Produção de soja cresce, mas problemas continuam




BR-163. Paragem de caminhoneiros próxima a Rondonópolis (MT). Um sujeito de expressão cansada se aproxima de uma Farmácia Popular. Está à procura de rebite, a droga que cria os “supercaminhoneiros”. O “farmacêutico” aponta para os fundos do estabelecimento.

Ali, um apressado senhor abre a porta. Olha ao redor e diz: “Cinco reais cada”. O caminhoneiro retruca: “Mas é do bom, não é?”. “Sim”, diz o traficante. “Me dê cinco”, pede o caminhoneiro. A reportagem também comprou a droga.

Uma grave epidemia assombra as estradas brasileiras e tem transformado a vida de caminhoneiros e de suas famílias. Quem classifica como epidêmico é o próprio Ministério do Trabalho, na seção de Rondonópolis.

Mas o vício não é causa, é efeito. E tem levado ao flagelo uma legião de escravos da soja, os trabalhadores rodoviários que se impõem jornadas desumanas de trabalho.

Três anos depois de percorrer o principal corredor de exportação de soja do país, voltamos às BRs 163 e 364. Percorremos 2.800 quilômetros, entre o norte do Centro-Oeste e o porto de Santos -principal porta de exportação do país. A redução do número de buracos (embora ainda haja muitos) é uma melhora sutil diante da situação geral.

Estradas não duplicadas, sem acostamento e de sinalização confusa tornam caótico o cotidiano de 12 mil caminhoneiros que trafegam dia e noite transportando a soja, o principal produto do agronegócio do Brasil.

LEIA MAIS  Caminhoneiros iniciam protestos contra o valor abusivo do diesel

Em três anos, a situação mudou pouco. A duplicação do corredor, que em 2006 foi prometida para 2011, deve ficar para 2015. “O atraso dessa obra vai provocar muitos acidentes com vítimas: 30% da safra de grãos do país passa por essas rodovias”, diz Miguel Mendes, diretor da Associação dos Transportadores de Carga de Mato Grosso.

Diante das péssimas condições das estradas e com o avanço da produção, os corredores das BRs 163 e 364 se tornam “armadilhas” para quem é obrigado a percorrer esse trajeto todo dia.

A duplicação do trecho deve consumir R$ 1,5 bilhão e está no Programa de Aceleração do Crescimento. Por enquanto, somente dois trechos estão em obras, mas há atrasos. O Ministério dos Transportes estuda incluir as rodovias na quarta etapa do programa de concessões, mas diz que o assunto é “complexo”.

Em nota, a pasta afirma o seguinte sobre a concessão da BR-163: “São muitos os interesses envolvidos num processo de concessão. O estudo é complexo, detalhado e muito minucioso”.

Enquanto isso, a força agrícola de Mato Grosso avança. Há três anos, o Estado produzia 18,8 milhões de toneladas de soja. Neste ano, a produção deve alcançar 22 milhões. Até 2020, serão 46 milhões de toneladas.

LEIA MAIS  11 estados tem rodovias bloqueadas pelo MST

Nova lei vai tentar frear longas jornadas nas rodovias do país

O Brasil é um país rodoviário, mas, apesar disso, a profissão de caminhoneiro jamais foi regulamentada. Na semana passada, depois de anos de discussão, o Congresso aprovou uma lei que regulamenta essa atividade.

“A lei sozinha não vai resolver nada. É preciso que caminhoneiros e transportadores cumpram o que determina a legislação”, diz Epitácio dos Santos, presidente da Federação dos Trabalhadores do Transporte do Paraná.

A nova regra determina uma jornada de 44 horas semanais para os caminhoneiros e autoriza duas horas extras por dia, o que (considerando o sábado) permite mais 12 horas de trabalho.

O modelo de remuneração por comissão não foi proibido, mas ele não pode impor jornadas excessivas, além daquelas fixadas pela lei.

Os transportadores criticam a lei. Dizem que o novo modelo resultará no aumento do custo do frete, já um problema para regiões do interior do país.

Fonte: Folha




2 comentários em “Produção de soja cresce, mas problemas continuam

  • 20/09/2012 em 22:52
    Permalink

    Empresarios gananciosos cretinos,sindicalistas baba ovo corruptos querem que somente o troucha do peão motorista pague a conta rodando dia e noite ganhando uma mixaria!!!!!!

    Resposta
  • 17/04/2012 em 13:36
    Permalink

    TODO PREJUIZO QUE O CAMINHONEIRO TIVER EM FACE DA PRECARIEDADE DA ESTRADA, TEM DIREITO DE RESSARCIMENTO PELA UNIÃO E ESTADOS.

    OS PREJUIZOS COM ATRASO DIAS OU HORAS ATOLADOS, QUEBRA POR CULPA DE MAL CONSERVAÇÃO DAS ESTRADAS, DINHEIRO PAGO PARA DESATOLAR CAMINHÃO ETC, DEVE SER COBRADO IMEDIATAMENTE, POIS, O DINHEIRO DOS IMPOSTOS SÃO DESVIADOS E NÃO PRESTAM CONTAS À POPULAÇÃO.

    ABRAÇOS A TODA GALERA DA POEIRA, CONTE COMIGO PARA QUALQUER ORIENTAÇÃO.

    SIDNEI GRASSI HONORIO – OAB/SP 76.196 – 19-3641.3013

    Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!

error: Cópia de conteúdo desabilitada !!