Cada vez mais mulheres na boléia

tania




Os esteriótipos podem enganar. À primeira vista as pessoas podem não revelar os seus segredos mais profundos. Com isto, pré-julgamentos afloram como borbotões no misancene social. Com a loira Tânia Graziella Rampim, 32, não foi diferente. Herdeira de uma família de motoristas de caminhão, a menina cresceu num universo bastante diferente das cocotes que buscam uma profissão em que o máximo que se almeja é o ápice na entediante vida de Belle Epoque atual.

“Sempre quis ser caminhoneira”, relata a moça bonita que hoje é conhecida em Itapira como a motorista da Sanepav. “Trabalhar na coleta do lixo me deixou humilde. Me fez descer do pedestal e abaixar o nariz empinado”. Mas até chegar a neste ponto e também tirar a CNH para dirigir carretas o caminho foi longo.

Desde pequena, Tânia dava sinais de que queria seguir a profissão do bisavô, do avô, do pai e do irmão mais velho. Não deu outra. “Meu pai me levava na boléia e aquele universo era maravilhoso, fascinante. Aos 16 anos, tive a oportunidade de dirigir um pesado. Foi incrível”, conta a motorista, que há mais de quatro anos desafia os preconceitos. “Até na minha casa eu sofri uma contrariedade, pois meu pai dizia para eu estudar e não ser motorista”.

Vontade

O desejo ficou incubado por anos, guardado nas entranhas da vontade. Mocinha, com 19 anos, decidiu ir para a faculdade cursar fisioterapia, em Pinhal. Mas logo, ao final de um ano, Tânia chegou à conclusão de que aquela não era sua praia. “Estava angustiada, paralisada. Dei um basta em tudo”. Acionou o GPS da sua intuição e engatou a primeira para descer a estrada de Santos da sua mente. Nunca mais olhou para trás. “Tinha que viver meu sonho e meus pais teriam que entender a minha escolha”.

Daí em diante, foi só na “banguela”. “Quando se segue um sonho, as portas se abrem, não há rodovias interrompidas”, afirmou a mulher numa metáfora existencial. Por esta época, tirou CNH na categoria D e partiu para novos desafios. O maior ainda estava por vir: superar a desconfiança. “Poucos acreditavam que uma mulher pudesse dar conta de um danadão de algumas toneladas”. E deu.

Oportunidade

O primeiro emprego foi em uma empresa de saneamento. Dispensada, não perdeu tempo e foi contratada para dirigir o busão de turmeiros de cana. “Levava os peões para o meio do canavial”. Ficou nesta lida por dois anos, até voltar para a Sanepav, para quem dirige um dos veículos da coleta do lixo doméstico. “É uma conquista diária, meus colegas me ensinam muito e me tornei um ser humano melhor do que eu era. Estou aprendendo a cada dia”. O próximo passo já foi dado. Acaba de tirar a CNH na categoria E, em dezembro.

Isto significa que Tânia se tornou a primeira itapirense a dirigir uma carreta. “As diferenças são enormes em relação ao veículo que dirijo no momento. A primeira e mais nítida é o tamanho. A carreta é bem maior, mais possante. Isto me atrai”. Outros sonhos já estão na carroceria: estar na Formula Truck é um deles. “Quem sabe não tenho uma oportunidade na categoria”, se pergunta olhando ao horizonte.

As dificuldades do início de carreira para conseguir um emprego já não mais existem. Atualmente, as empresas transportadoras é quem lhe vem ao encalço. Quatro querem seus serviços, mas problemas em família a impedem de desbravar o mundo num pesado a La Carga Pesada. “Meu desejo é fazer a viagem inaugural para Salvador, na Bahia”, disse. “Mas meu pai e minha avó agora não podem ficar sozinhos. Eu os amo e terei que dar um tempo para realizar mais este sonho”, comentou a motorista resiliente.

Para ela, a carreta é sinônimo de poder. “Levar um daqueles nas costas não é fácil. Exige responsabilidade”. Sobre o quesito segurança nas rodovias, Tânia tem os pés nos chão. Diz que tem receio como qualquer outra pessoa. “Mas a liberdade que sinto, o vento na boléia e a paisagem nas estradas falam mais alto. É a minha vida. É tudo que desejo”.

Fonte: Gazeta Itapirense




3 comentários em “Cada vez mais mulheres na boléia

  • 25/02/2014 em 22:32
    Permalink

    minha esposa tem nervos de aço e diesel no sangue dou meu maior apoio desejo a ela toda sorte no mundo para q seus sonhos saiam da banguela e engate uma oitava simples e q seu coração grite com o urrar da turbina e engula todos os topes da vida pois depois tem sempre uma serra calma para descer e com cutela no freio motor curta os estralos do cano direto de sua emoção e nas curvas sempre estarei com você te abraçando e te amando e te admirando cada vez mais , sinônimo TANIA existência , vida , amor , paixão e dignidade te amo beijos e boa sorte minha vida .

  • 23/04/2013 em 12:06
    Permalink

    Tambem serei uma em nome do meu unico homem vou gira o brasil sem ele mas por ele

  • 21/01/2013 em 13:19
    Permalink

    que bom ser caminhoneiro!.

Fechado para comentários.