Montadoras americanas começam a investir em picapes a gás




As montadoras americanas começaram a lançar picapes movidas a gás natural para tentar aproveitar a onda de interesse no combustível como alternativa à gasolina. A Chrysler Group LLC pretende divulgar na terça-feira que produzirá a primeira picape movida a gás para o mercado americano. A montadora promete fabricar, a partir de junho, pelo menos 2.000 versões bicombustível da picape Ram, capazes de rodar com uma combinação de gás natural comprimido e gasolina.

A General Motors Co. deve revelar na segunda-feira que vai oferecer versões bicombustível das picapes Chevy Silverado e GMC Sierra 2500 a partir do quarto trimestre. As picapes serão fabricadas pela GM e repassadas a um fornecedor que vai instalar os tanques de gás natural comprimido.

A Associação Americana do Gás Natural e a Aliança do Gás Natural, também dos Estados Unidos, reuniram-se com várias montadoras em 2009 e as encorajaram a fabricar picapes movidas a gás.

A Chrysler, que passou a ser controlada pela italiana Fiat SpA naquele ano, aceitou o desafio. “Como resultado de nossa parceria com a Fiat, poderemos entrar no mercado mais rapidamente do que se tivéssemos de começar a realizar testes para avaliar o futuro dessa tecnologia de GNC”, disse o diretor da Chrysler Ram, Fred Diaz. A Chrysler venderá picapes Ram 2500 para operadores de frotas ou produtoras de gás natural.

A Apache Corp., produtora de gás natural sediada em Houston, vem há anos sugerindo às montadoras que produzam veículos de gás natural. Desde 2009, a empresa já converteu um quarto de sua frota de 1.000 veículos nos EUA para rodar com gás, e espera chagar aos 80%. O diretor-presidente, Steven Farris, dirige um utilitário esportivo Chevy Avalanche convertido para gás natural.

Mas os 250 veículos a gás natural da empresa foram convertidos em concessionárias, o que aumenta o custo e a complexidade do sistema. A decisão das montadoras de fazer carros movidos a gás natural ajuda a Apache, pois cria uma fonte única de veículos e peças para esses carros. E ela ajuda também a posicionar o gás natural como um combustível para as massas, disse Frank Chapel, diretor de gás natural para transporte na Apache. “Mostra que [as montadoras] acreditam que podem fazer isso e conseguir lucrar”, disse ele.

A Honda Motor Co. oferece uma versão a gás do carro de passeio Civic NG nos EUA desde 1998. Movido apenas a gás, o veículo é distribuído por 200 concessionárias em 36 estados americanos e vendido a partir de US$ 26.200.

A Chrysler informou que sua versão da Ram movida a gás natural pode viajar mais de 400 km com o combustível antes de ter que usar o tanque de gasolina para rodar mais 180 km. As picapes da GM poderão rodar até 1.000 km usando gás natural e gasolina. O maior desafio é o abastecimento. Há menos de 400 postos oferecendo gás natural nos EUA.

O interesse nos veículos a gás natural surge num momento em que o preço da gasolina volta a subir nos EUA e tem aumentado o apoio para substituir o petróleo importado pelo gás natural doméstico nos transportes. Depois de passar anos promovendo os carros elétricos, o presidente Barack Obama indicou uma mudança na posição de seu governo, ao afirmar em seu discurso anual ao Congresso, em janeiro, que o país precisa explorar todas as fontes de energia alternativa.

“Nós temos reservas de gás natural que podem sustentar a América por quase 100 anos”, disse Obama no seu discurso. “Meu governo tomará todas as medidas possíveis para desenvolver com segurança essa energia. Especialistas acreditam que isso vai empregar mais de 600.000 pessoas até o final da década.”

Fonte: The Wall Street Journal




Deixe sua opinião sobre o assunto!