Conheça os sintomas de um motor “cansado”

09756-001Motoristas profissionais e amadores devem ficar atentos aos primeiros sinais indicativos que o motor do caminhão ou do automóvel está no final de sua carreira. Circular com o veículo em condições inadequadas pode causar grande prejuízo ao bolso dos consumidores.

Perda de potência, ruídos e fumaça podem ser indícios que o caminhão está com o motor “cansado”. “Um dos principais sinais de desgaste é a perda de potência. Já a fumaça pode ser proveniente da injeção eletrônica, mas a fumaça mais escura saindo do escapamento pode ser desgaste de anéis”, afirma José Arnaldo Laguna, presidente do Conselho Nacional de Retíficas (Conarem). Indicativos, que segundo Laguna, são facilmente observados pelos profissionais que vivem dentro da boleia do caminhão, já tão acostumados com a performance do veículo. No caso dos motoristas de automóveis que, geralmente, não têm tanta experiência, é mais dificultoso identificar a deterioração do motor. “Já vi automóveis circulando nas ruas com um barulho considerável e o motorista insistindo em guiar nestas condições”, comenta o presidente da entidade, alertando: “Às vezes, acaba fundindo o motor do carro e o prejuízo é grande”.

Ruídos na motorização indicam que o veículo está com algum problema. “Pode estar “batendo o pino”, como diria nossos pais. E isto é muito sério porque começa a “castanhar”, o que eleva a temperatura no cilindro e fura a cabeça do pistão”.

A recomendação é ao ouvir um ruído parar imediatamente o veículo e consultar um profissional. Rodar com o automóvel ou caminhão nestas condições pode danificar ainda mais o motor.

A escolha da retífica é uma questão importante para garantir um serviço de qualidade. “Retificar é um processo de usinagem de alta precisão nas peças internas do motor. Portanto, é fundamental selecionar a empresa que executará o serviço já que deverá ter equipamentos apropriados para cada operação e instrumentos de precisão com medição aferida periodicamente em laboratórios especializados”, ressalta Laguna.

O Conarem elaborou um processo de auditoria onde se faz um levantamento da organização, estrutura, qualidade do pessoal, principalmente, dos processos produtivos da retífica, que deve se basear na norma NBR 13032 da ABNT. “Aconselho os consumidores a ler a norma e verificar se a empresa tem estes requisitos para executar o serviço”, diz Laguna. No site do Conarem (www.conarem.com.br), há retíficas credenciadas à rede nacional, que garante atendimento em todo o País. “Em qualquer região que apresentar anormalidade no motor, imediatamente poderá ser atendido por um associado da rede”, finaliza.

Fonte: Divulgação

Qualidade do combustível interfere na vida útil do motor

Alguns cuidados diários podem preservar o motor do caminhão e evitar prejuízos no bolso do caminhoneiro ou do transportador. A atenção diária com combustível é fundamental não só para evitar gastos desnecessários com manutenção corretiva, mas também para garantir o desempenho do caminhão. “O caminhoneiro deve ter muito cuidado ao abastecer o veículo porque o combustível adulterado com algum tipo de solvente ou água pode afetar o sistema de injeção do motor, que, consequentemente, perderá rendimento e até poderá parar de funcionar”, afirma Ricardo Nonis – Retífica ABC, Santo André-SP é diretor do Conselho Nacional de Retíficas de Motores (Conarem). Ao fazer a reparação do sistema de injeção, ele recomenda verificar se o diesel contaminado danificou peças como: injetores e bicos eletrônicos.

O nível de água também deve ser verificado diariamente. “O caminhoneiro deve abrir o compartimento do motor e observar se há vazamentos em mangueiras ou radiador”, comenta. Ele recomenda precaução com a tampa do radiador que é uma válvula para manter o sistema de pressão no interior do radiador. Nível de óleo e vazamentos no motor devem ser examinados, bem como o estado de mangueiras, filtro de ar, de óleo e combustível. “Se houver um furinho e entrar poeira ou abrasivos perde-se o motor”, enfatiza o diretor da entidade. A troca do filtro deve ser cuidadosa, pois o elemento filtrante instalado deve vedar a caixa de filtro para não ter fuga de ar e passagem de poeira.

O caminhoneiro deve ficar de olho no painel, acompanhando a temperatura do motor e a pressão do óleo. “O óleo é fundamental. É o sangue do motor”, afirma.

Para Nonis, o controle diário previne problemas no veículo. Mas, caso o veículo necessite de reparos, a recomendação é levar a um mecânico de confiança. “O mecânico é como médico de família. Quando o motorista não tem o mecânico de confiança pode, é possível encontrar retíficas ou oficinas nos sites das entidades – Conarem (www.conarem.com.br) ou Sindirepa (www.sindirepa-sp.org.br)”, finaliza o diretor do Conarem.

Fonte: Portal Segs

Saiba como prolongar a vida útil do motor do caminhão

Nos últimos dois anos, a venda de caminhões no mercado interno aumentou consideravelmente. Em 2010, o crescimento foi de mais de 40% e em 2011 quase 10%, totalizando 157,4 mil e 172,6 mil unidades comercializadas, respectivamente. No entanto, apesar das estradas terem ganhado volume expressivo de caminhões novos, a frota circulante de caminhões no Brasil, que segundo o Sindipeças, somava quase 1,5 milhão em 2010, ainda é uma das mais antigas do mundo, com idade média de 9 anos e 10 meses. Mas, com alguns cuidados, o ano e a alta quilometragem não representam, necessariamente, inquietação com a possibilidade de retífica de motor. Simples hábitos podem prolongar a durabilidade dos motores. “Um dos fatores principais para garantir a vida útil do motor é fazer a manutenção preventiva do caminhão”, afirma Ivo Rückert, vice-presidente do Conarem – Conselho Nacional de Retíficas de Motores.

Segundo ele, a troca de óleo, item importante ao fazer a manutenção do caminhão, deve ser feita de acordo com a recomendação do fabricante. Quando o motorista deixa de fazer as trocas necessárias do filtro de ar, filtro de lubrificante diesel, bem como não verifica a temperatura do motor, corre o risco de comprometer o funcionamento do motor e diminuir a sua vida útil. “Se o motor trabalha muito quente ou muito frio provoca desgaste prematuro”, comenta o vice-presidente da entidade, acrescentando que o combustível adulterado também é um fator preponderante para o desgaste do motor.

Rückert alerta para os principais sinais de desgaste de motor que o caminhoneiro deve ficar atento: consumo elevado de óleo, perda da potência, excesso de fumaça e ruídos estranhos. “Caso seja necessária retificar o motor, é preciso muita atenção já que os motores estão cada vez mais modernos e complexos. Há retíficas, credenciadas ao Conarem, em todo o Brasil, habilitadas a recuperarem o motor de acordo com as normas da ABNT”, adverte o vice-presidente. Outra vantagem de efetuar esse serviço no motor nas retíficas credenciadas à entidade é a garantia em todo o território nacional. “Se a retífica é feita no Rio Grande do Sul e acontece alguma pane no Pará, o caminhoneiro será atendido por outro associado com total credibilidade”, enfatiza.

Fonte: Portal Logweb