F-Truck: Totti vence em Pinhais com menor vantagem da história

Leandro TottiO Campeonato Brasileiro de Fórmula Truck testemunhou neste domingo (13) o desfecho de corrida que apresentou a menor diferença entre vencedor e segundo colocado em 18 anos de história. Líder da temporada, o paranaense Leandro Totti venceu o GP Crystal, segunda etapa, recebendo a bandeirada da vitória no Autódromo Internacional de Curitiba, em Pinhais (PR), 62 milésimos de segundo à frente de seu conterrâneo Wellington Cirino.

O equilíbrio atestado pelo cronômetro ilustrou o duelo acirrado travado pelos dois pilotos paranaenses durante os 60 minutos da corrida, segunda das 10 previstas no calendário de 2014 da Fórmula Truck. Foi a menor diferença em 195 corridas já realizadas na categoria, estabelecendo um novo recorde – a marca anterior perdurava desde novembro de 2005, quando Roberval Andrade venceu a etapa de Tarumã, em Viamão (RS), 0s086 á frente e Cirino.

A vitória deste domingo foi a 12ª de Totti na Fórmula Truck, a segunda desde que o piloto paranaense passou a pilotar um dos Volkswagen-MAN da RM Competições – a primeira aconteceu na abertura da atual temporada, no dia 16 de março em Caruaru (PE). Assim, o campeão de 2012 passa a ser o sexto maior vencedor de toda a história da Fórmula Truck, empatado com seu conterrâneo Sérgio Drugovich e com o gaúcho Jorge Fleck.

Além de Totti e Cirino, a cerimônia de pódio do GP Crystal contou com o paulista Felipe Giaffone, piloto do MAN da RM Competições, terceiro colocado, o brasiliense Geraldo Piquet, companheiro de equipe de Cirino na ABF-Santos Desenvolvimento e também piloto de um Mercedes-Benz, e mais um piloto do Paraná, Diogo Pachenki, que cruzou a linha de chegada em quinto lugar com o Volvo da Copacol Clay Truck Racing.

A vitória em Pinhais ampliou a vantagem de Totti na liderança para 28 pontos. Ele passou a somar 61, contra 33 de Piquet, que comemorou sua 100ª participação na Fórmula Truck assumindo a vice-liderança do campeonato. O segundo lugar na corrida elevou Cirino ao terceiro lugar na pontuação, com 29 pontos. Giaffone foi a 25 pontos e passa a dividir o quarto lugar na tabela de classificação com Andrade, que abandonou a corrida.

A corrida

Na largada, o destaque ficou por conta de Roberval Andrade, que saltou de sexto para terceiro. Felipe Giaffone, pole-position, manteve-se na liderança, à frente de Wellington Cirino, segundo no grid. O fechamento da primeira volta deu mostras de que o duelo entre os campeões seria acirrado – cumpriram a reta dos boxes empreendendo ziguezagues na disputa pela liderança, um para defender a posição, outro para atacar.

Totti recuperou o terceiro lugar ainda na linha de chegada. Cirino chegou à primeira posição na reta oposta, superando Giaffone – ainda na volta número dois, na Curva da Vitória, Totti também fez ultrapassagem sobre o pole-position e passou a pressionar Cirino. A disputa entre os dois pilotos paranaenses foi interrompida no início da terceira volta, como consequência de dois acidentes simultâneos, envolvendo Pedro Muffato e Débora Rodrigues.

Muffato teve problemas com a direção, rodou no S de alta velocidade e bateu forte no guard-rail. Seu caminhão chegou a perder contato com o chão. Débora saiu da pista e bateu na proteção de pneus. O Pace Truck foi acionado para resgate dos dois caminhões. Sob bandeira amarela, Valmir Benavides fez um pit stop para troca do pneu traseiro direito, danificado na primeira volta num toque de Renato Martins, que teve danificada a frente de seu caminhão.

Muffato conduziu seu caminhão aos boxes e abandonou. Débora voltou à pista, em 25º lugar. Ainda durante as voltas sob bandeira amarela, a direção de prova deu a ordem para que André Marques fosse para o box para remoção de uma peça que estava solta em seu caminhão. Dada a relargada, já com 18 minutos de prova, Totti voltou a pressionar Cirino, emparelhando os caminhões várias vezes durante a quarta volta válida da corrida.

Foi a única volta sob bandeira verde antes do Pace Truck voltar à pista na intervenção programada para o primeiro terço de cada corrida. Cirino, Totti, Giaffone, Andrade e Geraldo Piquet completavam as cinco primeiras posições, que dão direito a pontos de bonificação. Totti já somava, a essa altura, o ponto de bonificação pela volta mais rápida da corrida, cronometrada na segunda em 1min43s103, com média horária de 129,016 quilômetros.

Os pilotos cumpriram duas voltas em ritmo de bandeira amarela e, dada a relargada, Totti assumiu a linha externa da reta dos boxes e superou Cirino, assumindo a liderança. Ao mesmo tempo, Piquet tomou a quarta colocação de Andrade. Uma volta depois, os três primeiros já abriam quase dois segundos de vantagem sobre o restante do pelotão. Benavides, então em 16º, foi punido com um drive-thru por exceder os 160 km/h de limite no ponto do radar.

Paulo Salustiano, em prova de recuperação depois de largar em 15º, já aparecia em sétimo, fazendo a ultrapassagem sobre Diogo Pachenki depois da intervenção programa do Pace Truck. No mesmo instante, Danilo Dirani, 13º no grid, assumia a nona posição ultrapassando Marcello Cesquim numa manobra que fez com que os dois caminhões se tocassem no S de alta – Dirani recebeu bandeira de advertência da direção de prova.

Beto Monteiro, que tinha seu sexto lugar ameaçado por Salustiano, viu a necessidade de reação e superou Andrade no início da oitava volta. Salustiano tentou acompanhar a manobra na entrada do trecho misto do circuito e, sem trajetória para concluir a ultrapassagem sobre Andrade, teve de direcionar seu Mercedes-Benz para a área de escape, caindo para 12º. Totti baixava o tempo da melhor volta para 1min42s646, com média de 129,591 km/h.

Andrade figurava em sexto na décima volta de corrida, quando a direção de prova puniu-o com um drive-thru por atitude antidesportiva – o entendimento dos comissários desportivos foi de que Andrade tirou Salustiano da pista duas voltas antes. Monteiro, com problemas, tomou o caminho dos boxes, cessando a pressão sobre Piquet, que já estava a mais de cinco segundos de Giaffone, o terceiro. Monteiro voltou à pista ocupando o décimo lugar.

Salustiano voltou à pista mantendo o ritmo forte e fez a volta mais rápida da corrida em 1min42s074, com média de 130,317 km/h. A vantagem de Totti sobre no complemento da décima volta era de um segundo e dois décimos. Com Andrade cumprindo a punição, Pachenki passou a ocupar o quinto lugar, tendo de conter os ataques de Dirani. Salustiano, em sétimo, saiu da pista e caiu para oitavo, sendo ultrapassado por Jansen Bueno.

Com 13 voltas de corrida, a disputa pelo quinto lugar envolvia Pachenki, Dirani, Bueno, Marques e Monteiro – a diferença entre os cinco era de pouco mais de dois segundos. Andrade e Salustiano tomaram o caminho dos boxes, com problemas mecânicos – ambos abandonaram. Ronaldo Kastropil saiu da pista na 14ª volta, ao mesmo tempo em que Michelle de Jesus abandonava a corrida com problemas mecânicos. Era a primeira corrida da piloto.

Bueno assumiu a sexta posição na prova superando Dirani na 16ª volta e, determinado a conquistar o primeiro pódio na categoria diante da torcida de Curitiba, sua cidade, deu início à pressão sobre Pachenki. Marques abdicava da disputa pelo quinto lugar por cumprir uma punição por velocidade excessiva no ponto do radar. Enquanto isso, Cirino começou a diminuir volta a volta sua desvantagem em relação a Totti, reabrindo o duelo principal.

A abertura da 20º volta foi marcada pela terceira intervenção do Pace Truck, motivada pela perda de rendimento de Bueno, que momentaneamente ficou com o caminhão parado na pista – com a bandeira amarela já acionada, o piloto conseguiu pôr o caminhão em movimento e estacionou-o fora do traçado. Débora Rodrigues, com problemas mecânicos, também optou por sair da pista e estacionar o caminhão em posição segura antes de abandonar a prova.

A última relargada foi dada a menos de quatro minutos da bandeirada final. Kastropil tinha uma volta de desvantagem e estava posicionado logo atrás do caminhão de Giaffone, restringindo a disputa pela vitória aos três primeiros – Piquet estava quase dois segundos atrás. Totti manteve a liderança e, antes do complemento da 20ª volta, a penúltima do GP Crystal, viu pelos espelhos retrovisores a aproximação perigosa de Cirino e de Giaffone.

Apesar das manobras de ataque e de defesa de posição que mereceram aplausos do público, Totti, Cirino e Giaffone tiveram suas posições mantidas na última volta. O Volkswagen-MAN de Totti atravessou no contorno da Curva da Vitória e Cirino viu a chance do ataque final. Posicionou seu Mercedes-Benz pelo lado externo da reta dos boxes e os dois paranaenses cruzaram a linha de chegada lado a lado – a vantagem de Totti foi de 62 milésimos de segundo.

RESULTADO E CLASSIFICAÇÃO
Depois de 21 voltas válidas, o resultado final do GP Crystal foi o seguinte:

1º) Leandro Totti (PR/Volkswagen-MAN), RM Competições, 1h00min12s574
2º) Wellington Cirino (PR/Mercedes-Benz), ABF-Santos, a 0s062
3º) Felipe Giaffone (SP/ MAN), RM Competições, a 0s806
4º) Geraldo Piquet (DF/Mercedes-Benz), ABF-Santos, a 3s829
5º) Diogo Pachenki (PR/Volvo), Copacol Clay Truck Racing, a 4s776
6º) Danilo Dirani (SP/Scania), Ticket Car Corinthians Motorsport, a 5s521
7º) Beto Monteiro (PE/Iveco), Scuderia Iveco, a 5s997
8º) Fabiano Brito (PR/Volvo), ABF Motorsport, a 6s856
9º) André Marques (SP/Volkswagen-MAN), RM Competições, a 7s354
10º) Luiz Lopes (SP/Iveco), Lucar Motorsports, a 9s700
11º) David Muffato (PR/Ford), DF Racing Fans, a 9s331
12º) Marcello Cesquim (PR/Mercedes-Benz), ABF Racing Team, a 10s312
13º) Djalma Fogaça (SP/Ford), DF Racing Fans, a 14s383
14º) Raijan Mascarello (MT/Ford), DF Racing Fans, a 1 volta
15º) Ronaldo Kastropil (SP/Mercedes-Benz), Santa Carolina Racing Team, a 1 volta
16º) Jaidson Zini (PR/Iveco), Dakarmotors, a 2 voltas
17º) Jansen Bueno (PR/Scania), Muffatão, a 3 voltas
18º) Débora Rodrigues (SP/Volkswagen-MAN), RM Competições, a 4 voltas
19º) Valmir Benavides (SP/Iveco), Scuderia Iveco, a 5 voltas
NÃO COMPLETARAM
Paulo Salustiano (SP/Mercedes-Benz), ABF Racing Team,
Michelle de Jesus (SP/Volvo), ABF Motorsport, a 8 voltas
João Maistro (PR/Volvo), Copacol Clay Truck Racing, a 9 voltas
Roberval Andrade (SP/Scania), Ticket Car Corinthians Motorsport, a 10 voltas
Leandro Reis (GO/Ford), Original Reis Competições, a 17 voltas
Renato Martins (SP/Volkswagen-MAN), RM Competições, a 18 voltas
Pedro Muffato (PR/Scania), Muffatão, a 20 voltas
Melhor volta: Salustiano, na 9ª, 1min42s074, média de 130,317 km/h

A terceira etapa do Campeonato Brasileiro de F-Truck será disputada no dia 18 de maio no Autódromo José Carlos Pace, em Interlagos, São Paulo (SP) – a corrida contará pontos, também, pela segunda etapa do Sul-Americano. A competição entre montadoras, depois do GP Crystal, passa a ter a seguinte classificação: 1º) Mercedes-Benz, 75 pontos; 2º) MAN, 60; 3º) Scania, 45; 4º) Volvo, 32; 5º) Iveco, 30; 6º) Ford, 8.

No Campeonato Brasileiro de Fórmula Truck, após a realização de duas corridas, a classificação da temporada de 2014 é a seguinte: 1º) Totti, 61 pontos; 2º) Piquet, 33; 3º) Cirino, 29; 4º) Andrade e Giaffone, 25; 6º) Dirani, 22; 7º) Monteiro, 18; 8º) Brito, 17; 9º) Salustiano, 15; 10º) Pachenki, 12; 11º) Cesquim, 10; 12º) Marques, 8; 13º) Benavides, 6; 14º) Maistro, D. Muffato e Lopes, 5; 17º) P. Muffato, 3; 18º) Zini e Fogaça, 2; 20º) Mascarello, 1.

O Blog do Caminhoneiro esteve na corrida a convite da Scuderia Iveco.

Fonte: Fórmula Truck

Fórmula Truck: Leandro Totti vence a etapa de Caruaru

Fórmula Truck - CaruaruLeandro Totti dominou a primeira etapa dos campeonatos Brasileiro e Sul-Americano de Fórmula Truck. Campeão em 2012 e vice no ano passado, o paranaense da RM Competições venceu de ponta a ponta, neste domingo (16), o GP Aurélio Batista Félix, primeira etapa das duas competições. A corrida que abriu a temporada nacional do automobilismo levou mais de 40.000 pessoas ao Autódromo Internacional Ayrton Senna, em Caruaru (PE).

Mais rápido em todas as sessões de treinos livres e classificatórios do sábado (15), Totti foi pole-position e manteve o Volkswagen-MAN número 73 da RM Competições na liderança nas 29 voltas da etapa pernambucana. Após mais de uma hora de corrida, recebeu a bandeirada da vitória com mais de 13 segundos de vantagem sobre o paulista Roberval Andrade, piloto do Scania da Ticket Car Corinthians Motorsport, que terminou em segundo.

A equipe de Andrade teve seus dois pilotos no pódio. Danilo Dirani, que voltou a competir na Fórmula Truck como titular do outro caminhão da Ticket Car Corinthians, terminou a disputa em quinto. O brasiliense Geraldo Piquet e o paulista Paulo Salustiano, que defendem as equipes ABF-Santos e ABF Racing Team, levaram seus caminhões Mercedes-Benz ao terceiro e ao quarto lugar. Dos 25 pilotos que largaram 17 chegaram ao fim da corrida.

“É o resultado de um desenvolvimento que vem desde o ano passado”, definiu o vencedor Totti, destacando a vantagem de ter pista livre durante toda a corrida. “Com frente livre, pude andar num ritmo bom sem me preocupar com a temperatura, tinha ar frontal”, lembrou, revelando que a temperatura do motor MAN subiu enquanto esteve pressionado por Wellington Cirino, que abandonou na 16ª volta. “Depois que ele parou eu estabeleci um ritmo seguro”.

Andrade, que não alcançava o pódio em Caruaru desde 2008, exultou o segundo lugar. “É um recomeço de muito trabalho, foi um resultado gratificante para a equipe”, observou o piloto, que correu acometido por uma indisposição estomacal. “Fui conservador, mantive meu ritmo”, disse. Dirani comemorou o pódio. “Foi como eu renasci na Truck depois de um ano fora. Tudo na equipe é novo para mim, mas pressinto que será uma ótima temporada”.

Foi a mesma impressão manifestada por Piquet, o terceiro. “É cedo para pensar ou falar em título, mas acho que teremos um grande ano. O caminhão é competitivo”, atestou. Salustiano, que também pilota um Mercedes-Benz, viu o quarto lugar com alívio. “Foi um fim de semana com vários problemas para resolvermos, trabalhamos muito para evitar as quebras que nos frustraram no ano passado. O resultado mostra que posso brigar pelas vitórias”, ponderou.

A vitória deste domingo foi 11ª de Totti, número que o isola como sétimo maior vencedor da Fórmula Truck. Foi, também, o segundo triunfo em Caruaru – ele também ganhou a etapa em 2006, pilotando um caminhão Ford. A pole-position para a etapa de abertura da temporada de 2014 foi a sexta da carreira do paranaense, que nessa estatística também passa a ocupar o sétimo lugar, empatado com seu conterrâneo Osvaldo Drugovich Júnior.

A corrida

A temporada de 2014 dos campeonatos Sul-Americano e Brasileiro da Fórmula Truck começou sob o calor de mais de 30 graus de Caruaru – era a temperatura ambiente no instante da largada. à bandeira verde, Wellington Cirino, terceiro no grid, ultrapassou Roberval Andrade, enquanto o pole-position Leandro Totti manteve-se na liderança – ele completou a primeira volta 1s7 à frente de Cirino e 2s3 à frente de Andrade.

A abertura da segunda volta marcou a ultrapassagem de Felipe Giaffone sobre Diogo Pachenki, que valeu-lhe o quarto lugar na corrida. David Muffato, em sua primeira participação pela DF Racing Fans, teve pane elétrica em seu Ford na terceira volta e abandonou. A essa altura, a vantagem de Totti chegava a 3s4. O ritmo do paranaense permitiu-lhe ampliar essa margem para 4s4 ao término da quarta volta de corrida.

Andrade, administrando o terceiro lugar, já recebia pressão de Giaffone. Na quinta volta, Pachenki foi ultrapassado por André Marques, Geraldo Piquet e Paulo Salustiano. O paranaense acabou saindo da pista e completou a quinta volta na décima posição. Nesse momento, Raijan Mascarello estacionou nos boxes da DF Racing Fans para reposição do pneu traseiro esquerdo externo, perdido em um toque durante disputa por posição.

O excesso de fumaça fez suas primeiras vítimas na sétima volta, quando os comissários de prova determinaram que Leandro Reis e Djalma Fogaça procurassem seus boxes para eliminar o problema. Ronaldo Kastropil estava nos boxes desde a terceira volta, com problemas na embreagem do Mercedes-Benz. Acabou abandonando. Débora Rodrigues, embora com a carenagem do caminhão danificada por um toque, seguia na pista.

Giaffone mantinha sua postura de ataque a Andrade na décima volta, quando a perda de rendimento de seu MAN, motivados por problemas com a direção hidráulica, o fez cair para 18º – nesse instante, seu companheiro de equipe Adalberto Jardim abandonava, nos boxes. Pachenki, que enfrentava problemas com o intercooler de seu Volvo desde as primeiras voltas, também tomou o caminho dos boxes e viu-se obrigado a se retirar da disputa.

A intervenção programada do Pace Truck a um terço de cada corrida aconteceu após 11 voltas. Totti, Cirino, Andrade, Marques e Piquet ocupavam as cinco primeiras posições no GP Aurélio Batista Félix e receberam pontos de bonificação na classificação dos dois campeonatos – Totti havia conquistado o ponto extra pela conquista da pole-position e já garantia o ponto de bônus pela volta mais rápida da corrida, assinalada na segunda passagem.

Dada a relargada, Totti sustentou a liderança e em uma volta abriu 1s5 de vantagem sobre Cirino, margem que passou a ser de 2s2 na 13ª volta e superou a casa dos 3s na 14ª. Andrade, terceiro, recebia pressão incisiva de Marques; Piquet, em quinto, vivia situação parecida, com Salustiano buscando um lugar no grupo dos cinco que compõem o pódio de cada etapa. Marques, contudo, também foi chamado aos boxes por excesso de fumaça.

O estreante Marcello Cesquim, que havia perdido posições na largada, defendia desde a relargada da corrida o nono lugar – mesma posição que teve no grid. A ameaça à sua posição era representada por Beto Monteiro e Valmir Benavides. O pernambucano e o paulista, ambos pilotos da Scuderia Iveco, foram desclassificados da tomada de tempos de sábado, largaram do fim do grid e figuravam em 10º e 11º, respectivamente.

A 16ª volta marcou a saída de pista do vice-líder Cirino, que abandonou. A ocorrência de óleo no traçado causou a rodada de Marques antes mesmo de sua ida para os boxes por conta do problema com a fumaça. Os problemas dos dois pilotos permitiram a Danilo Dirani, que voltou à Fórmula Truck pilotando o outro caminhão da Ticket Car Corinthians, passar a ocupar a quinta posição – estava atrás de Totti, Andrade, Piquet e Salustiano.

Débora Rodrigues, com o sistema de refrigeração de seu Volkswagen danificado em um toque durante uma disputa por posição, retirou-se da corrida também na 16ª volta. Na 19ª, Monteiro ultrapassou Cesquim e passou à sétima posição. Seu companheiro de equipe Benavides tentou aproveitar a manobra para também superar o estreante, mas, com a tomada da curva comprometida, acabou rodando e caindo para o décimo lugar na corrida.

No complemento da 20ª volta, Totti mantinha o ritmo forte e liderava com mais de 10 segundos de vantagem sobre Andrade. Jardim, após uma longa permanência nos boxes, voltou à pista disposto a aproveitar os instantes finais da corrida a título de teste dos reparos efetuados pela equipe. Monteiro, dando sequência à sua prova de recuperação, já ameaçava o sexto lugar de Fabiano Brito, que voltou a disputar a F-Truck depois de três anos de ausência.

A ultrapassagem de Monteiro sobre Brito aconteceu após a frenagem ao fim da reta oposta do circuito caruaruense, a menos de sete minutos do fim da disputa. Sua desvantagem em relação a Dirani era de 7s1. Cesquim defendia o oitavo lugar dos ataques de Benavides. A disputa acolheu Giaffone, que a duas voltas do fim excedeu o limite de 160 km/h no ponto da pista onde há um radar e teve 20 segundos acrescidos a seu tempo total de prova.

Após 29 voltas válidas, o resultado final do GP Aurélio Batista Félix foi o seguinte:

1º) Leandro Totti (PR/Volkswagen-MAN), RM Competições, 1h01min22s152
2º) Roberval Andrade (SP/Scania), Ticket Car Corinthians Motorsport, a 13s089
3º) Geraldo Piquet (DF/Mercedes-Benz), ABF Santos, a 16s336
4º) Paulo Salustiano (SP/Mercedes-Benz), ABF Racing Team, a 16s843
5º) Danilo Dirani (SP/Scania), Ticket Car Corinthians Motorsport, a 18s776
6º) Beto Monteiro (PE/Iveco), Scuderia Iveco, a 25s298
7º) Fabiano Brito (PR/Volvo), ABF/Volvo, a 29s269
8º) Marcello Cesquim (PR/Mercedes-Benz), ABF Racing Team, a 37s182
9º) Valmir Benavides (SP/Iveco), Scuderia Iveco, a 39s115
10º) João Maistro (PR/Volvo), Copacol Clay Truck Racing, a 57s718
11º) Felipe Giaffone (SP/ MAN), RM Competições, a 59s411
12º) Pedro Muffato (PR/Scania), Muffatão, a 1min02s042
13º) Jaidson Zini (PR/Iveco), Dakarmotors, a 1min10s349
14º) Luiz Lopes (SP/Iveco), Lucar Motorsports, a 1min29s499
15º) Jansen Bueno (PR/Scania), Muffatão, a 1min34s033
16º) André Marques (SP/Volkswagen-MAN), RM Competições, a 1min45s213
17º) Raijan Mascarello (MT/Ford), DF Racing Fans, a 1 volta
NÃO COMPLETARAM
Adalberto Jardim (SP/Volkswagen-MAN), RM Competições, a 12 voltas
Wellington Cirino (PR/Mercedes-Benz), ABF Santos, a 14 voltas
Débora Rodrigues (SP/Volkswagen-MAN), RM Competições, a 14 voltas
Diogo Pachenki (PR/Volvo), Copacol Clay Truck Racing, a 19 voltas
Djalma Fogaça (SP/Ford), DF Racing Fans, a 22 voltas
Ronaldo Kastropil (SP/Mercedes-Benz), ABF Desenvolvimento Team, a 26 voltas
David Muffato (PR/Ford), DF Racing Fans, a 27 voltas
DESCLASSIFICADO
Leandro Reis (GO/Ford), Original Reis Competições, fumaça
Melhor volta: Totti, na 2ª, 1min50s850, média de 103,274 km/h

Classificação

Com a realização da primeira etapa, os campeonatos Brasileiro e Sul-Americano de Fórmula Truck têm a seguinte classificação: 1º) Totti, 32 pontos; 2º) Andrade, 23; 3º) Piquet, 18; 4º) Salustiano, 14; 5º) Dirani, 12; 6º) Monteiro, 10; 7º) Brito, 8; 8º) Cesquim, 7; 9º) Benavides, 6; 10º) Maistro, 5; 11º) Giaffone e Cirino, 4; 13º) Muffato, 3; 14º) Zini e Marques, 2; 16º) Lopes, 1.

Fonte: Fórmula Truck

Fórmula Truck – Giaffone vence e quatro seguem em busca do título

foto3320131110162543Primeiro e segundo colocados no grid, o paulista Felipe Giaffone e o paranaense Leandro Totti, companheiros de equipe na RM Competições/MAN Latin America, repetiram esses resultados no resultado final do GP Petrobras. A corrida, válida como nona e penúltima etapa do Campeonato Brasileiro de Fórmula Truck, confrontou 26 pilotos na tarde deste domingo (10) em Pinhais (PR), no Autódromo Internacional de Curitiba.

Com a dobradinha comemorada diante dos cerca de 40 mil torcedores presentes ao autódromo, Giaffone e Totti mantiveram-se na disputa pelo título de 2013. O campeão será conhecido no dia 8 de dezembro, data da etapa final em Brasília (DF), no Autódromo Internacional Nelson Piquet. A decisão vai considerar os resultados do pernambucano Beto Monteiro, da Scuderia Iveco, e do gaúcho Régis Boessio, da ABF Desenvolvimento Team.

Monteiro, líder do campeonato, figurou em quarto lugar durante maior parte da corrida. Nos minutos finais, contudo, cumpriu punição por excesso de velocidade no ponto da pista onde um radar limita o tráfego dos caminhões a 160 km/h. Oitavo na classificação final da prova, viu sua vantagem na liderança do campeonato, que era de 28 pontos, cair para 16 sobre o vice-líder Boessio, terceiro colocado na corrida deste domingo.

A vitória em Pinhais foi a 18ª da carreira de Giaffone na Fórmula Truck. Assim, ele isola-se como quarto maior vencedor da história da categoria, atrás apenas de seu atual chefe de equipe Renato Martins, que conquistou 27, de Wellington Cirino, com 23, e de Roberval Andrade, com 20. Ele também figura em quarto na estatística dos pole-positions. Em Pinhais, chegou à 15ª, atrás de Cirino, com 28, de Andrade, com 22, e de Martins, com 18.

A corrida

foto8020131110161557Dada a largada, Giaffone e Totti assumiram a linha interna da pista e mantiveram as duas primeiras posições. Na frenagem forte ao fim da reta de largada, Giaffone saiu da pista e caiu para terceiro. No pelotão intermediário, Luiz Lopes e Raijan Mascarello também saíram da pista e caíram para o fim do pelotão. Totti, Boessio, Giaffone, Salustiano e Monteiro completaram a volta nas cinco primeiras posições. Alex Caffi, com problemas, foi para os boxes.

Salustiano perdeu o ponto de frenagem ao fim da reta logo na abertura da segunda volta e, com a breve saída de pista, fui superado por Monteiro. A vantagem de Totti sobre Boessio aumentava volta a volta. Era de 1s5 ao fim da terceira volta, de 2s1 ao fim da quarta, de 2s6 depois de cinco voltas. Giaffone, a essa altura, perdia contato com o vice-líder Boessio. Leandro Reis, na quinta volta, também procurou os boxes, com problemas mecânicos.

Na sétima volta foi a vez de Valmir Benavides enfrentam problemas e estacionar em seu box, para abandonar a disputa. Duas voltas depois, quem parou nos pits foi Débora Rodrigues. Totti administrava cerca de dois segundos e meio de vantagem, beneficiado também pela pressão que seu companheiro de equipe Giaffone voltava a exercer sobre Boessio. A intervenção programada do Pace Truck a um terço de prova ocorreu depois de 12 voltas.

Os cinco primeiros, que recebem pontos de bonificação nesse instante de cada etapa, eram Totti, Boessio, Giaffone, Monteiro e Salustiano. Dada a relargada, Totti abriu 2s8 de vantagem. Giaffone reabriu pressão sob Boessio – no complemento da 13ª volta, os dois caminhões estavam emparelhados. Adotando a linha externa do traçado ao longo da reta dos boxes, o piloto pole-position conseguiu a ultrapassagem que lhe valeu o segundo lugar.

A 14ª volta foi marcada pela quebra do caminhão de Ronaldo Kastropil, que estacionou à beira da pista na aproximação para a curva do Pinheirinho, o que trouxe o Pace Truck de volta à pista, neutralizando a disputa por uma volta. A nova relargada foi dada a 25 minutos do término dos 60 minutos previstos para o término da corrida. Totti tornou a abrir vantagem, enquanto Roberval Andrade passou a atacar o quinto lugar de Salustiano.

Ao término da 16ª volta, Giaffone havia reduzido sua desvantagem em relação a Totti a seis décimos de segundo. Boessio, em terceiro, estava a mais de três segundos do líder. A abertura da 18ª volta marcou a ultrapassagem que deu a liderança da corrida a Giaffone. Os dois companheiros de equipe abriam vantagem e polarizavam a disputa pela vitória no GP Petrobras. Na 20ª volta foi a vez de Wellington Cirino parar nos boxes e abandonar.

Com os quatro primeiros relativamente acomodados em suas posições, a disputa mais intensa da corrida a 15 minutos do término valia o quinto lugar e confrontava, além de Salustiano e Andrade, Diogo Pachenki, que caiu de sexto para nono na largada e desde então fazia uma corrida conservadora. Totti, na 25ª volta, teve dificuldades na entrada da parte mista do circuito, saiu da pista e caiu de segundo para quarto na classificação da corrida.

Totti voltou à pista entre Boessio, novo vice-líder, e Monteiro, o quarto. Giaffone, em primeiro na corrida, completou a volta com 8s1 de vantagem. Foi quando Monteiro excedeu o limite de 160 km/h no ponto da reta onde existe um radar – sua velocidade foi de 162,2 km/h. Ele cumpriu seu drive-thru, punição padrão pela infração, e voltou à pista em 10º. Passou a ser nono na mesma volta, com o estouro de pneu que levou Jansen Bueno a abandonar.

No complementou da 28ª volta, Totti posicionou seu caminhão pelo lado de fora da curva da Vitória para, na reta dos boxes, ultrapassar Boessio e voltar à vice-liderança da corrida. Na abertura da volta final, Monteiro superou Jardim e ganhou mais uma posição, abrindo mais um ponto de vantagem na liderança do campeonato. Na disputa pelo sexto lugar, Geraldo Piquet superou Pachenki a poucos metros da linha de chegada.

Giaffone ganhou a corrida quase nove segundos à frente de Totti. Boessio, Salustiano e Andrade, nesta ordem, fecharam a formação do pódio do GP Petrobras. O resultado da corrida eliminou Salustiano, Piquet e Cirino da disputa pelo título brasileiro da Fórmula Truck. Após 30 voltas, o resultado final do GP Petrobras, em Pinhais, foi o seguinte:

1º) Felipe Giaffone (SP/MAN), RM Competições-MAN Latin America, 1h00min43s192
2º) Leandro Totti (PR/Volkswagen), RM Competições-MAN Latin America, a 8s899
3º) Régis Boessio (RS/Mercedes-Benz), ABF Desenvolvimento Team, a 9s454
4º) Paulo Salustiano (SP/Mercedes-Benz), ABF Racing Team, a 14s270
5º) Roberval Andrade (SP/Scania), Ticket Car Corinthians Motorsport, a 16s528
6º) Geraldo Piquet (DF/Mercedes-Benz), ABF Santos, a 24s810
7º) Diogo Pachenki (PR/Mercedes-Benz), ABF Racing Team, a 27s156
8º) Beto Monteiro (PE/Iveco), Scuderia Iveco, a 30s801
9º) Djalma Fogaça (SP/Ford), 72 Sports/Ford Racing Trucks, a 34s963
10º) Alberto Cattucci (SP/Volvo), ABF/Volvo, a 45s733
11º) Adalberto Jardim (SP/Volkswagen), RM Competições-MAN Latin America, a 45s750
12º) Pedro Muffato (PR/Scania), Muffatão, a 59s077
13º) Raijan Mascarello (MT/Ford), 72 Sports/Ford Racing Trucks, a 1min09s722
14º) Rogério Castro (GO/Volvo), ABF/Volvo, a 1min09s899
15º) Edu Piano (SP/Ford), Território Motorsport, a 1min21s173
16º) José Maria Reis (GO/Scania), Original Reis Competições, a 1 volta
17º) Luiz Lopes (SP/Iveco), Lucar Motorsports, a 2 voltas
18º) Jansen Bueno (PR/Volvo), DB Motorsport, a 2 voltas
19º) João Marcos Maistro (PR/Volvo), Clay Truck Racing, a 5 voltas
Não completaram
Alex Caffi (ITA/Iveco), Dakarmotors, a 9 voltas
Wellington Cirino (PR/Mercedes-Benz), ABF Santos, a 11 voltas
Ronaldo Kastropil (SP/Scania), Ticket Car Corinthians Motorsport, a 17 voltas
Débora Rodrigues (SP/Volkswagen), RM Competições-MAN Latin America, a 22 voltas
Valmir Benavides (SP/Iveco), Scuderia Iveco, a 24 voltas
Leandro Reis (GO/Scania), Original Reis Competições, a 26 voltas
André Marques (SP/Volkswagen), RM Competições-MAN Latin America, a 27 voltas
Melhor volta: Totti, na 3ª, 1min42s294

Fonte: Fórmula Truck

F-Truck: Totti vence etapa final debaixo de chuva

Leandro Totti ratificou os títulos de campeão brasileiro e sul-americano da temporada ao vencer o GP Aurélio Batista Félix de Fórmula Truck, disputado neste domingo (9), no Autódromo Internacional Nelson Piquet, em Brasília. Com a sexta vitória no ano ele se torna também o novo recordista de vitórias numa mesma temporada.

Beto Monteiro (Scuderia Iveco) chegou em segundo, seguido de Adalberto Jardim (Man/Volkswagen), Felipe Giaffone (MAN/Volkswagen) e Leandro Reis (Goiás.com), respectivamente, completaram os pódio dos cinco primeiros. Os resultados combinados garantiu à Mercedes-Benz o título do Campeonato de Marcas, quebrando uma hegemonia da MAN/Volkswagen nos últimos anos.

Depois de dois dias de calor intenso durante os treinos, a chuva ‘deu a cara’ na capital federal e obrigou todos no grid a largarem com pneus de chuva. Totti, competindo pela ABF Racing Team herdou a liderança com a parada do líder Roberval Andrade (Ticket Car Corinthians Motorsport) e liderou até a 21ª volta, quando, atrapalhado pelo retardatário José Maria Reis (Goiás.com), perdeu a liderança para Adalberto Jardim, que liderou por três voltas, quando Totti recuperou o primeiro lugar para vencer pela sexta vez.

“Meu caminhão não tinha meio termo, andava bem na chuva ou no seco, no meio termo eu perdia desempenho. Mas apesar dos problemas de uma corrida nessas condições eu estava tranquilo para ajudar a marca Mercedes a ser campeão”, disse Totti na coletiva de imprensa. Beto Monteiro que garantiu a terceira colocação no campeonato com a segunda colocação na prova, ele viu uma corrida em “três fases” sobre as condições de pista com as variáveis de chuva. “Foram condições difíceis por causa das alternâncias, mas felizmente consegui um bom segundo lugar, o que não deixa de ser um bom resultado, um alento para o próximo ano”, avaliou Monteiro.

Para Adalberto Jardim o terceiro lugar foi considerado bom, apesar de ter sentido o gosto da vitória durante três voltas próximo do fim da prova. “A pista estava uma loteria. Estou feliz por terminar o ano no pódio”

1º) 73 – Leandro Totti (M, PR), 33 voltas em 1:00:21.687 (média de 95,75 km/h)
2º) 88 – Beto Monteiro (I , PE), a 2.694
3º) 8 – Adalberto Jardim (W , SP), a 10.354
4º) 4 – Felipe Giaffone (W , SP), a 29.416
5º) 51 – Leandro Reis (S , GO), a 36.241
6º) 2 – Valmir Benavides (I , SP), a 46.686
7º) 55 – Paulo Salustiano (V , SP), a 52.153
8º) 77 – André Marques (W , SP), a 1:07.730
9º) 83 – Regis Boessio (M , SP), a 1:09.607
10º) 14 – João Maistro (V , PR), a 1 volta
11º) 7 – Debora Rodrigues (W , SP), a 1 volta
12º) 72 – Djalma Fogaça (F , SP), a 1 volta
13º) 70 – Danilo Dirani (F , SP), a 1 volta
14º) 9 – Renato Martins (W , SP), a 1 volta
15º) 99 – Luiz Lopes (M , SP), a 1 volta
16º) 32 – Luiz Pucci (V , RA), a 2 voltas
17º) 12 – Zé Maria Reis (S , GO), a 3 voltas
18º) 6 – Wellington Cirino (M , PR), a 8 voltas
19º) 15 – Roberval Andrade (S , SP), a 16 voltas
20º) 3 – Geraldo Piquet (M , DF), a 18 voltas
21º) 18 – João Ometto (I , SP), a 26 voltas

Campeonato:
1) Leandro Totti – 216 pontos; 2) Felipe Giaffone – 154 pontos; 3) Beto Monteiro – 128 pontos; 4) Roberval Andrade – 102 pontos; 5) André Marques – 102 pontos; 6) Wellington Cirino – 92 pontos; 7) Paulo Salustiano – 85 pontos; 8) Regis Boessio – 72 pontos; 9) Adalberto Jardim – 70 pontos; 10) Valmir Benavides – 66 pontos; 11) Leandro Reis – 50 pontos; 12) Geraldo Piquet – 46 pontos; 13) João Maístro – 40 pontos; 14) Fred Marinelli – 39 pontos; 15) Renato Martins – 38 pontos; 16) Débora Rodrigues – 36 pontos; 17) Luiz Lopes – 30 pontos; 18) Luiz Pucci – 24 pontos; 19) Diumar Bueno – 21 pontos; 20) Pedro Muffato – 18 pontos; 21) Danilo Dirani – 13 pontos; 22) José Maria Reis – 11 pontos; 23) Pedro Gomes – 7 pontos; 24) Christian Fittipaldi – 7 pontos; 25) Djalma Fogaça – 3 pontos; 26) João Ometto Neto – 2 pontos; 27) Alberto Cattucci – 0 ponto

Campeonato de Marcas:
1º) Mercedes – Benz – 371 pontos, 2º) MAN Latin America – 353 pontos; 3º|)| Iveco – 213 pontos; 4º) Volvo – 170 pontos; 5º) Scania – 153 pontos; 6º) Ford – 23 pontos

Fonte: Fórmula Truck

Caminhão Mercedes-Benz é campeão da Fórmula Truck

A bordo do caminhão Mercedes-Benz da ABF Racing Team, o piloto Leandro Totti venceu ontem a nona e penúltima etapa do Campeonato Brasileiro de Fórmula Truck 2012, realizada em Curitiba, Paraná. Com isso, sagrou-se campeão de forma antecipada, alcançando ainda sua quinta vitória consecutiva na atual temporada.

Leandro Totti chegou a 185 pontos na classificação geral entre os pilotos, sendo 45 pontos de vantagem sobre o vice, diferença que não pode mais ser recuperada na última etapa, marcada para dia 9 de dezembro em Brasília.

Após a prova de Curitiba, a Mercedes-Benz manteve-se na posição de líder entre as marcas, chegando a 340 pontos, o que significa 25 pontos a mais que a segunda colocada. A disputa pelo título de marcas terá definição na etapa brasiliense.

Mercedes-Benz é referência de competitividade na Fórmula Truck

A temporada de 2012 é a 17ª da história do Campeonato Brasileiro de Fórmula Truck. Com a vitória de Leandro Totti, esta foi a quinta vez que a Mercedes-Benz levou um de seus pilotos ao título nacional. Isso já havia acontecido com Wellington Cirino em 2001, 2003, 2005 e 2008.

Os caminhões Mercedes-Benz são referência na F-Truck em termos de competitividade. Em onze anos na categoria, chegou às provas finais disputando títulos em dez edições, ganhando duas vezes como marca (2006 e 2008) e agora cinco vezes na categoria de pilotos.

A presença da Mercedes-Benz na Fórmula Truck destaca a imagem de seus caminhões como referência em força, resistência a desafios severos e confiabilidade. Nas pistas, os clientes e os admiradores da marca têm a oportunidade de desfrutar, num ambiente de competição, da performance e da tecnologia do veículo que eles conhecem nas estradas no dia a dia do transporte de cargas.

Fonte: Mercedes-Benz

Fórmula Truck: Totti larga dos boxes, vence e é o oitavo campeão

O Campeonato Brasileiro de Fórmula Truck já tem seu título definido. A conquista do paranaense Leandro Totti, neste domingo (11), coroou uma das provas mais acirradas da história da categoria. Largando dos boxes, depois de todos os adversários, o piloto da ABF Racing Team venceu o GP Crystal, nona e penúltima etapa, o Autódromo Internacional de Curitiba. Foi sua quinta vitória na temporada, a nona na carreira iniciada em 2003.

Totti deixa Curitiba com 45 pontos de vantagem sobre Felipe Giaffone, com 32 sendo possíveis na última etapa, marcada para dia 9 de dezembro em Brasília. O paulista da RM Competições, que levou seu MAN-Volkswagen ao terceiro lugar, assegurou também o vice-campeonato, já que abriu 34 pontos sobre o pernambucano Beto Monteiro, terceiro na pontuação, que não pontuou em Curitiba por conta de um acidente na primeira volta da corrida.

O paulista Roberval Andrade, da Ticket Car Corinthians Motorsport, liderou o maior número de voltas da corrida e terminou em segundo lugar. A MAN-Volkswagen levou dois de seus pilotos ao pódio – além de Giaffone, a marca pontuou com André Marques, em quarto. Valmir “Hisgué” Benavides, da Scuderia Iveco, completou o grupo dos cinco primeiros colocados na corrida, marcada por três intervenções do Pace Truck, uma delas programada.

A disputa pelo título do campeonato de marcas da Fórmula Truck terá definição na etapa brasiliense. A Mercedes-Benz, líder, chegou a 340 pontos, contra 315 da segunda colocada Volkswagen. A disputa pelo terceiro lugar vai confrontar a Iveco, que tem 183, a Volvo, com 157, e a Scania, que chegou aos 141 – o máximo possível a uma marca em cada corrida é de 62 pontos. A Ford, que ocupa o sexto lugar na tabela de pontos, soma 18.

A temporada de 2012 é a 17ª da história do Campeonato Brasileiro de Fórmula Truck. Totti, oitavo piloto a comemorar um título na categoria, fez com que o Paraná alcançasse São Paulo em número de campeonatos conquistados – cada estado teve seus pilotos campeões sete vezes. Foi a quinta vez que a Mercedes-Benz levou um de seus pilotos ao título nacional, mesmo número da Scania, até então líder isolada dessa estatística.

A corrida

Dada a largada, Leandro Reis manteve a linha intermediária da pista na reta dos boxes. As primeiras posições foram mantidas, com Régis Boessio saltando da décima para a sexta posição. Contudo, antes do complemento da primeira volta, o gaúcho saiu da pista e bateu na proteção de pneus. Geraldo Piquet, com um pneu furado, tomava o caminho dos boxes. Luiz Lopes recebia um drive-thru como punição por queima de largada.

Roberval Andrade, no término da primeira volta, tomou a vice-liderança de Felipe Giaffone e passou a pressionar a liderança de Reis. Totti, que largou dos boxes, saiu da pista e caiu para vigésimo. Na terceira volta, Beto Monteiro tentou a ultrapassagem sobre Giaffone no “S” de alta velocidade. Na divisão do traçado, o Iveco de Monteiro atravessou na pista e, enquanto tentava recuperar o controle, acabou atingido pelo Volvo de Paulo Salustiano.

Ao mesmo tempo em que o Pace Truck era acionado para o resgate dos caminhões de Monteiro e Salustiano, Reis enfrentava problemas com a turbina e perdia a liderança para Andrade. A relargada foi dada após duas voltas sob bandeira amarela, com Andrade à frente de Giaffone e Adalberto Jardim – que escapou por pouco do acidente entre Monteiro e Salustiano. Monteiro voltou à pista e, com o caminhão danificado, parou nos boxes.

O incidente significou o fim das chances de título do pernambucano. A corrida de recuperação de Totti colocava-o em 11º após quatro voltas válidas de corrida, enquanto Giaffone, vice-líder do campeonato, seguia em segundo, a um segundo de Andrade. O Líder do campeonato, o piloto paranaense da ABF Racing Team completou a quinta volta em décimo e, na sexta, já aparecia em oitavo. Boessio, também em corrida de recuperação, já era 12º.

A sétima volta foi aberta sob o anúncio da direção de prova de punição para Renato Martins, então em sexto, por excesso de velocidade no ponto da reta dos boxes onde um radar limita a velocidade a 160 km/h. Totti completou a sétima volta ocupando a sétima posição. Martins não ofereceu resistência à ultrapassagem do paranaense, que assumiu a sexta posição na oitava volta e, na seguinte, superou André Marques na reta dos boxes.

A ultrapassagem de Totti sobre Marques aconteceu segundos antes da intervenção programada do Pace Truck, a um terço da corrida. Enquanto os pilotos seguiam por três voltas sob bandeira amarela, buscando arrefecimento do equipamento para a fase decisiva da corrida, os cinco primeiros colocados recebiam pontos de bonificação na tabela do campeonato – eram, pela ordem, Andrade, Giaffone, Jardim, Wellington Cirino e Totti.

Boessio, que teve o radiador do caminhão danificado no acidente na primeira volta, estacionou nos boxes durante as voltas sob bandeira amarela e abandonou. A relargada foi dada a exatos 31 minutos do término da contagem dos 60 minutos regulamentares de corrida. Cirino assumiu a terceira posição e Totti abriu ataque ao quarto lugar de Jardim, conquistando a ultrapassagem na reta dos boxes, no complemento da décima volta.

Metros atrás, na última curva do circuito, Piquet saiu da pista e bateu na proteção de pneus, provocando a terceira intervenção do Pace Truck no GP Crystal. A essa altura, a combinação das posições na pista faziam a vantagem de Totti sobre Giaffone cair a 31 pontos, um a menos que o necessário para a conquista antecipada do título. A projeção considerava o ponto de bonificação pela volta mais rápida da corrida, anotada por ele na sétima.

A nova intervenção do Pace Truck durou mais três voltas. Faltavam 21 minutos para o fim da corrida quando a relargada foi determinada, depois de 11 voltas válidas de corrida. Totti, pelas posições de então, precisava ultrapassar o conterrâneo Wellington Cirino para ser campeão por antecipação. A manobra não foi necessária – meia volta depois, Cirino teve os freios bloqueados na curva do Pinheirinho e saiu da pista, deixando Totti em terceiro.

Embora o resultado já lhe fosse suficiente para o campeonato, Totti abriu pressão sobre Giaffone, tomando-lhe o segundo lugar na mesma curva do Pinheirinho onde colocara-se, pela projeção de resultados, como campeão virtual na volta anterior. Ao término da 13ª volta, a diferença do paranaense em relação ao líder Andrade era de 1s257. Em poucas curvas, ainda na 14ª volta, Totti já atacava a liderança de Andrade na corrida.

A tentativa de ultrapassagem sobre o líder na última curva do circuito permitiu a Giaffone recuperar o segundo lugar na corrida – os três completaram a 14ª volta separados por um décimo de segundo. Uma volta depois, na reta principal, Totti fez nova ultrapassagem sobre Giaffone e abriu, pela segunda vez, atuação de pressão sobre Andrade, que adotava o traçado mais defensivo possível. Os três alternavam posições na pista a cada curva.

A disputa tripla pela liderança permitiu a aproximação de Jardim, que na 17ª volta também passou a disputar a vitória. Na volta seguinte, foi o quinto colocado, André Marques, quem juntou-se ao grupo dos líderes. Totti, na saída do Pinheirinho, assumiu a linha interna da pista e, depois de toques laterais, tomou a liderança de Andrade. Jardim, a essa altura, era chamado aos boxes pela direção de prova, por excesso de fumaça em seu caminhão.

Os toques laterais valeram advertência a Totti e a Andrade. A corrida cumpria a 19ª volta quando Valmir “Hisgué” Benavides, sexto com o caminhão da Scuderia Iveco, também juntou-se ao grupo que disputava o segundo lugar – Totti, na liderança, já abria 2s242 sobre Andrade, que tinha sua posição sob ameaça dos ataques de Giaffone. A disputa seguiu acirrada, embora todas as posições tenham sido mantidas até a bandeirada final.

Na última volta, mais de quatro segundos à frente, Totti cumpriu a reta dos boxes comemorando com ziguezagues. Ele manteve as manobras radicais durante a volta de comemoração, com “cavalos-de-pau” e “zerinhos” pela pista, diante da torcida presente ao autódromo. O pódio do GP Crystal, com a festa dos cinco primeiros colocados, teve ainda Roberval Andrade, Felipe Giaffone, André Marques e Valmir Benavides.

Fonte: Fórmula Truck

F-Truck – Depois de quarta vitória, Totti almeja título antecipado na Fórmula Truck

Uma corrida acirrada marcou neste domingo (14) a quarta vitória de Leandro Totti no Campeonato Brasileiro de Fórmula Truck. O paranaense levou o Mercedes-Benz número 73 da ABF Racing Team à primeiro posição no GP Crystal, oitava e antepenúltima etapa, no Autódromo Internacional Nelson Luiz Barro, em Guaporé. O resultado na etapa da Serra Gaúcha restringiu a três nomes a lista de candidatos ao título de 2012.

Faltam duas etapas para o fechamento do campeonato – em Curitiba, no dia 11 de novembro, e em Brasília, em 9 de dezembro. Há 64 pontos ainda em jogo. A vantagem de Totti na liderança do campeonato passou de 24 para 39 pontos. O adversário mais próximo do paranaense passa a ser o tricampeão Felipe Giaffone, que levou o MAN-Volkswagen da RM Competições ao terceiro lugar na corrida e assumiu a vice-liderança da tabela.

Com a vitória em Guaporé, que soma-se às conquistadas nas etapas de Goiânia, São Paulo e Cascavel, Totti chega aos 158 pontos. Giaffone, novo vice-líder, soma 119. Beto Monteiro, vice-líder da competição até a largada em Guaporé, abandonou a corrida no acidente que um furo de pneu o submeteu e caiu para terceiro, agora 106. O quarto na pontuação é Wellington Cirino, que foi a 82 pontos e não pode mais alcançar a pontuação de Totti.

O gaúcho Régis Boessio, que comemorou no GP Crystal sua primeira pole-position na Fórmula Truck, complementou a comemoração dos mais de 35.000 torcedores gaúchos com sua primeira aparição no pódio de Guaporé, com o segundo lugar. A comemoração no pódio também contou com Cirino, o quarto colocado com o caminhão da ABF/Mercedes-Benz, e Roberval Andrade, que levou o Scania da Ticket Car Corinthians Motorsport ao quinto lugar.

Corrida

As posições no primeiro pelotão foram mantidas na largada. O maior destaque da primeira volta ficou por conta de Valmir Benavides, que largou em décimo e assumiu a sexta posição. Enquanto Regis Boessio e Felipe Giaffone começavam a abrir vantagem nas duas primeiras posições, Leandro Totti dava início a uma pressão forte sobre Beto Monteiro, obrigando o pernambucano a adotar a pilotagem mais defensiva possível.

Na abertura da terceira volta, Débora Rodrigues foi punida com uma passagem a 60 km/h pelos boxes por ter excedido o limite de velocidade onde há o radar exigindo máxima de 160 km/h.Foi a volta em que Totti consolidou a ultrapassagem sobre Monteiro, assumindo a terceira posição e adotando uma postura de ataque ao segundo lugar de Giaffone. A ultrapassagem, pelo lado externo da curva Um, aconteceu na quinta volta.

Ao término da sexta volta, Boessio tinha quatro décimos de segundo de vantagem sobre Totti, que estava mais quatro décimos à frente de Giaffone. Na oitava volta, Benavides começou a perder posições, com problemas em um duto de óleo da turbina de seu Iveco. Djalma Fogaça, reestreando na Truck, encostou à beira da pista, também com problemas em seu Ford. Danilo Dirani, também piloto da 72 Sports, havia abandonado um minuto antes.

Na nona volta, Totti tentou superar Boessio, que manteve-se na linha interna da pista na saída da curva do túnel. Na curva seguinte, denominada “Radiador”, Totti saiu do traçado ideal por alguns instantes, permitindo que Giaffone voltasse a ocupar o segundo lugar. A essa altura, Wellington Cirino, quinto no grid, já ocupava a quarta posição, tendo ultrapassado Monteiro, e se aproximava do equilibrado grupo dos três primeiros.

Na abertura da 11ª volta, Totti repetiu, no mesmo ponto da pista – a curva Um – a manobra com que havia ultrapassado Giaffone voltas antes. No “Radiador”, voltou à vice-liderança. Os dois cumpriram três curvas lado a lado, sem nenhum toque entre os caminhões. Com 12 voltas completadas, era de apenas 2s787 a diferença entre Boessio, líder, e Roberval Andrade, que havia largado em sétimo e figurava na sexta colocação.

Totti assumia um ritmo menor, permitindo a Boessio uma vantagem de 1s163. Cirino, em quarto, chegou a perder a tangência em uma das sequências sinuosas do circuito guaporense, permitindo uma tentativa de ultrapassagem de Monteiro, que por sua vez via-se pressionado por Andrade. O paranaense tetracampeão, contudo, conseguiu manter o controle de seu Mercedes-Benz e, na volta ao traçado ideal, manteve sua posição.

A um terço de corrida, na intervenção programada do Pace Truck para reagrupamento dos pilotos, os cinco primeiros eram Boessio, Totti, Giaffone, Cirino e Monteiro, que receberam pontos de bonificação. Totti chegava a 133 pontos na liderança do Campeonato Brasileiro, contra 106 de Monteiro e 102 de Giaffone. Boessio sustentava a liderança da prova e também a volta mais rápida da corrida, cronometrada na terceira em 1min28s439.

Dada a relargada, cerca de cinco minutos depois, as posições foram mantidas. Totti, embora tivesse se proposto a uma estratégia conservadora, já assumia uma postura de ataque a liderança de Boessio. O reinício de corrida foi marcado pelo abandono de Débora Rodrigues, que estacionou seu MAN-Volkswagen no “Radiador” com problema na bomba de combustível. Cirino marcava a volta mais rápida da corrida, em 1min28s332.

Totti assumiu a liderança ultrapassando Boessio na curva do Túnel na 18ª volta, a mesma em que assinalou a melhor volta da etapa, 1min28s257, o que permitiu-lhe abrir 1s008 de vantagem sobre o segundo colocado. Geraldo Piquet, já em sexto, recebia pressão de Andrade e de Adalberto Jardim. Na 21ª volta o Pace Truck foi devolvido à pista, em nova neutralização da prova, para que o caminhão de Débora fosse removido a um local seguro.

A relargada foi dada depois de duas voltas sob o ritmo do Pace Truck. Poucos metros depois, no entanto, o Pace Truck foi acionado pela terceira vez, por conta do primeiro acidente da etapa – André Marques teve problemas com o câmbio, não conseguiu fazer a redução de marcha e atingiu a traseira do caminhão de Luiz Lopes. Marques rodou, bateu na barreira de pneus e ficou com seu MAN-Volkswagen atravessado na pista.

Enquanto a equipe de resgate trazia o caminhão de Marques de volta aos boxes, outra equipe foi acionada para limpeza da pista e remontagem da barreira de proteção de pneus. Foram quatro voltas com o Pace Truck na pista, até a relargada, dada cinco a minutos do fim da corrida. Na metade da primeira volta desde a nova relargada, o pneu dianteiro esquerdo de Monteiro estourou. o pernambucano, que era quinto, bateu no muro.

A corrida seguiu sob bandeira verde. Totti abriu a última volta 3s107 à frente de Boessio, que seguia pressionado por Giaffone, que estava 1s312 à frente de Andrade, o quinto, que logo depois da relargada cravou em definitivo a volta mais rápida da corrida, com 1min27s561. A quarta vitória do piloto da ABF Racing Team em 2012 deu-se com 1s773 sobre o piloto gaúcho. Giaffone, Cirino e Andrade completaram o pódio da etapa guaporense.

A nona e penúltima etapa do Campeonato Brasileiro de Fórmula Truck vai confrontar os pilotos no Autódromo Internacional de Curitiba, no dia 11 de novembro. Depois de 26 voltas, o resultado do Grande Prêmio Crystal, na pista de Guaporé, foi o seguinte:


1º) Leandro Totti (PR/Mercedes-Benz), ABF Racing Team, 1h01min24s023
2º) Régis Boessio (RS/Mercedes-Benz), ABF Desenvolvimento Team, a 1s773
3º) Felipe Giaffone (SP/MAN-Volkswagen), RM Competições, a 2s199
4º) Wellington Cirino (PR/Mercedes-Benz), ABF/Mercedes-Benz, a 2s445
5º) Roberval Andrade (SP/Scania), Ticket Car Corinthians Motorsport, a 2s826
6º) Geraldo Piquet (DF/Mercedes-Benz), ABF/Mercedes-Benz, a 6s161
7º) Adalberto Jardim (SP/MAN-Volkswagen), AJ5 Competições, a 6s975
8º) Paulo Salustiano (SP/Volvo), ABF/Volvo, a 8s720
9º) Renato Martins (SP/MAN-Volkswagen), RM Competições, a 9s098
10º) Pedro Muffato (PR/Scania), Muffatão, a 11s736
11º) Luiz Lopes (SP/Mercedes-Benz), ABF Racing Team, a 13s172
12º) Luiz Pucci (ARG/Volvo), ABF/Volvo, a 13s820
13º) Pedro Gomes (SP/Ford), 72 Sports, a 17s278
14º) João Ometto Neto (SP/Iveco), Marinelli Competições, a 26s814
15º) Beto Monteiro (PE/Iveco), Scuderia Iveco, a 4 voltas
16º) André Marques (SP/MAN-Volkswagen), RM Competições, a 5 voltas

Não completaram

Débora Rodrigues (SP/MAN-Volkswagen), RM Competições, a 11 voltas
Valmir Benavides (SP/Iveco), Scuderia Iveco, a 18 voltas
Djalma Fogaça (SP/Ford), 72 Sports, a 19 voltas
Danilo Dirani (SP/Ford), 72 Sports, a 19 voltas
João Marcos Maistro (PR/Volvo), Clay Truck Racing, a 22 voltas
Melhor volta: Andrade, na 24ª, 1min27s561, média de 126,631

Classificação

A classificação do campeonato: 1º) Totti, 158 pontos; 2º) Giaffone, 119; 3º) Monteiro, 106; 4º) Cirino, 82; 5º) Marques, 81; 6º) Salustiano, 77; 7º) Andrade, 76; 8º) Boessio, 64; 9º) Jardim, 47; 10º) Piquet, 46; 11º) Benavides, 44; 12º) Marinelli, 39; 13º) Martins, 37; 14º) L. Reis, 33; 15º) Rodrigues, 32; 16º) Maistro, 30; 17º) Lopes, 22; 18º) Bueno, 21; 19º) Pucci, 20; 20º) Muffato, 12; 21º) J. Reis, 11; 22º) Dirani, 9; 23º) Fittipaldi e Gomes, 7; 25º) Ometto Neto, 1.

Na competição entre as Marcas, em que são considerados os pontos dos três melhores pilotos de cada montadora, a Mercedes-Benz assumiu a liderança do Brasileiro de Fórmula Truck com 300 pontos. A MAN-Volkswagen, e líder até então, passou a ocupar a vice-liderança, com 274. A Iveco manteve o terceiro lugar, com 170. A Volvo, ainda quarta colocada, tem 148. A Scania foi a 115 e a Ford passa a somar 16.

Fonte: Fórmula Truck

F-Truck: Totti vence em Londrina

O Campeonato Brasileiro de Fórmula Truck tem novo líder. Leandro Totti conquistou neste domingo (5) sua terceira vitória consecutiva e assumiu a primeira posição na tabela de pontos. O paranaense da ABF Racing Team saiu favorecido pelo resultado da sexta etapa, disputada no Autódromo de Cascavel Zilmar Beux, onde o até então líder Beto Monteiro, piloto da Scuderia Iveco, largou da pole-position e abandonou a disputa ainda no início.

Totti, que abriu a temporada de 2012 contabilizando quatro vitórias na carreira, chega a sete – neste ano, ele venceu também as etapas de Goiânia, em junho, e de Interlagos, no mês passado. “Estou muito feliz, feliz demais. É a terceira seguida, e agora tenho chance de ser campeão. Eu disse no início do ano que não fazia questão de vencer corridas, mas queria o título. As vitórias já estão acontecendo, o título também pode vir”, declarou.

A Mercedes-Benz levou três pilotos ao pódio. Além de Totti, a marca conquistou o terceiro lugar na corrida com o gaúcho Régis Boessio, piloto da ABF Desenvolvimento Team, e o quarto, com o brasiliense Geraldo Piquet, da ABF/Mercedes-Benz. A RM Competições, equipe que utiliza caminhões MAN-Volkswagen, comemorou o segundo lugar, com Felipe Giaffone, e celebrou a volta de Débora Rodrigues ao pódio, em quinto.

Giaffone comemorou o resultado. “Andei muito bem na sexta-feira, só que não fiz a classificação que queria. Posso dizer que esse segundo lugar foi uma colocação muito boa”, resumiu. Débora exultou o caráter festivo do evento que marcou a volta da Truck a Cascavel após cinco anos. “Quero agradecer demais ao público, que me apoiou tanto durante a prova, e dizer que estou feliz demais. Cascavel está de parabéns por essa etapa maravilhosa”, disse.

Boessio dedicou seu segundo pódio consecutivo à equipe. “Todos na equipe trabalharam muito. Foi uma corrida de altos e baixos para mim, o fim de semana inteiro foi assim”, afirmou gaúcho, que havia sido quarto colocado em São Paulo. Piquet lembrou as dificuldades impostas pela etapa cascavelense. “Foi uma corrida difícil, com muitos abandonos. Eu também passei por alguns problemas na classificação. Estar no pódio me deixou satisfeito”, arrematou.

A corrida

Diferente de anos anteriores, a largada do GP Crystal, a partir da curva 1, hoje curva da Vitória, fez com que os 23 pilotos da Truck se aglomerassem na curva do Bacião no Autódromo de Cascavel Zilmar Beux, sem ocorrência de incidentes. Beto Monteiro, pole-position, caiu para o terceiro lugar e abandonou a prova em seguida. Logo na segunda volta, foi Pedro Muffato, representante de Cascavel, quem abandonou, com problemas mecânicos.

Enquanto Wellington Cirino seguia na liderança, Renato Martins tinha de cumprir um drive-thru como punição por excesso de velocidade no ponto da pista onde um radar limita o ritmo a 160 km/h. Roberval Andrade reassumiu a segunda colocação na quarta volta. Leandro Totti, em terceiro, aproximava-se dos líderes. A ultrapassagem sobre Andrade na sexta volta, valendo o segundo lugar, deu-se pela linha externa do Bacião.

Andrade esboçou reação na sétima volta, mas a perda de rendimento do Scania do Corinthians o fez perder contato com a disputa pela liderança da corrida – ele abandonou na décima volta, com o caminhão envolto em fumaça. Ao mesmo tempo, Adalberto Jardim, então em 11º, parava com seu caminhão em chamas – o próprio piloto da RM Competições tentou extinguir o fogo com um extintor de incêndio, até a chegada da equipe de resgate.

A intervenção do Pace Truck na corrida reagrupou o pelotão. Cirino viu sua vantagem de 5s1 sobre Totti ser anulada, mas reagiu bem na relargada e manteve-se à frente até ser superado por Totti na 11ª volta na frenagem para a antiga curva Um, agora Curva da Vitória. O piloto da ABF Racing Team abriu vantagem gradativamente até a 18ª volta, quando Cirino parou nos boxes com problemas em seu caminhão e abandonou a corrida.

O fogo voltou à cena na 24ª volta da prova, desta vez no caminhão de João Marcos Maistro, que ocupava a décima posição. Duas voltas depois, foi Paulo Salustiano quem abandonou, depois de uma batida no muro que motivou a volta do Pace Truck à pista. Dada a nova relargada, Régis Boessio assumiu o segundo lugar ultrapassando Felipe Giaffone, que retomou sua posição após duas voltas para mantê-la até a bandeirada final.

A três voltas do fim, Valmir Benavides defendia a quinta posição e seu lugar no pódio quando saiu da pista. Débora Rodrigues superou Fred Marinelli a poucos minutos do fim e assegurou sua volta ao pódio da Truck, em quinto lugar. Totti venceu com mais de quatro segundos de vantagem sobre Giaffone, com Boessio em terceiro e Piquet em quarto. A próxima etapa, no dia 9 de setembro, será na pista argentina de Cordoba.

Fonte: Fórmula Truck