Cuidados com a tecnologia Euro 5 garantem produtividade e disponibilidade dos caminhões

34_FH_

A entrada em vigor da legislação de controle de emissões veiculares CONAMA Proconve P7 (Euro 5) no Brasil completa um ano. Os caminhões com tecnologia Euro 5 são menos poluentes, consomem menos combustível e garantem produtividade e rentabilidade ao transportador.

Os caminhões Euro 5 fabricados pela Volvo apresentam uma redução de até 5% no consumo de combustível e tiveram um ganho de 15% na velocidade média. Além disso, emitem 70% menos material particulado e 60% menos óxido de nitrogênio (NOx) que os modelos equipados com tecnologia Euro 3.

Para obter o desempenho ideal do caminhão, é fundamental abastecer o caminhão com o diesel S50, utilizar um aditivo ARLA32 de boa qualidade e certificado pelo Inmetro, e realizar todas as manutenções periódicas. “São cuidados simples que garantem a disponibilidade do caminhão e um menor consumo de combustível”, afirma Carlos Banzzatto, gerente de pós-venda da Volvo.

Para atender à legislação Euro 5, os caminhões da Volvo são produzidos com tecnologia SCR (Selective Catalytic Reduction, ou Redução Catalítica Seletiva), desenvolvida para reduzir os níveis de óxidos de nitrogênio (NOx) por meio de um sistema de pós-tratamento dos gases de exaustão. Nesta tecnologia, o ARLA32 tem um papel fundamental, já que o aditivo é o responsável por converter os gases nocivos ao meio ambiente em nitrogênio e vapor de água, que não são poluentes. “Além de tratar os gases de escape, o ARLA32 também é responsável por manter o catalisador limpo, preservando sua eficiência e vida útil”, explica Jeseniel Valério, engenheiro de vendas da Volvo.

LEIA MAIS  Volvo apresenta Série Especial 40 anos e Iron Knight na Fenatran

A utilização de um ARLA32 não certificado pelo Inmetro pode provocar sérios danos ao caminhão, como perda de potência, aumento do consumo de combustível, redução da vida útil do catalisador e paradas não planejadas, além da emissão de poluentes em desacordo com a legislação em vigor. “O ARLA32 de má qualidade entope o filtro do catalisador, o que pode provocar a parada do caminhão em um curto prazo”, alerta Banzzatto.

LEIA MAIS  Volvo e Dicave inauguram nova concessionária de caminhões e ônibus em Santa Catarina

Além de provocar danos nas peças e prejuízos ao transportador, a utilização de um diesel diferente do S50 e do ARLA32 de má qualidade acarreta a perda da garantia do sistema de pós-tratamento do caminhão.

As marcas que fornecem ARLA32 certificadas pelo Inmetro podem ser consultadas no link: http://www.inmetro.gov.br/prodcert/produtos/busca.asp

Fonte: Volvo