Transporte de cargas enfrenta falta de 100 mil caminhoneiros

251608-970x600-1




Na família de Tomaz Gabriel, de 70 anos, a profissão de motorista de caminhão passa de pai para filho há mais de um século. A vida nas estradas teve início com o avô, arrebatou o pai e, apesar dos sacrifícios, caiu no gosto de Gabriel logo cedo. Começou como funcionário, mas aos 33 anos já conseguiu comprar o primeiro caminhão. Era um “mercedinha 71”, usado e pago em 24 vezes.

Hoje ele tem um Volvo 2012, automático, com ar condicionado, duas camas na boleia e frigobar. Um luxo comparado aos tempos do avô, que circulava Brasil afora com carretas pesadas, sem conforto. Mas, apesar da modernidade dos caminhões, a tradição no volante parou na geração de Gabriel. Os filhos fizeram faculdade e preferiram uma vida mais confortável, sem as privações das estradas.

A família vai continuar no setor. Mas, desta vez, no comando de uma empresa, com 140 caminhões. O problema será encontrar motorista para dirigir a frota. Ao contrário da época de Gabriel e seu avô, hoje falta profissional no mercado. Calcula-se que o déficit de caminhoneiro já atinja 13% da frota das empresas (ou cerca de 100 mil motoristas), segundo a Associação Nacional do Transporte de Carga e Logística (NTC & Logística).

A escassez tem dificultado a vida das transportadoras e dos produtores, seja do setor industrial ou do agronegócio. Na colheita de soja, a escala de embarque tem sido prejudicada pela falta de profissionais, afirma Carlos Fávaro, presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (Aprosoja). “Se uma empresa precisa de dez caminhões para fazer o transporte de soja, recebe apenas dois por dia. Isso provoca estocagem excessiva e redução da competitividade do País.”

Para complicar, o contingente de motoristas acaba sendo comprometido com os congestionamentos gigantes na entrada dos portos, como em Santos e Guarujá. Na semana passada, Tomaz Gabriel gastou 21 horas na Rodovia Cônego Rangoni para descarregar no complexo santista. No tempo perdido na fila, poderia ter atendido outra demanda. O exemplo vale também para a má qualidade das rodovias, que às vezes dobra o tempo de viagem. “Junta-se a isso a nova lei de regulamentação da jornada de trabalho dos motoristas, que exige mais paradas e alonga a viagem”, diz Antonio Wrobleski Filho, dona da Support Cargo.

A empresa, com frota de 285 caminhões, teve de encostar alguns veículos recentemente por falta de motoristas. Wrobleski acaba de comprar 30 novos caminhões, mas, por falta de profissional, escalonou a entrega para não ficar com carreta parada. “Pedi para entregarem dez imediatamente, dez em abril e dez em maio. É o tempo que terei para contratar mais motoristas. Por enquanto, só consegui oito.”

Remuneração

O presidente da Associação Brasileira de Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes, diz que tem sido difícil convencer um jovem de se tornar caminhoneiro. “Hoje ninguém quer ser motorista por causa das condições das estradas e da remuneração.” Ele conta que há iniciativas no mercado de recrutamento de pessoas de 15 a 17 anos para formar caminhoneiros. “Num primeiro momento, eles até têm interesse. Mas quando chega a parte prática e mecânica do curso, mudam de ideia e veem que ser mecânico é mais vantajoso”, diz.

Fonseca tem uma empresa de transporte de cana de açúcar e precisa de motoristas especializados na condução de caminhões pesados, computadorizados e cheios de tecnologia. A última turma contratada teve treinamento por 40 dias. “Você dá toda a estrutura para o profissional, plano médico, salário de R$ 2,5 mil a R$ 3 mil, acomodação para ficar no local durante a safra e alimentação e, mesmo assim, é difícil contratar.”

A alta tecnologia dos novos caminhões também amedronta os profissionais, especialmente os motoristas mais velhos, acostumados a veículos manuais. A maioria não sabe operar os novos caminhões. E quando o fazem arriscam suas vidas e de terceiros. O professor da Fundação Dom Cabral, Paulo Resende, conta que boa parte dos acidentes provocados por caminhoneiros nas estradas está ligada à incapacidade dos motoristas de lidar com as inovações tecnológicas. “Os novos caminhões exigem uma postura diferente no volante. Qualquer movimento brusco pode provocar sérios acidentes.”

De olho no risco, a JSL – uma das principais empresas de transportes do País – apostou no treinamento de novos motoristas. O diretor de Operações e Serviços do grupo, Adriano Thiele, conta que a empresa montou 13 centros especializados na formação.

Os funcionários, que devem ter carteira de habilitação específica para dirigir caminhões, são contratados e passam de 45 a 60 dias em treinamento. Em 2012, dos 2,6 mil motoristas contratados, 914 foram formados nessas escolas. “Estamos crescendo a uma taxa anual de 28%. Fomos obrigados a preparar nossa mão de obra”, diz Thiele

Igual estratégia tem sido adotada pela Transportadora Roma, que já ficou com 5% da frota parada por falta de motoristas. Tradicional no carregamento de grãos, a empresa apostou no treinamento para reduzir prejuízos. Hoje, 20% dos seus profissionais foram treinados por instrutores próprios, diz o diretor de transportes, Gelso Luiz Lauer. “Nosso segmento exige caminhões bitrem e rodotrens. É preciso ter habilidade e conhecimento para operá-los.”

Resende diz que a situação de escassez de motoristas já era esperada pois a demanda por transporte é cada vez maior e a oferta de ferrovias limitada. “Nas fronteiras agrícolas, a oferta de transporte sobre trilhos é praticamente a mesma há dez anos. O resultado é o desalinhamento entre oferta e demanda.”

Fonte: Estadão




22 comentários em “Transporte de cargas enfrenta falta de 100 mil caminhoneiros

  • 12/03/2014 em 02:13
    Permalink

    é gente sempre é assim na hora de pegar o servico o patrao promete valores de ganhos altos , mas no final do mes dificilmente chegar a metade. e o pior que a gente fica as vezes 30 ou mais dias fora da cidade.

  • 18/08/2013 em 09:40
    Permalink

    esta conversa de falta de motorista no Brasil é balela, pois num pais de analfabeto e salarios miseráveis nunca vai faltar motoristas, pois para ser motorista basta saber ler e escrever e onde a grande maioria tem baixa escolaridade, ai os empresários de transporte iludem o motorista com salários de 3000 a 4000 mês e depois de trabalhar de 30 a 40 dias fora de casa passando por todas humilhaçôes possiveis ex:( policiais rodoviarios,porteiros de empresas,, exploraçâo em postos-paga-se banho,pernoite, e sendo indiscriminado pela população como um profissional irresponsável,drogado) depois de tudo isso leva para casa uns 2000 liquidos.Os empresarios se iludem que falta motorista e os motoristas se iludem que esta ruim, mas continuam sendo explorados por todos e por tudo ex: (direitos trabalhista, empregador que não paga 13º, ferias.).

  • 30/05/2013 em 21:58
    Permalink

    DEPOIS DIZ QUE NO BRASIL FALTA MOTORISTA,QUEM FALA ISSO TEM CORAGE DE DIZER,ESTOU DESEMPREGADO A QUASE 1 ANO,SERA QUE TA FALTANDO MOTORISTA?? OU ESTA FALTANDO OPORTUNIDADE PRA QUEM QUER TRABALHAR?????? COMO VOU TER EXPERIENCIA SE NINGUEM QUER DAR OPORTUNIDADE???????????? TENHO CNH E E CURSO MOOP E ESTOU DESEMPREGADO A MAIS DE 1 ANO,TODOS DIZEM QUEREMOS EXPERIENCIA,COMO VOU TER EXPERIENCIA SE NAO ME OPORTUNIDADE???????????
    moacir8835@hotmail.com

  • 05/04/2013 em 14:19
    Permalink

    Vaga SIE Curitba: Vaga de Motorista Carreteiro
    Curitiba/PR
    Disponibilidade para viagens. Trecho: São Paulo – Paraná – Rio do Sul. Curso Mopp e experiência na função. Salário entre R$1.400 até 2.000..

  • 05/04/2013 em 11:54
    Permalink

    Juliano.. Esta postagem mostra tudo.. ALTOS GANHOS A ESCRAVIDÃO DISFARÇADA FORNECE AOS EMPRESÁRIOS..

    Uma beleza de salário este, vou até dizer para meu filho largar o emprego tranquilo, com salário de 4,5, por 8 horas diárias e virar caminhoneiro tb..

  • 04/04/2013 em 21:20
    Permalink

    Curitiba: “””experiência de 3 anos em carteira, para viagens no mercosul, sul e sudeste.
    cesta básica
    seguro de vida
    Saber lidar com informática e rastreadores, mopp, ear, curso de defensiva e cadastro em seguradoras.
    auxilio dentista (como se tivesse tempo)
    disponibilidade de 20 a 40 dias viajando”””
    SOLDO:

    >>>>>>>>>>>>>>> R$ 1080,oo REAIS até 2000,oo REAIS.<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<

    Quanto dinheiro!!!! que empolgação!!! vou vestir a camisa AGORA!! vou ser AQUELE PROFISSIONAL!! MARAVILHA!!

    manobrista meio período…R$1200,oo………….

  • 04/04/2013 em 11:03
    Permalink

    Eder.

    A lei é ótima em alguns pontos.Mas precisa ser mudada em outros. Ao meu entender equiparar empregados ( assalariados) e autônomos foi o grande erro desta lei. Este ultimo faz seu salário, suas férias, seu décimo terceiro, sua aposentadoria, seu plano de saúde, por conta própria ( na atualidade tudo utopia, hoje morre trabalhando, fretamento não paga tudo isto). Para isto tudo depende de trabalhar e trabalhar; viver caminhão noite e dia.Tudo por conta dos baixos valores pagos ao autônomo pelo transporte. A maior parte da lucratividade fica sempre nas mãos das empresas transportadoras, a menor e os custos do transporte ficam com o autônomo. Sem uma legislação que proteja um ganho mínimo, a tendencia é cada vez piorar mais. Ainda mais equiparando as duas categorias, pois o autônomo terá reduzido o numero de viagens. Existe muita coisa ainda a ser discutida nesta lei. Mas a principal mudança deveria ter sido criar junto um sistema de pagamento justo pelo fretamento de autônomos. Veja o frete retorno, uma vergonha.. Vc roda trecho (truck bau) de Porto Alegre X Salvador, +- 3.150 km, valor pago 6,5 mil, 13 ton..Volte mesma rota e peso, valor a receber +- 3,5 mil. Só aqui encurtam estradas e, não dão possibilidade real de negociação mínima. Preços são estipulados dizem pelo mercado, mas quando é com o empresário , gritam e pedem proteção, subsídios, etc, dos governantes.

    O AUTÔNOMO SÓ TERÁ VOZ QUANDO PARAR DE VEZ , TODOS A UM TEMPO SÓ. COM NEGOCIADORES SÉRIOS OS REPRESENTANDO ( SEM SINDICATOS E POLÍTICOS)..QUEM SABE UMA EMPRESA DE ADVOCACIA IDÔNEA…aqui dei risada.. dificirrrr de achar um rábula confiável, mas EXISTE ALGUNS com certeza.

    • 05/04/2013 em 20:15
      Permalink

      Pois é meu camarada, tu ta coberto de razão nós autônomos(caminhoneiro empreendedor autônomo) estamos morrendo com valores de fretes absurdamente baixos, não precisa ser NOSTRADAMUS pra adivinhar o futuro pois qualquer cachorro de beira de estrada sabe que a categoria está no fim, infelizmente em pouco tempo teremos que mudar de ramo. O golpe final foi essa lei absurda que limita o horário de trabalho, estamos ferrados.

  • 04/04/2013 em 09:08
    Permalink

    Caros amigos, todos os trabalhadores tem direito a hora extra e descanso semanal, por que os caminhoneiros tem de ser diferente. A lei 12.619 é ótima por que não a cumprem, será possível que não conseguem fiscalizar? Eu não acredito.

  • 01/04/2013 em 18:12
    Permalink

    Concordo com os colegas,os donos de transportadoras tinhao que discutir era um salario melhor para os motoristas.
    E as empresas treinar melhor seus funcionarios para eles nos tratarem com mais educaçao e respeito,pois somos seres humanos iguais a eles!!!!!!

  • 29/03/2013 em 12:13
    Permalink

    O SEST SENAT tem formado um grande número de motoristas, porém uma grande parte destes desiste após 3 meses de atividade (ao menos é essa informação que obtive). Quais os motivos?_vou citar apenas um. Creio que o principal motivo é a fantasia que muitos fazem desta atividade . Esperam encontrar um mundo de aventuras (PEDRO E BINO) irreal, logo passando a vivenciar as agruras da profissão, estresse, medo, falta de vida social e familiar, mandos e desmandos (pois caminhoneiro é tratado igual a cachorro, sempre tem mais cacique que índio aonde vai) e, por último, os ganhos insuficientes para ter uma vida digna. Sobre a questão salário, é de fato o grande afugentador dos iniciantes. Ganhar X (mesmo que considerado bom pelos empregadores), mas ao término de um mês de trabalho, ver o X descontado de Y e sobrar 1/2 x, assusta e cria o desinteresse. Porque viver engaiolado dentro de uma cabine apertada, sem conforto dia após dia, por um ganho tão miserável, com todos riscos inerentes da profissão é desestimulante. Ainda mais quando se vê a distância do que pagam e os lucros que obtêm os empresários, com o suor de seu trabalho. Não, não estou a dizer que o empresário não trabalha também, mas que exploram sobremaneira os profissionais autônomos e empregados CLT. Estes assistem ao crescimento de patrimônio do empregador, vendo a distância que os separa do poder ser dono de um caminhão melhor, ou, adquirir o seu primeiro caminhão com o que lhes é pago. Resumindo pura desilusão a cada dia e abandono da profissão.

    • 01/04/2013 em 23:39
      Permalink

      Parabéns amigos, nós temos que ficar de olho e meter a boca no trombone.
      Essa classe empresarial dos transportes cresceu esporando nossa categoria, tenho muitos colegas no trecho de outras transportadoras que passam até 40 dias fora de casa, e quando nós encontramos o cara esta perturbado emocionalmente, nota-se um grande vazio em seu interior e o seu estado psicológico esta em crise. Eu não poderia de esquecer de citar o GRANDE valor que os patrões tem pelos motoristas… uns compram aquelas porcarias de cavalos “paraguaios” que pilam igual carroça e outros continuam comprando caminhões com cabine convencional com o famoso sofá cama o “ENTORTA” coluna… cria vergonha empresário, estamos trabalhando e não mendigando.

  • 28/03/2013 em 13:10
    Permalink

    Se analisarmos friamente, a profissão não vale a pena. Existem vagas de motorista particular, em meio período em sp, pr, df, que chegam a pagar 2500,oo (meio período).
    As transportadoras tem que aumentar os salários. Não vamos nos prostituir aceitando um volante, só porquê gostamos. É perigosíssimo, insalubre, longe de casa e amigos. Na estrada, só tem porcaria. Amizade já não existe faz tempo.
    Se querem o profissional mesmo, que aumentem o soldo. Pelo menos o teto do isento. O que não é nenhuma maravilha, mas para o condutor começar, ok.
    E a garotada…. olha.. eu tenho 31. Não tenho filhos. Mas pensem bem. muuuito bem. Com tantas oportunidades nas cidades.. Eu vejo por Curitiba. tem muita vaga, de trabalho na faixa só do segundo grau, e se tiver o ensino técnico, é disputado a tapa!
    Manobrista noturno em Curitiba tira 2200,oo.
    Vamos estudar primeiro. Motorista fica muito difícil estudar. Eu peguei vaga meio período para estudar, pois as empresas de transporte não querem pagar um soldo decente. Pq levar uma carreta tanque, com combustível, por 1000,oo é pra acabar!
    Por mim, com estes valores, eu quero que as empresas encostem mesmo os caminhões..
    vendedor de concessionária ganha muuuito mais, e vive no meio dos caminhões do mesmo jeito.

  • 28/03/2013 em 09:57
    Permalink

    é grande problema é esse , querem profissionais mais não querem dar chance nem uma como de costume só querem ganhar e ver sem fazer nem um investimento , infelizmente é esse pensamento pequeno da maioria das empresas ganhar nas costas dos outros sem investir ou gerar custos. Eu quero ir para estradas Graças a Deus apesar de não ter carteira ainda eu tenho um caminhão me esperando só to esperando ela(CNH) pra min ir para estrada porque tem gente que apesar da dificuldades entendem que é preciso investir para ter retorno.

  • 27/03/2013 em 23:00
    Permalink

    Onde tem oportunidade? tenho 31 anos, mopp, ear, cursos de rastreamento. meu período como autônomo, com meu caminhão, não contam como experiência. Sou solteiro e gosto muito de dirigir. Mas as portas só estão fechadas. Querem o cara aceitando um salário baixo com 3 anos de experiência em carteira. Quem com 3 anos está querendo sair do trabalho? quando vão dar oportunidade? Eu não sou caminhoneiro, sou condutor profissional. Sei lidar com rastreamento e sei me comunicar com clientes. O perfil dos contratantes e principalmente das empresas de RH é que tem que mudar.

  • 27/03/2013 em 22:55
    Permalink

    e isso ai pessoal,chegou nossa hora,exija dos patroes o reconhecimento do profissional que vc e .exija melhores salarios e assistencias porque ta dificil de achar profissinais qualificados ok…

  • 27/03/2013 em 13:35
    Permalink

    Salários de 2,5 a 3 mil, mais alimentação e alojamento;é o que diz acima o empresário.Porem alimentação só na base, nas horas de espera.Já na estrada a coisa muda de figura, toda despesa sai o salário do motorista, onde reduz consideravelmente este ganho alegado. Nas longas horas de espera de descarga e no transcorrer da viagem, o motorista tem um gasto de cerca de 1,5 mil mês, incluindo pagamento de banho,uso sanitários, alimentação. Depois perguntam: Quem quer ser motorista de caminhão?_Poucos, muito poucos, pois se pensarem é uma escravidão.Falta de tudo um pouco para ser uma profissão atrativa aos jovens. A começar pela desconsideração da maioria do envolvidos na cadeia logística(do cliente,embarcador,dns.de postos,guardas rodoviários). Depois vem a descoberta que nunca mais terá convívio familiar e social onde reside. Viverá como um fantasma que, muitos dizem existir, mesmo não vendo. Mais dormirá em cabines que mesmo ditas espaçosas, no Brasil não passam de gaiolas de metais e plásticos.Correrá riscos nunca imaginados, tipo assaltos, corrupção policial, loucos no volante, estradas chamadas brBuracos, DESINTERIAS ALIMENTARES, ETC. Descobrirá também que o sonho de ter seu próprio caminhão é quase ilusão, pois o ganho nunca será suficiente para adquirir um veículo bom, no máximo poderá trocar uns 20 ano de serviço, por um meia boca, semi-novo(maquiado,bolado) e uma divida com bancos por mais uns 10 anos. .. Muito atrativa a profissão nos dias atuais.

    Sem mudanças nestas perspectivas acima, faltará cada vez mais candidatos aptos a poderem ser chamados de motoristas..Condutores irão aparecer aos montes e, morrer e matar em igual numero.

  • 27/03/2013 em 09:47
    Permalink

    bom!! mas isso esta acontecendo hoije, ate parece que e por uma ironia do destino, a mais de 10 anos atras um dia eu como um proficional, fiquei desenpregado, e como a minha experiencia era apenas com truck, fui procurar uma oportunidade de trabalhar com carreta, a primeira enpresa em que eu me ofereci minha experiencia para ter um chance de lhe dar com carreta a resposta do frotista foi essa???? bom nao sou nem um doido de colocar um inesperiente com carreta nas suas maos, e nem sou nem um centro para treinar motoristas com carreta, ate hoije eu nao entendi, o porque de uma resposta tao BRUTA e ao mesmo tempo INGUINORANTE, como essa, e isso nao foi apenas com a primeira enpresa em que eu procurei outras tanbem me ridicularizarao sem nem um motivo, a ultima enpresa por nome de JORDAO TRANSPORTE, pegaram meu curriculo, como se fosse um papel qualquer, numca em minha vida tive nem um problema com mals informacoes:, apenas alguns frotista foram assim comigo alguns daquela epoca se achavam SINPRISMENTE que numca iriam precisar de dar uma chance para quem tanto sonhava em ser um motorista de carreta assim como eu um DIA sonhei.

    • 27/03/2013 em 10:56
      Permalink

      chegou a noca hora amigão as empresas tem que reconhecer que não somos cachorros….

      • 01/04/2013 em 23:24
        Permalink

        Amigos, eles pensam que nós somos idiotas! Dizem que a lei esta atrapalhando o tempo da viagem… parece piada, eu acho que nenhum motorista das empresas deles estão cumprindo o horário… e sabem porque? Porque eles pagam a maldita comissão, ou algum incentivo para que eles continuem sendo escravos, enquanto eles só tem frota nova e ainda tem coragem de dizer que acidentes acontecem porque o motorista não sabe operar a maquina, pelo amor de Deus, parem de motivar os motoristas a se drogarem, cumprir horários quase impossíveis, queixam-se que falta mão de obra especializada, então treine novos motoristas, ou pague um salario justo que vcs teram motoristas qualificados. Eu trabalho em uma empresa boa, ela me oferece benefícios, cumpre a lei 12.619, tem manobras para levar caminhão para carga, descarga e oficina e nós quando chegamos de viagem podemos realmente descansar. O seu funcionário não é escravo meus amigos, temos uma jornada de trabalho dentro da CLT, mas vcs so conhecem ela quando estamos nos tribunais do trabalho.
        #FICADICA#

    • 04/04/2013 em 12:45
      Permalink

      Olá amigo Rivaldo Camargo,estou na mesma situação que você se encontrava à mais de 10 anos atrás, Trabalhava com truck e tem 2 meses que estou com a CNH E, e estou desempregado.

      • 08/04/2013 em 17:21
        Permalink

        humm!! e isso ai amigo, “””wllkenson carmo””. hoje gracas a deus eu estou em outro ramo de trabalho mas estou lutano para conprar o meu propio caminhao, pra numca mais ter que me humilhar: pra essas tipo e propietario de caminhao, boa sorte pra vc amigao!! e que vc possa ter a oportunidade que eu um dia nao tive.

Fechado para comentários.