Iveco fecha contrato com Infraero

home_range_2

A Iveco Magirus, empresa da Fiat, começa a produzir este ano caminhões de bombeiros no Brasil. O primeiro contrato foi assinado com a Infraero em dezembro e prevê o fornecimento de 80 unidades. O valor do negócio é R$ 140 milhões. Os veículos serão distribuídos por 27 aeroportos do país, principalmente os das cidades que vão sediar jogos da Copa de 2014. E estão sendo projetados para entrar em ação em caso de acidentes com as aeronaves.

A montadora vai usar sua fábrica em Sete Lagoas (MG) para produzir os veículos. A linha de montagem levará ainda praticamente todo o ano para ficar pronta e os caminhões da Infraero começam a ser fabricados somente no fim de 2013. A expectativa é que a fábrica passe a produzir cerca de 100 caminhões de incêndio por ano.

Além do contrato com a Infraero, a Iveco prospecta outros negócios com corpos de bombeiros e prefeituras pelo país. Paolo Del Noce, diretor de Veículos Especiais da Iveco, avalia que o Brasil vive um momento favorável para os fabricantes de caminhões de bombeiros. O anúncio recente feito pela presidente Dilma Rousseff de que o governo pretende construir 800 aeroportos regionais é ótimo prenúncio de negócios para a Iveco Magirus, uma vez que os aeroportos precisam de caminhões de bombeiros.

“O mercado de combate a incêndio está se abrindo agora. Não só para aeroportos, mas também em cidades. Nas últimas semanas, estamos vendo licitações sendo anunciadas por várias prefeituras”, disse ele ao Valor.

LEIA MAIS  Iveco vence o Campeonato Europeu de Corrida de Caminhões

A Iveco está nesse mercado há algumas décadas. Comprou a Magirus – uma centenária empresa alemã especializada em escadas usadas nos caminhões de bombeiros – nos anos 70 e tem uma gama global de equipamentos para combate a incêndio. A Iveco Magirus pertence à Fiat Industrial, sob a qual estão também a CNH, fabricantes de tratores; a Iveco, com caminhões; a FTP, motores e veículos especiais. A Iveco Magirus tem sede em Ulm, na Alemanha, e está já há anos entre o primeiro e o segundo lugar dentre os maiores do segmento. Seu principal concorrente é a também alemã Rosembauer.

No Brasil, até então, caminhões de bombeiros mais específicos, com escadas, plataformas e uma eletrônica mais sofisticada – como os usados em aeroportos – são todos importados, segundo Noce. Modelos menos elaborados são feitos por empresas nacionais.

Da linha de montagem da Iveco em Sete Lagoas sairão modelos mais sofisticados – com sistemas especiais de aceleração, escadas, bombas de água e espuma de alta potência, como os que vão para os aeroportos – e modelos mais simplificados. Os chassis com a cabine sairão prontos da fábrica e a Iveco, segundo o executivo, está fechando um acordo com uma empresa brasileira que se encarregará de instalar os componentes, como tanques e bombas. O plano é usar a maior parte das peças de origem brasileira. Os valores desses caminhões prontos podem variar de R$ 150 mil a R$ 2 milhões cada.

LEIA MAIS  Iveco apresenta nova Daily na Fenatran

A estreia da Magirus é parte da política de expansão da Fiat de seu segmento de veículos especiais no Brasil. Este tem três áreas: veículos de defesa, ônibus e os caminhões de bombeiros. Os veículos de defesa já começaram a ser produzidos; os novos modelos ônibus (hoje só há um, usado em um programa de transporte escolar do governo federal) começam a ser montados em julho e os caminhões, no fim do ano.

A fábrica será a mesma, mas com linhas de montagem específicas. O investimento nessa plataforma de veículos especiais é de R$ 55 milhões. No caso dos ônibus, o plano é que, em cinco anos, a Iveco esteja produzindo entre 7 mil e 8 mil unidades em Sete Lagoas. No ano passado, o único modelo da empresa no país atingiu a marca de 2 mil unidades.

Braço mais avançado do negócio de veículos especiais, as unidades de defesa da Iveco estão sendo produzidas para o Exército brasileiro, mas também despertaram interesse de países do Oriente Médio e exércitos de nações da América do Sul: Chile Colômbia e Argentina. Com este último, as conversas estão mais avançadas, informa Noce.

Fonte: Valor Econômico