Rodovias têm poucas opções para descanso de caminhoneiros

por Blog do Caminhoneiro

O Conselho Nacional de Trânsito decidiu dar mais tempo para os caminhoneiros de todo o Brasil se adaptarem à nova lei que determina como deve ser o descanso no intervalo das viagens. Até 11 de setembro, a fiscalização vai apenas orientar os motoristas, sem multa. Os repórteres José Roberto Burnier e Marcelo Benincassa mostram qual é a situação numa das principais rodovias federais do Brasil, a que liga São Paulo ao sul do país.

Três meses em vigor e a lei já gerou polêmica. Rodovias bloqueadas pelo Brasil afora prejudicando muita gente que nada tinha a ver com o assunto. A regulamentação estabelece uma pausa de 30 minutos a cada quatro horas de viagem e 11 horas de descanso por dia.

Caminhoneiros que ganham por entrega não concordam.

“Aumenta óleo diesel, aumenta pedágio e diminui carga horária. Você vai rodar menos, você vai faturar menos. Mas você tem suas contas pra pagar, prestação do caminhão, seguro, pneu, manutenção”, avalia o caminhoneiro Alexandre Demarchi.

“Eu ganho por viagem, comissão. Se eu andar, eu ganho; se eu não andar, eu não ganho”, afirma o caminhoneiro Denilson Oliveira.

De passagem pelo Brasil, caminhoneiros chilenos nos contaram que lá a lei está em vigor há dois anos.
“A lei é boa. Trabalhamos cinco horas, paramos duas e trabalhamos mais cinco. Aí descansamos por oito horas”, conta um deles. “Nós nos adaptamos. Com a lei ficou melhor porque a gente pode descansar”.

Um posto de gasolina na beira da Régis Bittencourt, rodovia federal que liga São Paulo a Curitiba, tem um pátio de 30 mil metros quadrados que comporta até 200 caminhões. Também tem restaurante, banheiro com chuveiro e até um pequeno hotel. E uma das reclamações dos caminhoneiros é que nas estradas pelo Brasil afora há poucos locais como esse, com uma infraestrutura suficiente e segura para que o caminhoneiro possa descansar. Mesmo quando há postos, é preciso achar vaga e ainda virar cliente.

“Se ele quiser pagar para dormir aqui no pátio ele não pode. Nós não recebemos, não cobramos por dormida, ele tem que consumir no posto”, explica o Daniel de Almeida, gerente do posto.

“Do Piauí até aqui não tem onde parar, não tem. Pode ir até o Rio Grande do Sul, não tem onde parar”, diz o caminhoneiro Gilmar Strenske.

A equipe de reportagem pegou carona com um caminhoneiro em um trecho do percurso para conferir as condições para os caminhoneiros pararem.

Na próxima quarta-feira, um grupo criado pelo Ministério do Trabalho vai se reunir com representantes dos caminhoneiros para analisar todos os pontos da lei que regulamenta a jornada de trabalho. O grupo tem 30 dias para apresentar uma nova proposta.

Vídeo:

Caminhoneiros e empresários nos EUA reclamam das regras do setor

Nos Estados Unidos, as regras para os caminhoneiros mudaram há cinco meses. Mas tanto motoristas como empresários reclamam. Veja na reportagem do novo correspondente da TV Globo em Nova York, Júlio Mosquéra.

A malha rodoviária dos Estados Unidos é extensa e de qualidade. Lá há três milhões de caminhoneiros, responsáveis pelo transporte de quase 70% da carga que circulou pelo país no ano passado. Em fevereiro, entraram em vigor novas regras para o setor. O governo federal passou a exigir que eles descansem por meia hora, a cada turno de oito horas de trabalho.

A nova lei também reduziu de 82 horas para 70 horas a carga máxima de trabalho ao longo de uma semana. Cumprido esse período, o caminhoneiro só pode voltar ao volante depois de descansar por ao menos 34 horas.

As mudanças causaram insatisfação. A Associação Americana de Transporte de Carga acionou a Justiça. Afirma que a nova lei vai custar bilhões de dólares e colocar em risco a recuperação econômica do país.

Em uma entrevista feita pela internet, Davi Osiecki, vice-presidente da associação, diz que as empresas vão acabar repassando esse custo para o consumidor.

As entidades que defendem um trânsito mais seguro também entraram com um processo. Querem uma lei mais rígida, que reduza de 11 para dez horas o turno diário máximo de trabalho do caminhoneiro. Eles, que ganham de acordo com a distância percorrida, temem que a nova lei diminua muito o faturamento.

Ao longo das principais estradas dos Estados Unidos é comum encontrar lugares que dão as boas-vindas aos motoristas profissionais. Os caminhoneiros têm onde estacionar com segurança, tomar um banho, comer alguma coisa e até onde lavar a roupa.

Se o caminhoneiro comprar ao menos 190 litros de combustível ou gastar US$ 20 nas lojas, o banho, o uso das máquinas de lavar roupa e o estacionamento saem de graça. Os motoristas também podem usar estacionamentos públicos, que são seguros e oferecem banheiros. Mas os caminhoneiros dizem que nem sempre há vagas disponíveis.

Vídeo:

Fonte: Jornal Nacional

COMENTAR

QUER ENTRAR EM CONTATO COM O BLOG DO CAMINHONEIRO? ENVIE UMA MENSAGEM CLICANDO NO NÚMERO ABAIXO

042-98800-6519

Artigos relacionados

7 comentários

marco a. silva 18/04/2013 - 14:43

sergio , vai mudar sua vida com a lei, ou vc vai fica mesmo tempo fora de casa ou ate mais , concordo que ta certo , as empresas judia muito, mas quem é comissionado , e quem tem um caminhao que comprou com muito sacrificio, para reflete sua ideia e fala por vc.

Reply
Nardocoe 27/02/2013 - 10:56

Parabéns SERGIO.. concordo plenamente com todas suas afirmações acima.

Reply
Arnaldo Sales Bispo 14/09/2012 - 22:01

Estou convocando a nossa categoria de carreteiro autônomo para marcar-mos uma paralisação geral em protesto contra esta lei absurda da multa e no tempo de direção.sei que se o nosso brasil.tivesse estrutura para abrigar nos.em locais seguro para nosso descansos isto seria de muita inportânçia.pois deixaríamos de ser escravo das transportadoras. só que transportamos em torno de 7 por cento do nosso PIB.mais tudo que o brasil veste come bebe usa se medica se diverte tem prazeres do absorvente as roupas das madame aos fraque dos burgueses e cade o nosso respeito
Greve geral neles já

Reply
Arnaldo Sales Bispo 14/09/2012 - 21:52

Gostaria de avisar aos companheiros da estrada que evitem o posto novo rio na BR-381 rodovia Fernão dias pois o proprietário do referido posta cobra um agia de R$-.o6 (seis centavos)por litro de diesel mesmo com o pagamento efetuado no cartão deito.como diz Biris Casoi isto é uma vergonha.

Reply
joelma marciano 13/09/2012 - 13:49

porque deixam os motoritas trabalharem das 6 das manhas as 22 horas da noita ,assim seria mais facil de fiscalisar ,e os motorita descansava as 8 horas que e o suficiente para o ser hunano .

Reply
Markao 19/08/2012 - 14:35

Sou Motorista carreteiro de uma transportadora carga fracionadas,e concordo com o Sergio (comentario acima) sou a favor da nova lei 12619,chega de trabalho escravos,e DJ Wagner VAI ANIMAR FESTA DE CRIANÇA…..

Reply
Sergio 06/08/2012 - 20:53

sou motorista empregado e espero que essa reunião do MUBC com o governo não traga um retrocesso na lei 12.619/2012. Todos sabem que muitas empresas ABUSAM de nós, alguns motoristas passam 15 á 30 dias fora de casa e quando chegam em casa e pensam que estão de folga, começa a pedição de FAVORES: Levar caminhão para manutenção, fazer uma “pequena e rapida” coleta ou entrega dentro da cidade (Pois vc “está em casa”), as empresas não querem contratar um MANOBRA para fazer estes pequenos serviços. E quando o motorista pensa que esta de folga o celular toca… “FULANO carregamento em tal lugar e tudo de bom…” ai são mais alguns longos dias fora de casa. O que eu quero dizer é o seguinte: A lei 12.619/2012 traz amparo legal para nós empregados dizer NÃO para os abusos das empresas. Alguns dizem que descanso de 11 horas é muito, tudo bem, se o cara gosta de se dedicar integralmente a empresa problema dele, mas muitos preferem descansar após 12 horas trabalhadas (8 hs normais, 2 hs extras e 2 hs descanso fracionadas). Alguns dizem que a viagem vai demorar muito, mas porque a empresa não contratata mais motorista e faz como as empresas de ônibus. Nós não podemos trabalhar direto, mas os VEICULOS das empresas PODEM. Alguns pagam comissão. O coitado do motorista pega TOCO para carga ou descarga, ai começa a estressar por causa da espera e o reflexo disso no salário. Esse motorista comissionado, muitas vezes é manipulado pelos gerentes das empresas, TIPO: Quando o salário dele vai ficar BOM, eles arrumam uma carga ruim. Quando os PEIXEs da empresa estão por perto, só sobra tranqueiras. Quando o caminhão ficar tempo demasiado parado a empresa não tem preocupação com o salário do motorista. Essa comissão é um MAL. O descanso em CABINE LEITO vem fazer justiça para quem trabalha em veiculo CABINE CONVENCIONAL, pois eu não conheço nenhum dono de empresa, chefe ou um cidadão que tenha uma cama que só vai até as nadegas, isso é uma vergonha, o motorista trabalhar várias horas por dia e depois ir dormir em um sofá cama dentro daquela cabine minuscula. Conheço vários motoristas que dormem dentro do baú junto com a carga. Lei 12.619/2012, para nós motoristas empregados e para a segurança rodoviária! Obrigado aos seus criadores!
Nós motoristas empregados precisamos ter amparo legal para poder dizer NÃO aos abusos de algumas empresas.
NOSSO GRITO DE LIBERDADE FOI LANÇADO, QUE SE CUMPRA A LEI, PARA NOSSO BEM E TODA A SOCIEDADE QUE USA AS RODOVIAS.

Reply

Escreva um comentário