F-Truck: Com domínio da Mercedes, Cirino vence em Tarumã

PRIMEIRO

A corrida no Autódromo de Tarumã, em Viamão, Rio Grande do Sul, abriu o calendário da Fórmula Truck 2013 com pleno domínio dos caminhões da Mercedes-Benz. O GP Petrobras, que contou pontos para os Campeonatos Brasileiro e Sul Americano, teve Wellington Cirino como o vencedor, seguido de Geraldo Piquet, Paulo Salustiano, o gaúcho Régis Boessio e Valmir Benavides.

Animado com um fim de semana perfeito, onde dominou os treinos da sexta-feira (8) e esteve entre os doi melhores tempos nas sessões livres do sábado, além da pole-position, Wellington Cirino enalteceu o trabalho da equipe. “Trabalhamos forte no desenvolvimento do caminhão, que mudou muito em relação ao ano passado. A equipe estava muito motivada, e acho que esse foi o principal motivo de um fim de semana maravilhoso. Consegui uma largada muito boa, e mantive o ritmo. Temos que ajustar alguns detalhes para as próximas etapas. Só tenho a agradecer muito a todo o time”, disse o piloto da ABF/Mercedes-Benz.

Segundo colocado após a bandeirada final, Geraldo Piquet reforçou o discurso de seu companheiro de equipe Cirino, e lembrou da ‘ajuda’ de David Muffato, que bateu forte no top qualifying e não conseguiu alinhar seu caminhão no grid. “Foi mesmo um fim de semana fantástico. Acabei assumindo a quarta colocação que era do David Muffato, que infelizmente não pode correr e acredito que isso me beneficiou muito. Venci em Tarumã na última prova realizada aqui em 2007 e é muito gratificante voltar ao pódio numa pista rápida e competitiva como essa”, frisou.

Terceiro nas tomadas de tempo, Paulo Salustiano, da ABF Racing Team conseguiu segurar a posição após os sessenta minutos de prova na pista gaúcha. “Eu tentei ficar no ritmo dos dois primeiros. Tentei de tudo, mas preferi poupar o equipamento para marcar os primeiros pontos no campeonato. O caminhão se comportou muito bem, apesar de ter feito um único treino antes de vir para Tarumã. Estou muito feliz”.

Um dos mais animados na coletiva de imprensa após o término da corrida era Régis Boessio, piloto gaúcho, que contou com o apoio da torcida local. “Comecei a correr nesta pista, então é impossível dizer que não gosto de correr aqui. Tive problemas na classificação, onde acabei largando na sétima colocação, mas sei que isso é coisa que acontece numa corrida. Ver a torcida gritando teu nome é algo que motiva demais. Agora é trabalhar no desenvolvimento do caminhão porque acredito que podemos chegar competitivo para brigar pelo título”, explicou o piloto.

Fechando o pódio, Valmir Benavides, o Isgué, foi quem teve mais trabalho para conter o atual campeão da Fórmula Truck, Leandro Totti, numa disputa em que o londrinense não lhe deu sossego durante toda a segunda metade da prova. “Eu tentei ao máximo ficar entre os cinco primeiros. Foi bem complicado segurar o (Leandro) Totti, que veio para cima. Tive que tirar o máximo do meu caminhão, mas no final, deu tudo certo. Ainda é começo de campeonato e os ajustes no equipamento são normais. O importante é sair daqui com alguns pontos que podem ajudar muito lá na frente”, avaliou.

LEIA MAIS  Venda da Ford só deve ser concluída em novembro

A corrida

Wellington Cirino manteve a liderança na largada. Roberval Andrade e Geraldo Piquet, que vinham logo atrás, mantiveram suas posições, adotando postura de cautela. Ainda na primeira volta de corrida, Andrade já dava sinais da pressão que exerceria sobre o líder. Régis Boessio superou Beto Monteiro e Paulo Salustiano ainda na primeira volta. Monteiro abandonou a prova na volta seguinte, com problemas no Iveco número 88.

Salustiano recuperou a quarta posição na segunda volta, vindo à frente de Boessio. Enquanto as posições no primeiro pelotão eram mantidas, Felipe Giaffone e Adalberto Jardim abandonavam a corrida na sexta volta, ambos com problemas em seus caminhões. Na mesma volta, Djalma Fogaça passou pelos boxes para um drive-thru, como punição por ter excedido o limite de 160 km/h no ponto da pista onde existe um radar.

A sétima volta foi marcada pela intervenção do Pace Truck pilotado por Talula Pascoli, para reagrupamento do pelotão, enquanto a equipe de resgate providenciava a remoção dos caminhões parados em posição de risco – voltas completadas sob comboio do Pace Truck não são computadas para efeito de cronometragem. À relargada, dada após seis minutos, Salustiano aumentou a pressão sobre Piquet, enquanto Cirino abria vantagem.

Ronaldo Kastropil, um dos estreantes da etapa, fez um rápido pit stop após a relargada, com problemas em seu caminhão. Na décima volta, o atual campeão Leandro Totti, que largou da sétima fila, ultrapassou seu conterrâneo paranaense João Marcos Maistro e assumiu o sétimo lugar. Na décima volta, com 20 minutos de corrida, houve a intervenção programada do Pace Truck, quando os cinco primeiros colocados recebem pontos de bonificação.

Entre os cinco primeiros à intervenção do Pace Truck estavam quatro pilotos de caminhões Mercedes-Benz. Além do líder Cirino, Piquet, Salustiano e Boessio ocupavam da terceira à quinta posição. Andrade, com Scania, era o segundo. Danilo Dirani diminuiu o ritmo com problemas em seu Ford enquanto Talula Pascoli já tomava o caminho de volta aos boxes para a direção de prova autorizar o reinício da disputa por posições.

Dada a relargada, Cirino abriu vantagem, enquanto Andrade, Piquet e Salustiano protagonizavam uma disputa acirrada pela vice-liderança. O Pace Truck foi acionado novamente no 34º dos 60 minutos de corrida, para remoção do caminhão de Dirani, que abandonou definitivamente à beira da pista. A nova relargada apresentou Cirino seguindo à frente e Piquet superando Andrade – que tinha problemas nos freios – para assumir a segunda posição.

Salustiano superou Andrade para assumiu o terceiro lugar na 16ª volta. Na 18ª volta, Totti, já com a carenagem do caminhão danificada, saiu da pista e perdeu a sétima colocação para Maistro – recuperou a posição poucas curvas depois. As dificuldades de Andrade com os freios do Scania fizeram-no perder posições também para Boessio, Valmir Benavides e Totti, que após a 19ª volta completavam, nesta ordem, o grupo dos seis primeiros.

Na abertura da 22ª volta, Diogo Pachenki, que largou em último por ter ficado fora da tomada de tempos classificatória em decorrência de uma quebra no caminhão, superou Jansen Bueno e assumiu a décima posição, tornando-se o melhor colocado entre os que estreavam na categoria – Cattucci, então nono colocado com o caminhão da ABF/Volvo, já havia participado das duas últimas etapas do campeonato do ano passado.

LEIA MAIS  Motores Cursor 13 da Copa Truck geram mais de 1.200 cv de potência

A quarta intervenção do Pace Truck foi determinada na 23ª volta, com a parada de Luiz Lopes à beira da pista. Andrade, nesse instante, estacionava nos boxes, com o sistema de freios de seu novo caminhão já sem condições de competição – a Ticket Car Corinthians Motorsport concluiu a três dias da prova a montagem do caminhão, motivo que impediu o paulista, campeão em 2002 e 2010, de participar dos treinos livres da sexta-feira (8).

A última relargada foi dada a três voltas do fim do GP Petrobras, com Benavides atacando a quarta posição de Boessio e Salustiano reabrindo suas tentativas de tomar o segundo lugar de Piquet. O início da última das 27 voltas marcava um duelo forte entre Benavides e Totti pelo quinto lugar, que valia um lugar no pódio da prova – o paulista da Scuderia Iveco manteve a posição, com o atual campeão cruzando a linha de chegada em sexto.

A segunda etapa do Campeonato Brasileiro de Fórmula Truck, no dia 7 de abril, marcará a volta da categoria a Londrina, no Autódromo Internacional Ayrton Senna. Em Tarumã, depois de 27 voltas, o resultado do GP Petrobras foi o seguinte:

1º) Wellington Cirino (PR/Mercedes-Benz), ABF/Mercedes-Benz, 1h00min53s003
2º) Geraldo Piquet (DF/Mercedes-Benz), ABF/Mercedes-Benz, a 0s786
3º) Paulo Salustiano (SP/Mercedes-Benz), ABF Racing Team, a 1s096
4º) Régis Boessio (SP/Mercedes-Benz), ABF Desenvolvimento Team, a 2s613
5º) Valmir Benavides (SP/Iveco), Scuderia Iveco, a 4s345
6º) Leandro Totti (PR/MAN), MAN Latin America Racing Team, a 5s243
7º) João Marcos Maistro (PR/Volvo), Clay Truck Racing, a 7s091
8º) Alberto Cattucci (SP/Volvo), ABF/Volvo, a 7s883
9º) Diogo Pachenki (PR/Volvo), ABF/Volvo, a 12s490
10º) Ronaldo Kastropil (SP/Scania), Ticket Car Corinthians Motorsport, a 13s557
11º) Djalma Fogaça (SP/Ford), a 14s425
12º) André Marques (SP/MAN), MAN Latin America Racing Team, a 14s754
13º) Débora Rodrigues (SP/MAN), MAN Latin America Racing Team, a 19s353
14º) Jansen Bueno (PR/Volvo), DB Motorsport, a 21s089
15º) Edu Piano (SP/Ford), Território Motorsport, a 27s582
16º) Luiz Lopes (SP/Iveco), Lucar Motorsports, a 5 voltas
17º) Roberval Andrade (SP/Scania), Ticket Car Corinthians Motorsport, a 6 voltas

NÃO COMPLETARAM
Danilo Dirani (SP/Ford),
Adalberto Jardim (SP/MAN), MAN Latin America Racing Team, a 21 voltas
Felipe Giaffone (SP/MAN), MAN Latin America Racing Team, a 21 voltas
Leandro Reis (GO/Scania), Original Reis Competições, a 22 voltas
Beto Monteiro (PE/Iveco), Scuderia Iveco, a 25 voltas

NÃO LARGARAM
José Maria Reis (GO/Scania), Original Reis Competições
David Muffato (PR/Scania), Muffatão

CLASSIFICAÇÃO
Após a primeira das 10 etapas, a tabela do Campeonato Brasileiro de Fórmula Truck é: 1º) Cirino, 32 pontos; 2º) Piquet, 23; 3º) Salustiano, 19; 4º) Boessio, 15; 5º) Benavides, 12; 6º) Totti, 10; 7º) Maistro, 8; 8º) Cattucci, 7; 9º) Pachenki, 6; 10º) Kastropil, 5; 11º) Fogaça e Andrade, 4; 13º) Marques, 3; 14º) Rodrigues, 2; 15º) Bueno, 1. O campeonato de Marcas: 1º) Mercedes-Benz, 62; 2º) Volvo, 18; MAN, 15; Iveco, 12; Scania, 5; Ford, 4.

Fonte: Fórmula Truck