Menor produção de caminhões puxa recuo na FBCF

A menor produção de caminhões e ônibus no primeiro trimestre de 2012 puxou o recuo no investimento no período. A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) caiu 1,8% em relação ao quarto trimestre de 2011. Na comparação com o primeiro trimestre de 2011, a queda foi de 2,1%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que divulgou os números nesta sexta-feira. “Como a queda de caminhões foi muito expressiva, foi o que mais puxou (o recuo na FBCF)”, disse Rebeca Palis, gerente da Coordenação de Contas Nacionais do IBGE.

Houve paralisação quase total na produção de caminhões no início de 2012, para adequação dos novos modelos a um motor menos poluente. “(A atividade de) Caminhões teve queda grande e é praticamente todo investimento. Não só a produção caiu, mas a própria venda de caminhões. Porque, com a mudança de motor, como ele ficou mais caro, teve uma antecipação de consumo no final do ano passado. Então, isso afetou negativamente os investimentos”, explicou. Também influenciaram no recuo da FBCF a queda na produção interna de máquinas e equipamentos e de máquinas, aparelhos e materiais elétricos.

LEIA MAIS  Venda de caminhões sobe 40% em 2019

Tanto a taxa de investimento quanto a taxa de poupança bruta recuaram em comparação ao primeiro trimestre de 2011. A primeira saiu de 19,5% no primeiro trimestre de 2011 para 18,7% no mesmo período de 2012. Já a taxa de poupança foi de 17% para 15,7% no mesmo período considerado. A gerente de Contas Nacionais do IBGE atribuiu essa redução à maior renda disponível, que resultou em aumento do consumo das famílias e do governo.

Fonte: Agência Estado