Setor de implementos almeja crescimento de 6,59% neste ano

Basculante 25-30 - NOMA b




Ao longo de 2012, a indústria de implementos rodoviários registrou queda de 15,94% no desempenho do setor, com relação ao resultado apurado em 2011. Em números absolutos, o mercado interno absorveu no ano passado 160.414 unidades, contra 190.823 comercializadas em 2011.

Segundo avaliação da Anfir (Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários), a queda nas vendas do setor aconteceu basicamente por dois fatores: alteração constante nas regras de financiamento e desempenho econômico abaixo do esperado.

“No início de 2012 a economia não respondia como o governo esperava e para dar apoio à indústria o Ministério da Fazenda baixou mais de um pacote de benefícios”, conta Alcides Braga, presidente da entidade. Todavia, ao contrário do efeito imediato nas vendas de carros de passeio, ocorrido logo após a redução do IPI, o mesmo não aconteceu no mercado de implementos rodoviários: a mudança na taxa de juros do Finame PSI levou mais tempo para ser absorvida pelo mercado.

Para 2013, a expectativa do setor é encerrar o ano com crescimento de 6,59%. Isso representa 171 mil unidades vendidas, sendo 55 mil unidades no segmento Pesado e 116 mil no segmento Leve.

Segundo a entidade, dois fatores que poderão levar a esse resultado. O primeiro são as regras claras e definidas para o programa Finame PSI que terá taxa de juros anuais de 3% até 30 de junho, passando em seguida para 4% até 31 de dezembro. “Quanto mais estável o programa de financiamento melhor para o planejamento de aquisição de implementos rodoviários”, explica o presidente da ANFIR.

O segundo fator foi o anúncio feito pelo governo federal no final de 2012 de medidas destinadas a beneficiar o setor da construção civil: substituição da contribuição de 20% sobre a folha de pagamento por outra de 2% sobre faturamento. O efeito positivo que se espera dessa medida é movimentar em progressão outros setores da economia, ampliando a demanda por transporte de carga e dessa forma influindo positivamente no desempenho da indústria de implementos rodoviários.

Fonte: O Carreteiro