínuo e forte trabalho de treinamento da Equipe Interna de Combate a Incêndios e conta hoje com 430 brigadistas preparados para atender as situações de emergência que, por ventura, venham a ocorrer.

Fonte: Divulgação

Caminhão de bombeiro com câmbio automático

Uma tecnologia bastante popular como uma transmissão automática pode fazer a diferença no desempenho de um caminhão de bombeiro no atendimento de uma ocorrência. Sem ter que se preocupar em trocar as marchas e sem o risco de engatar determinada marcha no tempo errado, um câmbio automático facilita a vida do condutor.

“Talvez isso tenha começado com a cultura dos norte-americanos de usar câmbios automáticos em quase 100% dos carros que circulam por suas cidades e estradas, independente da sua utilização. Mas nos veículos de emergência as transmissões automáticas facilitam muito a vida do motorista, principalmente a dos bombeiros. Nesse caso, onde geralmente há uma maior concentração de veículos no trajeto percorrido para o atendimento de um chamado, ele não perde tempo com as mudanças de marchas, além de também evitar erros nessa operação. Portanto, é no trânsito urbano onde mais se percebem as vantagens e a agilidade dos veículos automáticos. A resistência destes veículos geralmente também é maior”, analisa o Coronel Luiz Humberto Navarro, Comandante Geral do Corpo de Bombeiros de São Paulo.

“Dentro do conceito do Corpo de Bombeiros posso falar sobre manutenção e durabilidade de transmissões automáticas com algum conhecimento sobre assunto, já que trabalhei na manutenção (CSM/M Subs – V. Maria) dos nossos veículos por nove anos. Nesse período, com uma frota de mais de 200 veículos com transmissões Allison, nós nunca tivemos problemas com uma única unidade. O máximo que fizemos foram as revisões e manutenção de troca de filtros e do óleo lubrificante”.

Fonte: Transpoonline