Iveco vende lote de 40 caminhões para transporte de equipamentos pesados

Iveco Stralis 600S44T 6x2 (3)A Iveco tem reforçado a participação no mercado de veículos extrapesados no estado de São Paulo. Recentemente, foram vendidos 40 caminhões para um único cliente, a Flecha de Prata Logística, com sede em Piracicaba. Atualmente, quase um terço da frota de 312 veículos da empresa é da marca Iveco. Desta vez, o modelo escolhido foi o Stralis Ecoline 6X2 600S44T.

A Flecha de Prata tem 19 filiais em todo Brasil e atua, principalmente, no transporte de máquinas agrícolas, de construção civil e equipamentos pesados de infraestrutura. Segundo o diretor-presidente da Flecha de Prata, Luiz Antônio Ferrazza, esse tipo de transporte necessita de caminhões mais robustos, que ofereçam economia de combustível e conforto ao motorista durante a operação.

São Paulo é o principal mercado da Iveco no Brasil, representando 35% dos emplacamentos. Para o vice-presidente da fabricante para a América Latina, Marco Borba, “o investimento em um portfólio de produtos que atendam vários segmentos, dos veículos leves a extrapesados, faz com que a Iveco esteja presente nos mais diversos ramos da economia, das entregas urbanas ao transporte rodoviário de cargas”. Em 15 anos de atividade no Brasil, a montadora já ultrapassou a marca de 300 mil veículos produzidos em seu complexo industrial de Sete Lagoas (MG).

Fonte: Iveco

Iveco fecha venda de 46 Stralis para a Prlog

stralisA Iveco concretizou a venda de 46 Stralis Ecoline 6×2 400 cv para a Prlog Logística e Transporte, de Campo Largo, no Paraná, estado que representa cerca de 10% das vendas da fabricante no Brasil. Entre os clientes da transportadora, está a Aurora Alimentos e a CNH Industrial.

O caminhão escolhido proporciona baixo custo de operação e manutenção para a transportadora, com quatro anos de garantia, e oferece total segurança para o motorista com freio motor de 415 cv e freio auxiliar Intarder com 978 cv, entre os mais potentes da categoria. A linha Stralis tem duas opções de motor, 9 e 13 litros, nas versões 360, 400, 440 e 480 cv.

“O Stralis é um estradeiro robusto, potente e confiável, ideal para o transporte de longas distâncias, também oferecendo para isso uma das cabines mais confortáveis do mercado”, afirma Alcides Cavalcanti, diretor Comercial da Iveco.

O executivo destaca ainda que a parceria da Iveco com a Prlog tem se consolidado cada vez mais. “Atualmente, 94% da frota da empresa é formada por nossos produtos, 130 caminhões”.

Fonte: Iveco

Iveco fornecerá 600 caminhões para transportadora francesa

IvecoA Iveco assinou um contrato com o grupo de transporte e logística francesa Mauffrey, para o fornecimento de 600 caminhões Stralis Euro 6. O pedido recorde, que terá sua produção realizada durante o ano na planta de Madri, Espanha, inclui modelos do Hi-Way (para longas distâncias) e Hi-Road (para o transporte regional).

Eles são equipados com o motor Cursor 11 Euro 6, de 460 cavalos de potência. Os veículos possuem também a exclusiva tecnologia Hi-eSCR, que não precisa de recirculação dos gases de escape (EGR) para atender às novas normas de emissões europeias. Assim, a configuração do motor aumenta a confiabilidade e permite alcançar uma redução significativa nos custos operacionais totais.

O grupo francês já havia adquirido, no ano passado, 276 unidades do Stralis Euro 5 EEV. “Desde janeiro 2013 nossos motoristas comentam sobre a alta qualidade e conforto do interior dos modelos Hi-Way. Na hora da renovação da nossa frota, não tivemos dúvidas em optar por mais modelos da Iveco”, disse o gerente geral do grupo Mauffrey, Jean-Luc Mauffrey.

Fonte: Iveco

RTE Rodonaves inova com Iveco Hi-Way

iveco_hi_wayUma bicicleta e vontade de fazer acontecer: foi simples assim o início da trajetória de João Naves, proprietário da RTE Rodonaves, uma das maiores transportadoras do Brasil. De lá para cá se vão pouco mais de três décadas de atividades, sempre com crescimento sólido à revelia da situação econômica do País, ao que o empresário emenda: “Nosso objetivo é oferecer soluções em cargas fracionadas, dedicadas e encomendas expressas, gerando condições de crescimento em conjunto com os nossos clientes e parceiros.”

Para isso, a RTE Rodonaves investiu em treinamento de pessoas, capazes de traduzir essa preocupação em atender o cliente, estrutura e, especialmente, em uma frota diversificada, pronta para cumprir com os compromissos assumidos com o cliente. Hoje, a frota da RTE Rodonaves é uma vitrine do bom desempenho da empresa: são 550 veículos automotores próprios, de todos os segmentos, desde os semileves até os extrapesados, 260 implementos (Carretas), além de 700 agregados, prestadores de serviços principalmente de coleta e entrega dentro dos centros urbanos.

A parceria de quase 5 anos com a Iveco transparece nos mais de 50% de presença da marca na frota RTE Rodonaves. A mais recente aquisição foi de um lote de 80 caminhões fechado na Agrishow, importante feira agrícola realizada em maio na cidade-sede da RTE Rodonaves, Ribeirão Preto, SP. Dentre as novidades há veículos de variados portes: Vertis HD 90V18, Tector 6×2, Stralis 6×2 e mais da metade do pacote, 45 unidades, do modelo Iveco Stralis, de 360 e 400 cavalos de potência.

A negociação teve início em outubro de 2013, por ocasião do lançamento oficial do Iveco Hi-Way, na Fenatran, Salão Internacional do Transporte, quando João Naves se encantou pelo caminhão premium da marca, e comprou dois chassis. “Além de bonito, traz muita tecnologia embarcada e conforto como de um automóvel. O conjunto motor é excelente, supera todas as expectativas na estrada, e os motoristas adoram!”

São os únicos cavalos mecânicos da frota da RTE Rodonaves em outra cor que não o tradicional azul e branco da empresa. Os dois Hi-Way são laranjas e seus baús receberam adesivação especial em celebração à Copa. “Eles chamam a atenção por onde passam, e mostram a busca constante por evolução e inovação da RTE Rodonaves, especialmente por estarem utilizando carretas de quatro eixos, distribuídos sobre dois baús, configuração popularmente conhecida como bitrenzão.”

Para João Naves, que faz uso frequente da rede de concessionárias Iveco por todo o País, o quesito custo-benefício é igualmente imprescindível nesta avaliação. “O consumo destes veículos tem se mostrado muito bom, mesmo com a baixa quilometragem ainda alcançada.”

Dos pedais aos eixos

Fundada em 1980 em Ribeirão Preto, interior de São Paulo, a RTE Rodonaves começou com apenas um Box na rodoviária da cidade. Suas primeiras entregas eram feitas sobre uma bicicleta de carga conduzida pelo próprio João Naves. O espírito empreendedor de João Naves foi determinante para que o pequeno negócio se transformasse em um importante conglomerado de transportes, com operações especializadas em cargas fracionadas e pequenas encomendas, com uma frota diversificada e com ampla cobertura, de veículos semileves a extrapesados.

Com uma média de crescimento das operações pairando entre os 13% e 16% nos últimos cinco anos, Naves se mantém leal aos clientes mais antigos e também preocupa-se em oferecer solução aos novos clientes. “Os serviços com cargas dedicadas surgiram por uma necessidade do mercado, dos nossos próprios clientes, e por isso responde por apenas 5% de nossa matriz de negócios. Mas têm um valor enorme para o relacionamento.”

A RTE Rodonaves tem uma estrutura bastante descentralizada, justamente visando a melhor qualidade e a disponibilidade de atendimento. São 12 filiais, 12 Centros de Transferência de Cargas (CTCs) e 153 unidades de negócios espalhadas pelo País, com atuação nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Goiás, Mato Grosso do Sul, além do Distrito Federal, atendendo mais de 2 mil cidades cobertas por seus serviços.

Fonte: Iveco

Iveco mostra soluções para distribuição na Femetran 2014

Iveco Hi-Way 560A Iveco participará com o que há de melhor em transporte para distribuição na edição 2014 da Femetran, Feira de Transporte e Logística da Ceagesp, o maior entreposto de alimentos da América Latina. O evento acontece de 20 a 23 de maio na Avenida Doutor Gastão Vidigal, 1.946, na Vila Leopoldina, em São Paulo (SP). “A Femetran é o principal evento do setor de hortifrutícolas. Esse mercado requer veículos comerciais de todos os portes, dos comerciais leves aos extrapesados. A Iveco tem veículos e serviços de primeira linha para atender todos segmentos”, aponta Alcides Cavalcanti, diretor comercial da Iveco.

Comprovando o que diz Cavalcanti, a marca apresentará quatro de suas soluções na feira: o campeão de vendas Iveco Daily 35S14, na categoria dos leves; o Iveco Vertis 90v18, para o mercado dos comerciais médios; o semipesado Iveco Tector 240E28S Stradale, e o Iveco Hi-Way, extrapesado premium eleito International Truck of the Year 2013, na feira internacional de Hannover, na Alemanha. Destaque ainda para a instalação de uma “máquina do soco”, com o slogan: Se és potente e forte como um Iveco, ganha prêmios. O objetivo da ação é promover interação com o público presente.

Durante a feira, o Daily 35S14 terá condições especiais de venda, como a possibilidade de financiamento por meio do Cartão BNDES, instrumento de crédito aos investimentos das micro, pequenas e médias empresas gerenciado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, e via programa Mais Alimentos, que financia investimentos para a modernização da propriedade rural familiar. O Vertis 90v18 também poderá ser adquirido por meio do Mais Alimentos.

Portfólio completo

Iveco Daily 35S14

O sucesso de público e crítica desse veículo tem sólidas explicações. Uma das delas é que a linha Daily começa na faixa das 3,5 toneladas, também com opções nas categorias de 4,5, 5,5 e 7 toneladas. O modelo 35S14 funciona perfeitamente como VUC (Veículo Urbano de Carga) e é capaz de circular dentro de zonas de restrição nos grandes centros urbanos a qualquer hora do dia, o que facilita as operações dos clientes que trabalham no varejo e dependem de uma distribuição eficaz.

O Daily 35S14 recebeu uma reformulação completa com a chegada da Geração Ecoline em 2012. Ágil, econômico e prático, o veículo tem uma plataforma de carga baixa em relação ao solo (a altura é de 715 mm), o que facilita as operações de carga e descarga. Disponível em duas versões (chassi-cabine e cabine dupla), o Daily também chama atenção pelo seu interior confortável, elegante e ergonômico, pois o câmbio é acoplado ao painel, próximo ao volante. O motor do 35S14 é o FPT F1C Dual Stage, com tecnologia EGR (que dispensa o uso do Arla), e 147 cavalos de potência e 350 Nm de torque. A transmissão é ZF, e tem tecnologia mecânica com 6 marchas. O atual conjunto motor-transmissão é até 9% mais econômico que a geração anterior.

Iveco Vertis HD 90V18

Caminhão médio lançado no início de 2013 com motorização Euro 5 de 177 cavalos de potência. O motor está mais potente em relação à versão Euro 3, pois seu torque aumentou em 7,6%. A alta disponibilidade de torque em baixas rotações gera maior prazer em dirigir, evitando constantes trocas de marcha e contribuindo também para um uso econômico de diesel. Na adaptação para a tecnologia Euro V, o motor NEF 4 da FPT Industrial ganhou redução de até 5,5% no consumo de combustível em relação à versão Euro III. Seu chassi possui estrutura reforçada e diferenciada, diretamente inspirada no semipesado Iveco Tector.

Além de forte, o Vertis é versátil, e possui bitolas conforme padrão de mercado, possibilitando qualquer tipo de implemento – uma característica importante para o público frequentador da Femetran, que pode optar por baús de alumínio e refrigerados, além das tradicionais carrocerias de carga seca. Sua capacidade de carga chega a 6,1 toneladas.

Iveco Tector 240E28S Stradale

Caminhão semipesado conta com o motor NEF 6 Euro V da FPT. Além de atender aos novos limites de emissões do Proconve P7 da legislação brasileira, o motor ainda traz inovações que proporcionam 5% de redução no consumo de combustível e o melhor desempenho nas duas versões com potências máximas de 218cv e 280cv. A maior inovação trazida pela Iveco é a opção com cabine de teto alto, o grande diferencial do segmento, que confere ao novo Tector a mais completa gama de cabines. Computador de bordo, que gerencia os aspectos técnicos do caminhão, coluna de direção regulável, banco do motorista com suspensão pneumática e uma nova suspensão da cabine, com molas helicoidais e amortecedores telescópicos nos quatro cantos, que garante conforto e qualidade de vida a bordo do caminhão.

Com nova cabine, ainda mais ampla, interior modificado com novos revestimentos, espelhos elétricos e comandos práticos e de fácil acesso, novo painel, motor mais econômico e três opções de câmbio, o novo IvecoTector é o mais moderno caminhão semipesado do mercado latino-americano. Um caminhão fabricado no Brasil, e que incorpora a tecnologia que faz da Iveco uma das maiores montadoras de caminhões do mundo. Um sucesso global com soluções locais.

Iveco Hi Way

Caminhão mais completo de série da categoria, o Hi-Way fez sua estreia no segmento dos extrapesados premium no país em agosto de 2013. Um dos seus grandes diferenciais é a garantia estendida exclusiva de quatro anos — um ano para o veículo completo e mais três anos para o trem de força — a maior do mercado. Estradeiro por natureza, o caminhão foi projetado para percorrer, em média, 10 mil km por mês. O veículo apresenta três faixas de potência: 440, 480 e o novo 560 cv, e está disponível em três versões de tração (4 x 2, 6 x 2 e 6 x4) e três entre-eixos: 3.500, 3.200 e 3.000.

Com tecnologia avançada, o Iveco Hi-Way oferece, de série, o Frota Fácil, uma ferramenta eficaz de gestão com acesso aos dados completos de telemetria do caminhão, performance, dados de viagem e as informações sobre sua condução.

Fonte: Iveco

Renegados pelo mercado, barganhas ou não! [Melhores a se comprar]

Cópia de Eduardo Oliveira - Itapecerica da Serra-SP -Continuando a série de textos falando sobre melhores caminhões a se comprar, hoje vamos falar de caminhões diferentes. Das barganhas do mercado de caminhões pesados, aqueles caminhões que não tem uma procura muito grande, comercio fraco, seja por conta da sua marca que não tem tanto respaldo, um motor que não foi aprovado pelos clientes, entre outros detalhes.

Iveco Stralis:

bagatela!

bagatela!

Logo quando foi lançado o programa Pró caminhoneiro pelo governo federal o caminhão que eu me lembro que mais vendeu nos primeiros meses foi o Iveco Stralis, com seu novo modelo, todo redondo e moderno. Vendeu por ser um caminhão com um preço bem a baixo que os outros na época, e porque as propostas das revendedoras eram as melhores. Porém o tempo passa e os pesares vão aparecendo, o Stralis ganhou fama de beberrão e problemático depois dos primeiros 2 anos de uso. Com isso e mais alguns defeitinhos esse caminhão foi perdendo seu valor, hoje pode-se encontrar exemplares até 2010 por menos de 150 mil reais. Barganha? Será?

VW com 5° roda.

mais barato que muito 112H por ai!

mais barato que muito 112H por ai!

O bob esponja com quinta roda, ou o “quinem” eram a saída pra muitos caminhoneiros que não tinham grande potencial de aquisição até o ano de 2007. Depois disso ficou fácil comprar caminhão, então esses primeiro modelos como o Titan são encontrados a troco de pamonha (mentira) em estacionamentos, principalmente na grande são Paulo onde existe grande fluxo e baús. Então se você precisa de um caminhão barato, e tem paciência, não para  procurar, para subir serra mesmo, ta ai uma barganha!

Axor 2040 e 2044 de 2006 a 2008.

mula

mula

Existem certos detalhes que “matam” certos caminhões no mercado, o Axor tinha tudo pra ser um caminhão de meter medo na concorrência, mas não foi bem assim, um mero detalhe chamado “entre eixos” que afeta toda a estrutura e conforto do caminhão foi um dos responsáveis (além do alto consumo de combustível) pela baixa expressividade desses caminhões no mercado dessa época. Tanto que seu conforto, ou falta dele, lhe fizeram herdar o apelido do seu “pai” 1935 de Mula. A MB se não me engano sanou o erro, mas ainda esses caminhões não são tão bem aceitos no mercado até hoje.

Scania 440 e 470 (os Turbocoumpound)

anuncio scania

Em 2007 junto com o lançamento das novas linhas P,G e R a scania lançou 2 motores na época que continham uma tecnologia até então pouco vista nos caminhões, um sistema com 2 turbinas que reaproveitava os gazes saídos da câmara de combustão para girar o volante do motor (algo bem mais complexo, mas resumindo é isso) que gerava mais potencia. Lembro até hoje qual foi a palavra que o sujeito que estava la apresentando me disse “Esse sistema é o novo intercooler”. Querendo dizer que ele ia revolucionar o mercado assim como o intercooler revolucionou nos anos 70/80. Bom se fosse, não sei se é por conta deste sistema ou algum arranjo do motor (acredito que não, pois é o mesmo do 420 mas com 2 turbinas) que tornou esse caminhão muito problemático, quando eu digo muito é muito mesmo. Dizem que baixa muito óleo, que não tem pressão (tanto que voce pode acelerar o que for, a fumaça sai de forma amena no cano de descarga, devido a 2° turbina). Modelos de 2007 a 2009 (saiu de linha pq não vendeu) COMPLETOS são encontrados na faixa de 150 MIL REAIS, sim 150 mil por um SCANIA de mais de 420 cv! Barganha? Acho que para um autônomo que cuida do caminhão, com toda certeza!

Toda linha V8 da Scania!

mais barato que muito 113 por ai!

mais barato que muito 113 por ai!

Deixei esse por ultimo porque sei que vão me criticar demais por isso, mas “vêoiteiros” me desculpem (kkkk) V8 da Scania nunca foi um motor bom, manutenção cara, pouco confiáveis, beberrões e por consequência ruins de comércio. Os primeiros 140/141 eram um desastre, baixavam óleo 10% natural e 90% porque evaporava (sera que esquenta o motor?). Existe uma historia que os motoristas de 142 sempre comiam comida quentinha, era só deixar no assoalho do bruto que a comida nunca esfriava. O 143 tinha um cupom de compra em atacado de Diesel porque só assim pra mante os gastos. O 164 é tão raro quanto um elefante branco andando de bicicleta sem rodinhas segurando um guarda chuva com a tromba. Enfim, não adianta vir me falar que V8 é igual a vióla, só toca quem sabe, essas frases de Vêoiteiro que muitos dizem por ai, porque eu sei com fontes confiáveis, de 164 480 pouco rodado (300 mil Km) completo com até optcruise sendo vendido a 180 mil reais. E 9 entre 10 desses “cento e quarenta” tem o emblema de V8 mas o motor é sempre de 113. “Zoeiras” a parte os motores V8 da Scania tem sua fama ruim porque a maioria dos transportadores não se adaptaram bem a ele, fora isso ele é um motor normal, com um torque mais elevado, tirando isso é a mesma coisa. Claro com o “renome” dos Scania V8, não deixa de ser um caminhão de vitrine, que assim como um carro de luxo baixa 30% do seu preço a partir do momento que se passa do portão da loja. Um próprio vendedor da Scania me disse “V8 é muito mais pra se mostrar do que para se ganhar”. Então é um renegado do mercado, se é barganha? Como dizem os Vêoiteiro, se você souber tocar, é bom.

 

E aqui chega ao fim a série “Melhores a se comprar” da coluna Hélio David. E terminando com uma Novidade, o Blog do Caminhoneiro esta preparando uma super surpresa, um portal para guia de compras de caminhões, com todos os modelos vendidos no mercado nacional com ficha técnica e tudo mais. Ai basta você achar seu caminhão, ver se ele esta ou não na série “melhores a se comprar” e correr pro abraço, ou volante!

Muito Obrigado aos leitores que comentaram, mandaram sugestões e dicas para nos.
Até a próxima!
Abraço!

Stralis Natural Power Euro VI: um campeão em sustentabilidade ambiental e lucratividade

Stralis cng 3As primeiras unidades do Stralis Natural Power Euro VI, a nova gama pesada de veículos movidos a gás natural lançados pela Iveco, já foram entregues para os clientes europeus. A Iveco há muito abraçou este desafio, especialmente para missões de transporte em setores como a distribuição, a curta e média distância logística e serviços municipais, como coleta de lixo e transporte.

Através deste desenvolvimento, a Iveco confirma sua liderança no setor de tecnologia de combustíveis alternativos, oferecendo uma gama completa de leves, médios e pesados comerciais, bem como os ônibus movidos a gás natural. Um total de mais de 12.000 unidades foram vendidas até o momento, 2.000 dos quais foram vendidos em 2013.

A extensa gama de produtos para o novo Stralis Natural Power Euro VI com 2 e 3 eixos rígidos e tratores de 2 eixos satisfaz as inúmeras necessidades do cliente Iveco. Os veículos, fabricados na mesma linha de montagem dos modelos a diesel na fábrica da Iveco em Madri, está equipado com um motor Cursor 8 Natural Power, que vão 270 a 330cv. O motor é acoplado a uma transmissão manual ZF de 16 velocidades ou transmissão automática Allison de 6 velocidades, com conversor de torque hidráulico. Os modelos à gás tem uma capacidade total do tanque variando entre 400 a 1.300 litros com layouts que podem ser adaptados para atender às necessidades dos clientes.

Stralis cng 12A Iveco é a única fabricante europeia que confirmou a sua estratégia de tecnologia gás na evolução do Euro V para Euro VI. Este veículo conta com inúmeras vantagens, tanto em termos de sustentabilidade ambiental, bem como a rentabilidade do cliente. Com relação às emissões, motores Euro VI a gás natural são muito mais “verdes” do que suas variantes Euro VI Diesel. O gás natural é um combustível absolutamente limpo graças às suas emissões de partículas (-95% em comparação com o Diesel) e NOx (-35%) sendo reduzidos ao mínimo. Além disso, estes veículos permitem reduzir as emissões de CO2 de veículos a partir de 10% até 100%, se bio-metano é usado. Por último, a Iveco propõe um veículo mais silencioso, com uma redução média de 5 decibéis em comparação com os modelos a diesel, tornando-o perfeito para a coleta de lixo e distribuição à noite.

Em termos de eficiência de custos, a economia global chega em até 10%. Os Preços mais baixos para o gás natural, em comparação com diesel significa maior rentabilidade, traduzindo-se em até 40% na redução de despesas de combustível, o aspecto mais importante relativo ao custo total de transporte.

Fonte: Iveco

Avaliação do Iveco Hi-Way 560

Iveco Stralis Hi-Way 560 (5)Investir em aplicações rodoviárias de longa distância requer visão estratégica. E a Iveco parece ter se baseado nisso na hora de lançar no Brasil a linha Hi-Way. Embora grande parte dos caminhões adquiridos não sejam conduzidos pelos compradores, a preocupação com os motoristas deve ser cada vez maior. Com a redução da jornada de trabalho dos caminhoneiros, agora limitada a nove horas diárias e 35 semanais, aumentou a necessidade de manter uma velocidade média maior, oferecendo mais potência nas subidas e frenagem mais eficiente nas descidas. E é exatamente essa a principal evolução dos novos extra- pesados da fabricante italiana, lançados em agosto de 2013.

Iveco Stralis Hi-Way 560 (7)O Hi-Way é movido sempre pelo motor FPT Cursor 13, com exatos 12.9 litros, e sistema SCR, de redução catalítica seletiva. As calibrações para 440 e 480 cv de potência, já oferecidas na linha Stralis, foram mantidas. Mas criou-se uma configuração mais poderosa para a Hi-Way, de 560 cv, em que o propulsor recebe cabeçote em alumínio, aftercooler e novo sistema para controle de fluxo na turbina. No lugar de aletas de ângulo variável dos TGV tradicionais, o turbo do Cursor 13 tem um anel deslizante que abre e fecha de acordo com a necessidade de entrada de ar na turbina. O torque fica em 214,14 kgfm, 229,44 kgfm e 254,93 kgfm, nas configurações 440, 480 e 560, respectivamente, já disponíveis a 1.900 rpm.

Iveco Stralis Hi-Way 560 (4)O motorista conta com diversas facilidades. O câmbio automatizado tem 16 marchas e todas as informações do painel são controladas a partir do volante. De série, o caminhão ganha controle de cruzeiro, limitador de velocidade e computador de bordo que monitora consumo instantâneo e médio, velocidade média, autonomia, desgaste das lonas de freio, pressão do sistema hidráulico e nível de Arla 32. Um econômetro indica a forma mais eficiente de condução. Segundo a Iveco, melhorias aerodinâmicas reduziram o coeficiente de arrasto em 3% e resultam na economia de combustível de 0,6%.

Iveco Stralis Hi-Way 560 (3)O conforto e a eficiência do Hi-Way 560 são evidentes nos bancos revestidos em couro com descanso de braço, suspensão a ar e ajuste de lombar. Tudo para ampliar o conforto e minimizar os impactos das imperfeições do caminho. A boa impressão sobre as comodidades da cabine vai além. São 2,5 metros de largura por 2,25 m de comprimento. Na versão teto alto, uma pessoa de até 1,90 m de estatura fica em pé sem ter de se curvar. A cama para repouso leva espuma viscoelástica e os dois maleiros têm chaves individuais –, possibilitando o uso concomitante por dois motoristas que dividam a viagem.

Iveco Stralis Hi-Way 560 (6)O percurso – que teve cerca de 150 km – começa em Jundiaí, onde o Demo Driver da Iveco pega o Rodoanel Mário Covas, no sentido Baixada Santista, e roda até o acesso à rodovia Castelo Branco. Na altura do km 53, em Araçariguama, pausa para o almoço. Chama a atenção a competência do climatizador. Mesmo com o motor desligado, ele é capaz de manter o ar refrigerado e umedecido. O passeio segue 90 minutos depois até o acesso à rodovia Senador José Ermírio de Moraes, que liga Sorocaba a Campinas. Depois de pegá-la na altura de Itu, o caminhão passa por municípios como Salto, Indaiatuba e Campinas, até voltar para Jundiaí, na concessionária da Iveco.

Parte da eficiência do Hi-Way vem do preciso conjunto do freio motor com Intarder, acionado por uma alavanca junto ao volante. No total, o caminhão chega a 980 cv de potência de frenagem, que transmitem segurança para descidas mais acentuadas mesmo com uma carga de 57 toneladas no bitrem implementado ao Hi-Way. Ao final, os dados monitorados pelo computador de bordo são coletados através de uma tomada USB pelo sistema Iveco Frota Fácil. Em 148,78 km rodados, o motor ficou ligado por duas horas e 55 minutos, sendo que 25 minutos deles com o caminhão parado. Com uma velocidade média de 59,4 km/h, o consumo computado foi de 1,86 km/litro de diesel com a carga de 57 toneladas. Uma média que coloca o modelo em posição de destaque na briga pelas vendas entre os extra-pesados premium brasileiros.

Fonte: Salão do Carro

Iveco Hi-Way entrega desempenho e eficiência à operação inovadora da Transporte Mann

PG1COM-IVECO HI-WAY. Transportadora MANN-JoinvilleUma operação logística inovadora, que permite a distribuição de mercadorias com agilidade do sul ao nordeste do Brasil, tem sido uma das armas da Transporte Mann para somar eficiência ao escoamento rodoviário de cargas. No centro dessa operação, estão dez extrapesados premium Hi-Way, da Iveco, modelo vencedor da última edição do prêmio International Truck of the Year, na feira internacional de Hannover, na Alemanha. “Nossa solução logística só é possível se feita com caminhões equipados com tecnologia de ponta, robustos e confiáveis, características pelas quais adquirimos os Iveco Hi-Way”, avalia Hilário Hahnemann, proprietário da Transporte Mann.

A solução a que se refere o empresário foi batizada de “Hot City” pela Mann, tradicional no segmento de operações rodoviárias de longas distâncias. O conceito funciona da seguinte forma: os caminhões partem da sede da empresa carregados, seguem até a capital paulista ou a Campinas, cidades nas quais a Mann dispõe de estrutura própria, onde os motoristas podem pernoitar com segurança e tranquilidade. Em uma dessas bases operacionais as carretas são atreladas a outros cavalos-mecânicos, e então são direcionadas a seus destinos finais em praças espalhadas por todo o nordeste brasileiro, região onde estão se concentram as atividades da Mann.

Para otimizar ainda mais a operação – e, deste modo, fechar o ciclo “Hot City” -, quando retornam à base em São Paulo as carretas passam pela operação inversa: são atreladas novamente aos cavalos-mecânicos que as trouxeram, originalmente, de Joinville e seguem viagem até a sede da transportadora. Em ambas as rotas os Hi-Way participam, mas principalmente naquelas partindo de São Paulo e de Campinas.

Com esta operação e tantas outras antes dela a Transportes Mann formou uma base importante de informações que, partilhadas com a engenharia da Iveco, se traduziram em muitas das qualidades hoje atribuídas ao Hi-Way. “Nossos clientes são verdadeiros parceiros da Iveco no desenvolvimento e aprimoramento de nossos produtos. A relação com a Transportes Mann é um ótimo exemplo dessa troca de experiências em busca do melhor em desempenho, conforto, segurança, e devemos muito do sucesso do Hi-Way a isso”, resume Alcides Cavalcanti, diretor de vendas da Iveco.

Operação dirigida

PG1COM-IVECO HI-WAY. Transportadora MANN-JoinvilleAlém da sede em Joinville, SC, a Transporte Mann possui várias unidades no estado onde nasceu, como Blumenau, Brusque, Florianopólis, entre outras. No Paraná, está em Curitiba, e em São Paulo, na capital e em Campinas, às quais designou a condição de uma espécie de hub, ou seja, centrais de onde são distribuídas as cargas para o nordeste do País.

Subindo no mapa, a Mann expõe sua real dimensão, bastante capilarizada na principal região em que atua, os estados do nordeste brasileiro. Viana, ES, é a primeira parada, ainda no sudeste, porta de entrada e parada obrigatória para troca de motorista. Vitória da Conquista, Barreiras, Salvador, Feira de Santana são algumas das cidades da Bahia onde a Mann atua, seguindo daí para todas as capitais do nordeste, passando por Aracaju, Maceió, Recife, João Pessoa, Natal, Fortaleza. No norte do Brasil a Mann também possui algumas unidades, como em Teresina, São Luís, Belém e Imperatriz.

Com tanto chão para rodar, uma rede de concessionárias igualmente extensa se fazia premente. E na Iveco Hilário Hahnemann encontrou uma parceira inconteste: “Praticamente todos os nossos caminhões Iveco são cobertos pelos programas de manutenção preventiva e corretiva da marca, que aderimos há quatro anos, e por isso só usamos serviços das casas Iveco. Temos um atendimento pós-vendas excepcional, ademais de uma parceria comercial de muita troca e confiança”.

Cliente da marca há longa data, Hahnemann vê com muito bons olhos as mudanças feitas nos produtos por sugestão sua bem como de outros clientes. “Todas as alterações e melhorias que propus buscavam uma operação mais rentável, balizada pelas características técnicas do veículo, mas também de conforto e segurança para os nossos motoristas. E a Iveco esteve atenta a estas solicitações desde o início, o que nos dá ainda maior confiança na marca.”

Atualmente a frota da Transporte Mann totaliza 180 caminhões em operação, cerca de 30% deles Iveco, número que o empresário pretende ampliar, tamanha é a satisfação com o desempenho dos Hi-Way. “Temos 60 veículos em configuração rodotrem e bitrem que queremos substituir até o fim do ano, para manter a idade média da frota em dois anos, como temos feito. E, por certo, a Iveco entrará nesta renovação.”

Fonte: Iveco