Empresários do transporte olham o futuro com otimismo

caminhoes na estrada 2012 - safra de soja

“Que venha o Euro 6; empresário tem que pensar lá na frente.” São palavras do coordenador nacional da ComJovem (Comissão Nacional de Jovens Empresários, ligada à NTC&Logística), Baldomero Taques Neto, 39 anos, também diretor comercial da Utilíssimo Transportes. Para ele, as transformações pelas quais passa o transporte rodoviário de cargas são naturais e vêm para o bem. “O Euro 5 é uma inovação maravilhosa por vários motivos. Um deles é que o setor é um grande poluidor”, afirma.

Do ponto de vista econômico, a tecnologia também é benéfica, diz ele. “Pode observar que os preços dos veículos Euro 3 e Euro 5 já estão nivelados. Mas o consumo de combustível do Euro 5 é 12% menor”, diz.

Na empresa dele, os caminhões com motores Euro 5 fazem manutenção a cada 40 mil km e os antigos a cada 25 mil km. “E ainda: os veículos novos vêm com sensores que melhoram a produtividade. Por isso eu digo: que os Euro 6 venham logo.”

O coordenador da ComJovem considera que a Lei 12.619 não deveria causar polêmica, uma vez que a carga de oito horas e duas extras para todos os trabalhadores já é lei há muito tempo. “Alguns empresários insistiam em tirar o máximo dos empregados. Esses vão ficar pra trás. O futuro é dinâmico, é integração, é resultado.”

LEIA MAIS  Randon Implementos irá apresentar diversas novidades na Fenatran 2019

O diretor comercial do Grupo Gafor, Luiz Carlos Magalhães, concorda com Taques Neto quanto à “falta de novidade”. “A lei traz o que a CLT já pregava”, afirma.

Magalhães diz que a Gafor já respeitava a jornada para as operações de curta distância no País e não sentiu impacto nessa área. “Sentimos os efeitos no mercado internacional, para a Argentina, Chile e Uruguai”, conta. Foi preciso contratar mais motoristas e isso obrigou a aumentar o frete em até 40%.

O diretor afirma que a maioria dos clientes entendeu a necessidade do reajuste. “Até porque eles sabem que são corresponsáveis. Os que não aceitaram o reajuste, nós deixamos de atender”, declara. Ele está animado com as perspectivas do mercado de transporte para 2013. “A gente aposta num crescimento superior aos 15% deste ano.”

Grãos

“Foi um ano atípico em todos os sentidos”, diz Cláudio Adamuccio, presidente do grupo graneleiro G10. Além da nova legislação, o segmento foi pego de surpresa por uma supersafra de milho no segundo semestre. “Nos últimos 20 anos, a concentração do transporte de grãos se deu no primeiro semestre, com a soja.”

LEIA MAIS  PRF prende ladrões de carga na BR 365 em Uberlândia-MG

Na opinião de Adamuccio, a Lei do Descanso “não é perfeita”, mas tinha de ser implantada por questões de segurança. Ele calcula que a lei trouxe um aumento de custos de 25%. O reajuste médio nos fretes também chegou a esse patamar. “São muitas operações e muitos clientes. Alguns estavam com valores muito defasados. Então os reajustes variaram de 10% a 50%”, declara.

O G10, conforme Adamuccio, nunca havia terceirizado mão de obra. Este ano, devido a uma “análise interna”, começou a contratar agregados. A Lei do Descanso teve a ver com isso. “O autônomo está mais livre para trabalhar e é mais produtivo”, justifica.

O grupo, que tem 1.500 motoristas empregados, cresceu menos que o hábito em 2012, mas tem expectativa otimista para 2013. “Teremos uma boa safra e um mercado de transporte aquecido”, resume.

De fato, a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) prevê que, em 2013, serão transportadas 81 milhões de toneladas de soja, 73 milhões de toneladas de milho e mais 28 milhões de toneladas de outros grãos.

Fonte: Carga Pesada




Um comentário em “Empresários do transporte olham o futuro com otimismo

  • 10/02/2013 em 14:46
    Permalink

    porque o governo nunca ajuda os motoristas autonomos a comprar a sua ferramenta de trabalho, e simples e so comprovar em carteira ou de outras forma que o cara ta na profissao a mais de 3 anos e fazer o procaminhoneiro funcionar , mas quando se trata de grandes empresarios sonegadores ai sim tudo e muito faciu. ou proibir que deputados e senadores etc tenha frota de caminhoes ai acaba a lavagem de dinheiro e tudo muda . nao e simples…mas sei que esse governo e serio e isso um dia vai acontecer e por a policia federal em cima .

Fechado para comentários.